Única em Londres o que fazer

Custo de vida em Paris: tudo o que você precisa saber; Custo de vida em Londres: Transporte. Para o uso de transporte público, a maioria dos passageiros usa o Oyster, que é um cartão mensal (e recarregável) de viagem. Também é possível utilizar um cartão bancário sem contato para fazer o pagamento. O que fazer em Londres - planeje seus dias em Londres com esta lista de programas imperdíveis para se fazer na cidade. Dicas de viagem para Londres Vou sair de Nova York(JFK) indo pra Amsterdan, so que vou fazer uma escala em Londres no terminal 5, que inclusive só vou ter 1h e 30min pra fazer tudo e ja estar no voo de Londres para Amsterdã, queria saber se acha que terei que fazer imigração, ou vou so fazer procedimentos de raio X e mostrar passaporte, desde de ja agradeço. Como estava em Londres justamente no dia que completava 20 anos da morte da Princesa e não se falava em outra coisa na TV e nos jornais, fui conhecer o Palácio. O Palácio de Kensington é bem m enos pomposo do que a maioria dos palácios que visitei na Europa, e por isso mesmo acho que combinava tão bem com a Diana. Tentarei me restringir a 10 dicas básicas para não me estender muito. Fora do básico, bem, tem o blog inteiro! Top 10: o que fazer em Londres . 1. Visitar locais históricos, alguns com mais de 1.000 anos . Londres existe há mais de 2.000 anos e o que não falta nesta cidade é história. O que fazer em Londres - Londres é uma cidade que oferece uma infinidade de passeios e atrações, boa parte deles reservada para o período diurno. Organizar o itiner Se prepare, pois a lista de o que fazer em Londres é longa. Conhecer a Abadia de Westminster. Considerada uma das igrejas mais famosas do mundo, a Abadia de Westminster, que foi construída ainda no século 10, na verdade é muito mais do que um templo religioso e ela não pode ficar de fora da sua lista de o que fazer em Londres. O que fazer em Londres – dicas para a sua viagem à capital do Reino Unido. O Big Ben e suas icônicas badaladas, ônibus vermelhos de dois andares circulando para cima e para baixo, sem contar com o clássico nevoeiro – mais conhecido como fog – que cobre a cidade de charme, periodicamente. Esses são apenas alguns dos elementos que fazem de Londres uma cidade única: cosmopolita e bem ... Informações sobre o que fazer em Londres- Inglaterra. Lista completa de passeios e atrações turísticas pra conhecer na cidade!

A Carreira de Trent Alexander-Arnold em Números

2020.10.08 04:41 futebolstats A Carreira de Trent Alexander-Arnold em Números

Quando cita-se um dos melhores laterais direitos da atualidade, o nome de Trent Alexander-Arnold que atualmente defende o Liverpool da Inglaterra e que também atua pela seleção da Inglaterra, deve ser levado em conta.
Trent John Alexander-Arnold nasceu em 07/10/1998 em Liverpool, na Inglaterra. Até hoje, ele só defendeu o Liverpool Football Club. Porém, o que se sabe sobre a trajetória dele até chegar a equipe principal dos Reds (Liverpool)? Quais feitos ele atingiu até aqui?

Juvenil

Da esquerda para a direita: Alexander-Arnold e um dos maiores ídolos do Liverpool, Steven GerrardAlexander-Arnold passou a maior parte de sua infância em West Derby em Liverpool, bairro próximo de Melwood onde se localiza o centro de treinamento dos Reds.
Em 2004, Trent Alexander-Arnold juntou-se às categorias de base do Liverpool FC, com 6 anos de idade, depois de ter sido observado por Ian Barrigan, técnico das equipes juvenis dos Reds, em um acampamento de Verão comunitário realizado pelo Liverpool para o qual a sua escola havia sido convidada.

A Carreira de Trent Alexander-Arnold em Números

Liverpool

Categorias de Base

Após a sua chegada às categorias de base do Liverpool, Alexander-Arnold costumava treinar de duas a três vezes por semana e quando chegou às equipes sub-16 e sub-18 dos Reds, foi escolhido por Pepijn Lijnders – técnico da equipe sub-16 – para ser o capitão do time.
Trent se destacou durante o seu tempo nas categorias de base do clube e, em 2015, ele foi citado em um livro que relatava a biografia de Gerrard que afirmou que Alexander-Arnold teria um futuro brilhante nos Reds.
No período que antecede a temporada 2015-16, Alexander-Arnold foi selecionado por Brendan Rogers para um amistoso da pré-temporada do time contra o Swindon Town e nessa partida, os Reds venceram por 2-1 e a joia de 17 anos, fez a sua estreia não oficial pelo clube.

2016-17

Depois de fazer parte da pré-temporada do Liverpool nos Estados Unidos antes do início da temporada 2016-17, em 25 de outubro de 2016, em jogo válido pelas oitavas-de-finais da Copa da Liga Inglesa contra o Tottenham, Jürgen Klopp promoveu a estreia de Alexander-Arnold o escalando como titular e assim sendo, a “joia” ficou em campo até 23 minutos do segundo tempo, quando foi substituído por Nathaniel Clyne. Quanto ao resultado do jogo, vitória dos Reds por 2-1 sobre os Spurs (Tottenham). Além disso, um dos ex-capitães e ídolo do Liverpool, Steven Gerrard, apoiou o jovem lateral-direito de 18 anos e ainda disse que ele se tornaria um profissional de ponta, “após uma estreia com uma boa atuação”.
Em 08/11/2016, o Liverpool anunciou que Alexander-Arnold havia assinado um novo contrato de longo prazo com o clube.
Em 29/11/2016, em confronto válido pelas quartas-de-finais da Copa da Liga Inglesa, o jovem lateral-direito de 18 anos ganhou uma nova oportunidade entre os titulares e pela primeira vez na sua carreira como profissional, proveu uma assistência; para o gol de Divock Origi no triunfo por 2-0 sobre o Leeds United. Após o fim dessa partida, ele foi eleito “The Man of the Match” (o homem da partida).
Em 14/12/2016, em jogo da 16ª rodada da Premier League (Campeonato Inglês), Alexander-Arnold entrou em campo aos 46 minutos da segunda etapa no lugar de Origi e com isso, fez a sua estreia em uma partida do Campeonato Inglês e além disso, os Reds venceram o Middlesbrough por 3-0 em pleno Riverside Stadium, estádio do Middlesbrough FC.
Em 15 de janeiro de 2017, em jogo da 21ª rodada da Premier League, pela primeira vez desde que passou a atuar pela equipe principal dos Reds, Alexander-Arnold foi escalado entre os titulares em uma partida do campeonato nacional, a qual o Liverpool e o Manchester United empataram em 1-1 no Old Trafford (estádio do Manchester United).
Após o jogo contra os Red Devils – Manchester United -, o jovem lateral direito de 18 anos jogou mais 5 partidas pela Premier League, mas não mais como titular e por fim, em maio do mesmo ano (2017), ele recebeu o Prêmio de Melhor Jogador Jovem do Liverpool na temporada 2016-17 e somando-se a isso, também ganhou o Prêmio de Melhor Jogador da Premier League 2 dessa temporada.
Em suma, na sua temporada de estreia como profissional, Trent Alexander-Arnold disputou 12 partidas e proveu uma assistência. Quanto ao Liverpool, terminou o Campeonato Inglês em 4º lugar, chegou até as semifinais da Copa da Liga Inglesa e também chegou até as oitavas-de-finais da Copa da Inglaterra.
PdGmACACVMj na temporada 2016-17
2445401663
Pd – Partidas disputadas, Gm – Gols marcados, A – Assistências, CA – Cartões amarelos, CV – Cartões vermelhos e Mj* – Minutos jogados

2017-18

No período de preparação para a temporada 2017-18, Nathaniel Clyne que era considerado o lateral-direito titular dos Reds sofreu uma grave lesão nas costas, o que proporcionou a Alexander-Arnold a oportunidade de revezar com Joe Gomez alguns jogos até a recuperação de Clyne e assim sendo, logo no primeiro jogo do Liverpool nessa temporada em 15 de agosto de 2017, no primeiro confronto da fase pré-eliminatória da UEFA Champions League (Liga dos Campeões) contra o Hoffenheim da Alemanha, o jovem lateral-direito de 18 anos iniciou como titular e marcou o seu primeiro gol como profissional no triunfo por 2-1 sobre a equipe alemã fora de casa e com isso, se tornou o 3º jogador mais jovem em sua estreia pelo Liverpool em uma competição europeia, depois de Michael Owen e de David Fairclough.
Posteriormente, no segundo confronto contra o Hoffenheim no Anfield Road, os Reds repetiram o placar do primeiro jogo e com isso, se classificaram para a fase de grupos da UEFA Champions League 2017-18.
Em 17/10/2017, em partida válida pela 3ª rodada da fase de grupos da Liga dos Campeões, o camisa 66 dos Reds – Alexander-Arnold – marcou o seu segundo tento nessa temporada na goleada por 7-0 sobre o Maribor da Eslovênia. Convém lembrar que esta foi a maior vitória de um clube como visitante nessa competição e também, a maior goleada imposta por um clube inglês jogando fora de casa.
Em 26/12/2017, em jogo da 20ª rodada da Premier League, o jovem lateral-direito de 19 anos marcou o seu terceiro e último tento nessa temporada na goleada por 5-0 sobre o Swansea no Anfield Road.
Em 4 de abril de 2018, Alexander-Arnold se tornou o jogador inglês mais jovem a iniciar uma partida de quartas-de-finais – jogo de ida – da UEFA Champions League e não decepcionou, pois teve um bom desempenho na vitória por 3-0 sobre o Manchester City. A sua atuação no triunfo sobre os “Cityzens” – Manchester City – o fez ser eleito “the man of the match” – homem do jogo – e recebeu elogios da mídia depois de ter anulado as ações de Leroy Sané na partida. Ele impressionou novamente no segundo confronto, ao qual os Reds venceram os Cityzens em pleno Etihad Stadium por 2-1 e assim sendo, pela 1ª vez após 10 anos, o Liverpool voltava a jogar uma semifinal de Liga dos Campeões.
Em 10/05/2018, pela segunda temporada seguida, o camisa 66 dos Reds foi eleito como o Jogador Jovem do Liverpool na temporada.
Em 26/05/2018, o Liverpool e o Real Madrid da Espanha decidiram o título da UEFA Champions League 2017-18 no Estádio Olímpico de Kiev, na Ucrânia. Alexander-Arnold se tornou o jogador mais jovem do Liverpool a iniciar uma partida de final dessa competição como titular. Encarregado de marcar Cristiano Ronaldo, ele teve um desempenho admirável, porém com duas falhas do goleiro, o Liverpool foi derrotado pelo time espanhol pelo placar de 3-1.
Após o término da temporada, em julho do mesmo ano (2018), o camisa 66 dos Reds foi indicado ao Prêmio Golden Boy e ficou em 2º lugar, perdendo o prêmio para Matthijs de Ligt, zagueiro do Ajax da Holanda naquela época.
Em suma, na sua 2ª temporada com a camisa dos Reds, Trente Alexander-Arnold disputou 34 partidas, fez 3 gols e proveu 3 assistências. Quanto ao Liverpool, além de ter sido o vice-campeão da Liga dos Campeões, terminou o Campeonato Inglês em 4º lugar,
PdGmACACVMj na temporada 2017-18
3433602744
3 gols dos quais, 1 foi pela UEFA Champions League, 1 pela fase pré-eliminatória da UEFA Champions League e mais 1 pela Premier League

2018-19

Em 15 de setembro de 2018, em jogo da 5ª rodada da Premier League, Alexander-Arnold chegou a marca de 50 jogos com a camisa dos Reds justamente contra a equipe que ele estreou como profissional – Tottenham – há quase 2 anos atrás e assim sendo, celebrou este feito com o time vencendo os Spurs por 2-1 no estádio do Wembley, em Londres.
Em outubro do mesmo ano (2018), o camisa 66 do Liverpool foi um dos 10 jogadores escolhidos para a disputa do Prêmio Kopa Trophy, um prêmio concedido pela France Football ao melhor jogador de futebol com menos de 21 anos de idade. Ele terminou em lugar nas votações, tendo recebido votos de Michael Owen, Denis Law e de Pavel Nedvěd. Nos meses seguintes, ele foi consistentemente listado nos relatórios do CIES – Centro Internacional de Estudos do Futebol – como um dos defensores mais valiosos do mundo, do ponto de vista do valor de transferência.
Em 24/11/2018, em jogo da 13ª rodada da Premier League, Alexander-Arnold marcou o seu primeiro e último tento nessa temporada no triunfo por 3-0 sobre o Watford no Vicarage Road, estádio da equipe adversária.
Em 27 de fevereiro de 2019, em partida válida pela 28ª rodada do Campeonato Inglês, o camisa 66 se tornou o jogador mais jovem do campeonato, com 20 anos e 143 dias, a prover 3 assistências num mesmo jogo; ao prover assistências para os 2 gols de Sadio Mané e para 1 dos 2 gols de Virgil van Dijk na goleada por 5-0 sobre o Watford no Anfield Road.
Em 05/04/2019, em jogo da 33ª rodada da Premier League, Alexander-Arnold se tornou o 5º jogador mais jovem a chegar a marca de 50 jogos pelo Liverpool neste campeonato, ficando atrás apenas de Michael Owen, Raheem Sterling, Robbie Fowler e de Steven Gerrard e para celebrar essa ocasião, contribuiu com uma assistência para o gol de Naby Keïta na vitória por 3-1 sobre o Southampton. Duas semanas depois, o jovem lateral-direito de 20 anos foi indicado ao prêmio de Jovem Jogador do Ano da PFA, embora o prêmio tenha sido ganho por Raheem Sterling do Manchester City e mais tarde foi indicado para a Seleção da Premier League 2018-19 ao lado de 3 companheiros de equipe do Liverpool, Virgil van Dijk, Sadio Mané e Andrew Robertson.
Em 04/05/2019, em confronto válido pela penúltima rodada (37ª) da Premier League, durante a vitória por 3-2 sobre o Newcastle, Alexander-Arnold igualou o recorde da Premier League com o maior número de assistências de um defensor em uma temporada, com as suas duas assistências nessa partida – para os gols de Van Dijk e de Mohamed Salah – chegou a marca de 11 assistências na Premier League 2018-19. Ele também o viu Andrew Robertson, lateral-esquerdo e companheiro de equipe, chegar ao mesmo número de assistências que ele e assim sendo, ambos se tornaram o primeiro conjunto de defensores da mesma equipe a prover dois dígitos de assistências numa mesma temporada.
Em 07/05/2019, no segundo confronto das semifinais da Liga dos Campeões contra o Barcelona da Espanha, os Reds entraram em campo tendo de reverter uma desvantagem de 3-0 no placar e mesmo com desfalques importantes para este embate, com uma grande atuação do seu camisa 66 que proveu duas assistências na goleada por 4-0 sobre o Barcelona no Anfield Road, incluindo um “escanteio instintivo” para o segundo gol de Divock Origi nessa partida e com isso, os Reds se classificaram para a final da UEFA Champions League 2018-19.
Antes de falar sobre o título do Liverpool na Liga dos Campeões, ainda convém lembrar que em 12/05/2019, na última rodada da Premier League 2018-19, o camisa 66 proveu assistência para 1 dos 2 gols de Mané e com isso, quebrou o recorde da Premier League de maior número de assistências de um defensor em uma campanha doméstica; 12 assistências.
Quanto a trajetória do Liverpool até a final da UEFA Champions League 2018-19 foi a seguinte> na fase de grupos, os Reds jogaram contra o Paris Saint-Germain da França, Napoli da Itália e contra o Estrela Vermelha da Sérvia e ao final desta fase, a equipe inglesa somou 9 pontos – 3 vitórias e 3 derrotas -, o mesmo número de pontos que o Napoli, mas seguindo seguindo um dos critérios de desempate – gols marcados -, o Liverpool conseguiu se classificar como o 2º colocado do grupo para a fase de mata-mata dessa edição da Liga dos Campeões.
Nas oitavas-de-finais, o Liverpool enfrentou o Bayern de Munique da Alemanha e após um empate em 0-0 no Anfield no jogo de ida, os Reds conseguiram vencer o Bayern em plena Allianz Arena em Munique por 3-1 e com isso, avançou para a fase seguinte.
Nas quartas-de-finais, o Liverpool enfrentou o Porto de Portugal e após um triunfo por 2-0 em solo inglês, venceu a equipe portuguesa como visitante por 4-1 e com um placar agregado de 6-1, os Reds seguiram adiante na competição.
Nas semifinais, os Reds enfrentaram o Barcelona da Espanha e após 2 confrontos épicos, a equipe inglesa levou a melhor e com um placar agregado de 4-3 se classificou para a final dessa edição da Liga dos Campeões.
Em 01/06/2019, o estádio Wanda Metropolitano em Madri na Espanha foi o palco de uma final inglesa – entre Liverpool e Tottenham – e Alexander-Arnold iniciou esta decisão como titular e com isso, se tornou o jogador mais jovem a jogar duas finais de UEFA Champions League como titular, quebrando um recorde que pertencia a Christian Panuci do Milan da Itália nas temporadas 1993-94 e 1994-95. Quanto ao resultado dessa final, vitória dos Reds por 2-0 sobre os Spurs e com isso, pela 6ª vez na sua história, o Liverpool se sagrava campeão de uma edição de Liga dos Campeões.
Trent Alexander-Arnold segurando o troféu da UEFA Champions League 2018-19Em suma, na sua 3ª temporada com a camisa dos Reds, Alexander-Arnold disputou 40 partidas, fez 1 gols e proveu 16 assistências; 12 destas pela Premier League, o que tornou-o o 3º jogador que mais proveu assistências na competição ao lado de Christian Eriksen do Tottenham e ficando atrás apenas de Eden Hazard do Chelsea (15 assistências) e de Ryan Fraser do Bournemouth (14 assistências). Quanto ao Liverpool, além da conquista do título da Liga dos Campeões, foi o vice-campeão dessa edição da Premier League e foi eliminado antes das oitavas-de-finais da Copa da Inglaterra e da Copa da Liga Inglesa.
PdGmACACVMj na temporada 2018-19
40116303388
Gol válido pela Premier League

2019-20

Na estreia do Liverpool na atual edição da Premier League em 9 de agosto de 2019, Alexander-Arnold proveu assistência para o gol de Origi na goleada por 4-1 sobre o Norwich City no Anfield Road e com isso, se tornou o 8º jogador na era da Premier League a prover assistências em 5 jogos consecutivos e o 1º jogador do Liverpool a fazer isso. Cinco dias depois, saiu do banco para entrar no lugar de Robertson após o fim do tempo regulamentar na decisão da Supercopa da UEFA – título disputado pelo campeão da Liga dos Campeões e pelo campeão da Europa League – contra o Chelsea, ao qual as duas equipes empataram em 2-2 e assim sendo, na disputa por pênaltis, o camisa 66 foi o 4º jogador a cobrar e converter a sua penalidade e com isso, os Reds venceram os Blues por 5-4 e iniciaram essa temporada como campeões da Supercopa da UEFA de 2019.
Em 31/08/2019, em jogo da 4ª rodada da Premier League, Alexander-Arnold marcou o primeiro gol da vitória por 3-0 sobre o Burnley com um cruzamento que desviou em Chris Wood. No entanto, os árbitros da partida não viram gol do camisa 66 e assim sendo, deram gol contra de Wood.
Em 22/09/2019, em partida válida pela 6ª rodada do Campeonato Inglês, em uma cobrança de falta o jovem lateral-direito de 20 anos marcou o seu primeiro e único tento até aqui na vitória por 2-1 sobre o Chelsea no Stamford Bridge, em Londres (estádio do Chelsea). Posteriormente, esse gol de Alexander-Arnold concorreu ao Prêmio de Gol do mês da Premier League.
PdGmACACVMj na temporada 2019-20
49415703991
Gols marcados na Premier League

2020-21


PdGmACACVMj na temporada 2020-21
40110359
a temporada 2020-21 está em andamento
Títulos que conquistou no Liverpool - UEFA Champions League2018-19 - Supercopa da UEFAde 2019 - Mundial Interclubes da FIFA: 2019 - Premier League: 2019-20
- O vídeo abaixo mostra os todos os gols e assistências de Alexander-Arnold com a camisa do Liverpool desde sua estreia como profissional – em 2016 – até a primeira semana de fevereiro de 2020 - Este vídeo foi publicado no YouTube em 12 de fevereiro de 2020 por sebarizlia

Números de Alexander-Arnold na Seleção da Inglaterra

Inglaterra

Seleções de Base

Assim como muitos outros grandes jogadores, antes de jogar pela seleção principal de seu país, Alexander-Arnold teve passagens pelas seleções de base da Inglaterra e assim sendo, disputou a Copa do Mundo FIFA Sub-17 de 2015 no Chile, torneio no qual a seleção inglesa não conseguiu passar da fase de grupos.
Em 7 de outubro de 2016, a joia do Liverpool celebrou o seu 16º aniversário marcando 2 gols pela seleção sub-19 no triunfo por 3-1 sobre a Croácia. Ele repetiu o feito em uma partida do mês seguinte contra o País de Gales, a qual a seleção inglesa saiu de campo com uma derrota por 3-2, embora o árbitro desse jogo tenha visto gol contra de Mark Harris.
Em 24 de março de 2017, marcou novamente 2 gols com a camisa da seleção inglesa na vitória por 3-0 sobre a Espanha e com este resultado, a Inglaterra obteve a classificação para o Campeonato Europeu Sub-19 de 2017. Porém, ele não disputou esse torneio, já que o Liverpool chegou a um acordo para poupá-lo visando a temporada 2017-18, mas vale ressaltar que mesmo sem a presença de Alexander-Arnold, a Inglaterra derrotou Portugal na final do Campeonato Europeu Sub-19 e assim sendo, conquistou o seu primeiro título nessa competição.
No mês seguinte, Alexander-Arnold foi convocado pela primeira vez para jogar uma partida com a seleção sub-21 nas Eliminatórias do Campeonato Europeu Sub-21 contra a Holanda e Letônia respectivamente e em 05/09/2017, fez a sua estreia pela seleção sub-21 diante da seleção letã em um jogo no qual os ingleses venceram por 3-0.

Seleção Principal

Em março de 2018, enquanto treinava com a seleção sub-21 da Inglaterra, Alexander-Arnold foi convidado para fazer parte dos treinos da seleção principal pela primeira vez antes dos amistosos contra a Itália e a Holanda. Dois meses depois, surpreendentemente foi convocado pela primeira vez por Gareth Southgate – técnico da seleção inglesa – e não foi para qualquer competição, Alexander-Arnold foi um dos 23 jogadores convocados para a disputa da Copa do Mundo FIFA de 2018 na Rússia.
Em 07/06/2018, a joia do Liverpool fez a sua estreia pela seleção inglesa em um amistoso no qual os ingleses venceram a Costa Rica por 2-0.

Copa do Mundo FIFA de 2018

Em 18/06/2018, Alexander-Arnold viu do banco a Inglaterra estrear na fase de grupos dessa edição de Copa do Mundo com uma vitória por 2-1 sobre a Tunísia e seis dias depois, novamente do banco viu o “English Team” – Inglaterra – golear Panamá por 6-1 e com a vaga para a fase seguinte assegurada, Gareth Southgate optou por escalar um time alternativo contra a Bélgica e com isso, o jovem lateral-direito jogou a sua única partida nessa Copa, porém foi para se esquecer, pois a seleção belga derrotou a seleção inglesa pelo placar de 1-0 e com isso, a Inglaterra teve de se contentar com o 2º lugar do grupo G.
Nas oitavas-de-finais, a Inglaterra enfrentou a Colômbia e após 120 minutos de jogo e um empate em 1-1, as duas seleções tiveram de decidir a vaga para a fase seguinte nos pênaltis e os ingleses levaram a melhor nas penalidades e venceram por 4-3.
Nas quartas-de-finais, a Inglaterra enfrentou a Suécia e diferentemente do jogo anterior, a seleção inglesa venceu a seleção sueca no tempo regulamentar por 2-0.
Na semifinal, a seleção inglesa enfrentou a Croácia e após um empate em 1-1 no tempo regulamentar, aos 9 minutos do primeiro tempo da prorrogação, Mario Mandžukić marcou o gol da vitória croata e assim sendo, ele acabou com o sonho dos ingleses de chegar a uma final de Copa do Mundo após 1966.
Após a derrota para a Croácia por 2-1, a Inglaterra disputou o 3º lugar contra a Bélgica e perdeu por 2-0. Convém lembrar que esta foi a 1ª vez que a seleção inglesa fica entre os 4 primeiros após a Copa do Mundo FIFA de 1990 disputada na Itália.
PdGmACACVMj
1000079

Liga das Nações da UEFA A 2018-19

Em 15/11/2018, em um amistoso internacional, realizado em homenagem a Wayne Rooney, Alexander-Arnold marcou o seu primeiro e único gol com a camisa da seleção da Inglaterra na vitória por 3-0 sobre os Estados Unidos no estádio do Wembley, em Londres e com isso, se tornou o jogador mais jovem – 20 anos e 39 dias – do Liverpool a marcar um tento pela seleção inglesa desde Michael Owen em 1999.
Em junho deste ano (2019), jogou como titular uma partida válida pela disputa do 3º lugar da Liga das Nações contra a Suíça e com a persistência do empate em 0-0 após 120 minutos de jogo, as duas seleções tiveram de decidir o posto de 3ª colocada nos pênaltis e a seleção inglesa levou a melhor e venceu por 6-5.
PdGmACACVMj
20000125

Eliminatórias da Euro 2020

Até aqui, a Inglaterra disputou 3 jogos pelas Eliminatórias da Eurocopa de 2020 e a única vez em que Alexander-Arnold iniciou a partida entre os titulares e jogou os 90 minutos foi diante de Kosovo em um jogo no qual os ingleses venceram por 5-3.

Liga das Nações da UEFA A 2020-21


TOTAL

PdGmACACVMj
111100804
Prêmios individuais - Prêmio de Jovem Jogador da Temporada do Liverpool: 2016-17 e 2017-18 - Equipe do Ano da PFA: Premier League de 2018–19 - Golden Boy: 2º lugar - Seleção ideal da UEFA Champions League2018-19 - Melhor Defensor da UEFA: 2018–19 (3° lugar) - Indicado ao Ballon d’Or: 2019 (19° lugar) - Equipe do Ano da UEFA: 2019

Considerações Finais

Com base em todos os números analisados até aqui pode-se concluir que Trent Alexander-Arnold é um jogador rápido e bastante ofensivo, pois mesmo sendo um lateral provem muitas assistências e isso só mostra outras das suas ótimas qualidades, tais como versatilidade, bons passes, precisão em passes longos, precisão em cruzamentos e em escanteios.
E para vocês? Trent Alexander-Arnold é um dos melhores laterais-direitos da atualidade ou ele já pode ser considerado o melhor nessa posição?
O post A Carreira de Trent Alexander-Arnold em Números apareceu primeiro em Futebol Stats.
from Futebol Stats https://bit.ly/2nDMCHP
via IFTTT
submitted by futebolstats to SiteFutebolStats [link] [comments]


2020.09.28 10:24 UninformedImmigrant U wot m8? Estórias de um gajo que se mudou para o UK [Capítulo 2: Que se lixe isto, vou comprar um carro]

Olá amigos. Hoje vamos falar de carros, um assunto que me é muito querido.

Take-Aways Principais

Driving is love, driving is life

Quando tinha 14 anos os meus pais deram-me uma motinha de 50cc velhinha. Tinha dezenas de milhares de quilómetros, estava a precisar de algum trabalho, gastava muita (MUITA) gasolina, mas era minha. A partir desse dia tornei-me independente: tinha a possibilidade de ir onde quisesse, quando quisesse. Toda a cidade passou a estar acessível no espaço de minutos e não horas, e as aldeias envolventes em "meias horas" e não horas. Deixei de ter que pedir para que me levassem aos sítios, passei a ir quando queria ou precisava. Com algum dinheiro da mesada podia ir saindo com os amigos e começando a ter uma vida mais "adulta". Pouco tempo depois, ainda por volta dos 14, aprendi a conduzir carros também (em estradas privadas, claro).
O valor desta transição é absolutamente imensurável no desenvolvimento de um miúdo. Passa a haver responsabilidade. Quando tinha acidentes, o que acontece de certeza, a culpa era minha e havia consequências. O corpo doía, a mota aparecia riscada e a precisar de reparações, e o que não conseguisse fazer eu tinha que encontrar forma de pagar. Os vizinhos queixavam-se do barulho. Quando chovia chovia-me em cima, e quando fazia frio de manhã a mota não queria pegar. Mas! Quando queria ir ao Continente comprar doces podia ir, quando queria ir visitar o meu pai não tinha que pedir boleia a ninguém, e por aí fora.
A experiência de começar a conduzir muito cedo, particularmente no ambiente "controlado" de uma cidade pequena, serve também para desenvolver algum instinto (à falta de melhor expressão) para a condução, nomeadamente para as duas partes fundamentais que as constituem:
Eu não sei como tem sido ultimamente, mas o processo de obter a licença dos 14 anos há quase 20 anos atrás era ridiculamente simples. Eu sinto que isso não é necessariamente mau, pois reduz a barreira de entrada à condução numa altura em que ainda é possível ganhar aquele "jeito" para a condução sem se tornar uma coisa estrangeira e forçada. Tudo somado, foi facilmente uma das experiências que mais serviram para me fazer crescer naquela altura, e algo que pretendo certamente incutir em infelizes filhos que alguma vez venha a ter.
Quando fiz 18 anos deram-me um carro (muito) velhinho para as minhas voltinhas em Coimbra, para onde iria estudar. Mais uma vez, é um privilégio: era muito velhinho, o seguro era baratinho e o imposto também, mas mesmo assim nem toda a gente conseguia ter o seu próprio carro. Por ter carro nunca precisei de usar os autocarros muito regularmente, o que me permitiu poupar noutras coisas: podia fazer as minhas próprias mudanças quando mudava de casa, podia participar em actividades extra-aulas com mais facilidade, etc etc. Fui quase sempre designated driver, mas sempre foi uma responsabilidade que aceitei com muito gosto: é bom de ter a oportunidade de levar os meus amigos a casa em segurança no fim de uma noite de castanhada. Se eu próprio quisesse participar na castanhada, a Maria normalmente voluntariava-se para trazer o carro para casa.
Ter um carro velho, sem modernices como sensores (ahah), GPS, rádio (exacto), direcção assistida ou ABS, permitiu-me fazer certas coisas. Com a liberdade de experimentar, pude tentar fazer várias reparações eu próprio; notavelmente, o disco de embraiagem que neste momento está nesse carro, que ainda anda, fui eu que o coloquei lá. Pude também fazer uso de alguns baldios que há em Coimbra e arredores para aprender a controlar o carro em situações mais extremas; uma espécie de curso de condução em condições adversas do homem pobre. O que é que acontece se tiver que fazer uma travagem de emergência em piso escorregadio? Como compensar a falta de ABS caso as rodas tranquem? E se a traseira deslizar?
Conduzir, para mim, não é um privilégio nem uma mania nem um capricho. É uma das pedras basilares da forma como lido com o dia-a-dia, uma forma inalienável de independência. O transporte pessoal é uma extensão do meu corpo e conduzir é um escape muito, muito importante.

Viver no campo sem carro

Durante os primeiros 6 meses que passei no UK tive que viver sem transporte próprio; apenas conduzi carros alugados por curtos períodos para ver casas ou fazer mudanças. Usei esses meses para me ambientar, deixar passar o primeiro inverno, estabelecer-me no trabalho e tratar de todas aquelas burocracias que discutimos no capítulo anterior. Aguentei todo esse tempo graças ao facto de a empresa para quem trabalho oferecer um serviço de shuttles para funcionários, que liga o campus às cidades e vilas mais próximas, numa das quais eu vivo. Isto permitiu-me não me preocupar com transportes para o trabalho durante meses, o que foi uma benesse incrível.
Estes primeiros meses foram de adaptação, de exploração e de cometer erros parvos. De aprender a perceber os Ingleses, como se comportam nas coisas mais básicas, e de me tentar misturar com eles com sucesso. Eu optei por viver no campo (i.e. significativamente fora das cidades grandes aqui à volta) por várias razões:
Tirando as viagens casa-trabalho-casa, a minha mobilidade estava muito reduzida. Ir a qualquer lado envolvia caminhar uma distância suficientemente grande para me chatear, no mínimo até à estação dos comboios e depois outro tanto onde quer que fosse. Ir às compras era um pau no cu porque tinha que as arrastar pelo monte acima até casa, pelo menos até descobrir que os supermercados entregam em casa por um preço muito muito razoável.
E depois há a rede de transportes. Eu adoro andar de comboio, mas infelizmente aqui é impossível. Nós somos dois, e ir à cidade mais próxima custa-me, pelo menos, umas 20 libras em bilhetes de comboio. Para comparação, demoro uns 25min a chegar lá de carro (mais ou menos o mesmo) e gasto talvez 2 ou 3 libras de combustível. Já para não falar no congestionamento a certas horas, em que não só os bilhetes são estupidamente mais caros, como temos que fazer a viagem toda em pé. Viagens grandes então nem se fala! Eu quero ir à Escócia ver se encontro a Nessie, e a viagem de comboio para 2 pessoas, ida e volta, ia-me custar facilmente 1000£!! Os comboios em si são espectaculares; fazem os nossos velhinhos Intercidades parecer ainda mais velhos e merdosos do que são mesmo.
Aos autocarros aplicam-se comentários semelhantes, com algumas agravantes. Não só são caros como tendem a não andar a horas, são populados com as pessoas mais nojentas que se consiga imaginar, e devem ser limpos à saída da fábrica e nunca mais.
Se calhar sou eu que sou maniento, se calhar acham que sou um snob mal habituado que anda de cu tremido desde cachopo, se calhar acham que devia era viver uns anos sem carro para ver o que é bom. Eu cá acho que paguei as minhas favas e agora mereço andar de carro até me doerem os joellhos. Eu antes quero poder ter carro e viver deslocado da cidade, do que viver no centro e andar no meio do magote enfiado em autocarros bolorentos e metros a cheirar a mijo. São escolhas. Não vejo grande apelo na "vida cultural" da cidade, da qual até posso desfrutar pegando no carrito e indo lá ver o que é o quê.

Comprar um carro

Um dia destes, com a conta do banco recheada de dinheiro de devolução de impostos, decidi que estava na hora de comprar um carro. Andei a ver carros novos e usados, e decidi que o hot hatch era para mim. Algo na vizinhança das 20000 libras, 10 pagas à entrada e outras 10 pagas em prestações durante uns 3 anos. Parecia-me razoável, estava bem dentro dos limites do que podia pagar e não me impedia de ir chegando aos meus objectivos de poupança.
Marquei um test drive e apanhei um comboio até ao stand. Chegado lá, aproveitei para fazer todas as perguntas e mais alguma ao vendedor, entre as quais como funcionaria o financiamento. Aí ele entregou as más notícias: com menos de 3 anos de residência, é virtualmente impossível conseguir financiamento para um carro, muito menos naqueles valores. Chateei-me, chamei um taxi e fui-me embora sem muito mais conversa. Fiquei fodido. Ainda verifiquei junto do meu banco com esperança da que eles, sabendo quanto ganho, etc, fizessem um jeitinho. Os valores a que me podia candidatar era muito mais baixos do que alguma vez funcionariam, por isso desisti do financiamento. Pela primeira vez na minha vida, ia comprar um carro a pronto.
Passei umas semanas a estudar melhor o mercado de usados. Andei a ver no autotrader [1], aparentemente o site mais popular de anúncios de carros. A primeira coisa em que reparei foi o quão mais baratos os carros são aqui que em Portugal. Eu sempre achei os carros usados caríssimos em Portugal, mas isto trouxe à luz o quão roubado o tuga médio é quando compra um carro. Para terem uma ideia, um familiar meu tinha comprado um carro por 5000€ (valor ajustado ao mercado) pouco antes de me mudar para cá. O mesmo carro, mesmo ano, mesmo trim level, com menos quilómetros, aqui custava 750£. Telefonei-lhe a gozar com ele, foi incrível.
Então decidi que o meu orçamento seria os tais 10k que pretendia originalmente dar como entrada. Deixei de parte a ideia do hot hatch para poder comprar algo mais recente, pois queria um carro com 2 ou 3 anos no máximo. Este limite não era tanto por cagança, mas porque queria apostar mais na fiabilidade do que noutros aspectos. Um carro mais novo, com menos quilómetros, tem uma probabilidade menor de me dar problemas no início, o que me compra tempo para conhecer o panorama de oficinas aqui à volta, o que esperar do seguro, etc. Pequeno, novo, simples, fiável; fui à caça
Há um conjunto de coisas a ter em atenção quando se procurar um carro usado:
Curiosamente, acabei por comprar o meu carro no mesmo stand onde fui antes, ao mesmo vendedor que me tinha entregue a triste notícia sobre o financiamento. Ele ficou impressionado por me ver de volta, mas a vida tem dessas coisas. Apenas fiz um test drive, e comprei imediatamente o carro. Pode parecer precipitado, mas:
bom negócio. Um bocadinho acima do valor de mercado segudo o autotrader, mas nada de muito preocupante.
Ficou marcado ir levantar o carro dali a 2 dias, e entretanto teria de tratar do seguro. Eu já tinha feito algumas simulações de seguros, portanto sabia o que esperar, mas mesmo assim achei caro: quase 1000£ ano para o seguro de um carro pequeno. Entretanto tenho explorado melhor o assunto, e parece que o mercado de seguros no UK sofre de graves problemas:
Para tornar o sistema verdadeiramente insultuoso, há seguradoras que oferecem potenciais descontos se instalarmos no carro um tracker da sua eleição [4]. Ou seja: cobram o que quiserem e ainda querem saber onde ando e a que velocidade ando, e se eu conduzir "bem" segundo lá os critérios deles, fazem-me um desconto; se não gostarem da minha condução sobem-me o preço. Naturalmente, mandei-os passear e paguei mais por um seguro sem tracker. Honestamente, acho a mera proposta de me deixar espiar por um potencial desconto no seguro nojenta: é o reflexo de um sistema profundamente partido. Ninguém diz a um português o que é conduzir "bem", caralho.
O seguro do carro trata-se todo online, o que para mim é muito estranho, e até se pode verificar online se o carro tem seguro [5]. Os comparadores de preços [6] são nosso amigos, mas cuidado com eles por vezes; já li casos de pessoas que tiveram apólices canceladas por tentarem muitas comparações com detalhes ligeiramente diferentes (infelizmente não encontrei uma ref para esta, mas penso que foi no /LegalAdviceUK). Correndo o risco de me repetir, o sistema de seguros auto aqui está profundamente desregulado e a precisar de alguém com tomates para o resolver. Certamente não será o BoJo.
No dia em que levantei o carro:
Dias depois recebi o novo V5C em meu nome. O V5C é uma espécie de livrete, ou "documento único" se formos modernos, mas ao contrário do livrete nunca deve andar no carro pois é muito fácil transferir o V5C para outro nome sem intervenção do dono anterior. Mais curiosamente ainda, o V5C não prova propriedade do carro, apenas quem é o "registered keeper" dele. Por outras palavras, a minha única forma de demonstrar que sou dono do carro é a factura que me deram quando o comprei. Neat.
Sentei-me no carrito, carreguei no botão para arrancar o motor pensando "que modernice", e ele lá acordou. Curiosamente, só nesta altura é que me ocorreu: se calhar não era uma má ideia ir ler sobre as regras da estrada aqui. Sorte a minha, o governo tem a totalidade do Highway Code [8] disponível no site, e tenho-o lido aos bocadinhos. Mais sobre isso no próximo capítulo.
Curiosamente, não é preciso termos connosco nenhuma documentação quando conduzimos [9]. Os Ingleses têm uma abordagem diferente da nossa no que toca à documentação; é tudo guardado em bases de dados do governo, e eles só precisam de verificar a matrícula contra a base de dados para saber se está tudo bem. O condutor apenas precisa de ter a carta de condução, e alguma identificação por conveniência. Eu pessoalmente costumo ter o cartão de cidadão e a carta de condução. Idealmente teria o passaporte, mas evito andar com o passaporte no bolso, e o cartão de cidadão deve ser mais do que suficiente como identificação até no mundo pós-brexit. Na realidade penso que a carta de condução por si chegaria, mas mais vale estar seguro né?
Virei proprietário do meu próprio veículo! Mais um, porque nunca vendi o bolinhas que está em Portugal.

Conclusão

Tenho que confessar que estou impressionado pela positiva com a experiência que foi comprar um carro no UK. O processo foi muito mais simples do que esperava, e praticamente tudo se tratou no stand na hora da compra. Até o seguro podia ter ficado logo resolvido, mas eu preferi fazer em casa com mais algum controlo sobre isso. Nota-se que é um sistema muito mais polido que em Portugal, pelo menos na minha experiência.
A minha relação próxima com a condução começa a entrar, infelizmente, em rota de colisão com o status quo: vivemos num mundo que cada vez menos suporta o transporte individual. Há gente a mais no mundo, e há carros a mais no mundo, há fumo a mais no mundo. Na realidade, há "a mais no mundo" de quase tudo o que é mau, pessoas incluídas. Sinto que esta minha necessidade de conduzir vai brevemente bater de frente contra a necessidade global de cortar no transporte individual a favor de transportes colectivos. Até lá, vou aproveitar as espectaculares estradas de campo aqui à volta, particularmente a horas em que não estejam completamente congestionadas. Fiquem de olho, o próximo capítulo vai falar sobre a experiência que é conduzir no UK, e como é que difere do que eu esperava.
Desta feita apontei para um post mais curto que o anterior, que essencialmente parte este assunto em dois: este primeiro cobre o processo de como (e porquê) comprei o carro, e o seguinte vai cobrir a experiência de conduzir em si. Notei que o engagement no capítulo 1 foi menor que nos posts anteriores, e suspeito que ler uma epopeia tão longa não ajuda; digam-me nos comments se tenho razão.
Abraços, e obrigado por virem à minha TED talk.

Referências

Capítulos Anteriores

submitted by UninformedImmigrant to portugal [link] [comments]


2020.08.24 03:06 zephrot Diário de uma queda

Meu primeiro conto senão me engano, 8 anos atrás, resolvi revisar e mudar ele, masss antes disso quis postar a versão antiga antes da nova surgir, acho que é o certo a se fazer, espero que você ache minimamente interessante. :)

"Você é puro? Livre de pecados? Pronto para estar perto do nosso e único Deus? Se sim, zephyr É seu lugar"

Essa frase foi lançada desde o dia 1 de zephyr, uma bela mentira lançada para encobrir uma cidade podre por dentro, o que supostamente seria um templo no céu se tornou o túmulo de muitos, fora da casa em que me encontro ouço os sons de tiros e gritos, resultados da revolta contra o profeta, o cheiro de sangue invade pela janela, a cada poucos segundos ouço gotas de sangue e gemidos vindo de Arthas, o desgraçado demora pra morrer.
Não que isso seja ruim, demorei 10 anos para encontrar e matar o filho da puta, e ainda não me sinto satisfeito, não depois do que fizeram com minha família.
Dizem que acordar com uma visão do céu e sinal de boa sorte… creio que se isso fosse verdade eu teria sorte por toda minha vida.
Crescer nas nuvens teve suas alegrias, momentos perfeitos naquela cidade utópica criada pelos ideais de um fanático, uma cidade livre de pecadores, livre de raças inferiores, ali nos estávamos perto de Deus e ele perto de nos. Zephyr era seu nome, a joia do céu, a cidade livre de pecados, sua historia de origem? Bom, a real historia eu fui descobrir depois de muito tempo, mas a versão que nos era contada por nossos pais era a seguinte:
"Décadas atrás, quando o mundo estava perdido em guerra, uma criança nasceu em meio ao caos, uma criança que viria a ser nosso profeta, aquele que fundou nossa joia, nossa Zephyr. Sua infância perdida em meio a violência, se fez homem cedo e buscou em Deus refugio, e nosso amado Deus não deixaria tal criança sofrer em vão, a essa mesma criança foram dadas visões, visões na quais se via Zephyr. já como jovem iniciou a busca pela terra prometida ate se dar conta de que ele seria aquele que iria construi-la. E assim ele achou a entidade, o espírito do oeste, aquele que nos mantém no ar"
Se você achou vago, não se assuste, ele fez de tudo para deixar a narrativa aceitável, talvez tenha falhado em deixar convincente porem mesmo assim todos aqueles em Zephyr eram fiéis ao seu profeta... Pelo menos ele assim pensava. A historia não esta totalmente errada, na época como criança eu mesmo acreditava e orava pelo profeta, mas me perdoem, eu era tolo, e como tolo eu errei.
Com amor: Donnie
O cotidiano da minha infância seguia uma rotina bem simples, durante a semana aulas do começo da manha ate o fim da tarde, sábado passeios ocasionais com colegas de classe, aos domingos sempre tínhamos a santa missa, a qual todos os moradores de Zephyr eram obrigados a ir, isso resume minha vida desde os 8 aos 15 anos, mas uma hora ou outra a realidade bate em nossa porta.
Dia 30 de julho sempre foi uma data especial em minha casa já que marcava tanto o casamento de meus pais quanto o aniversario de minha irmã, Angie, ela era a nossa luz de cada dia, não importava o que acontecesse ela sempre sorria, sempre nos alegrava. Meu nome é Donnie, junto com Angie e meus pais Magnus e Cristine nos éramos a família Carter, uma família até que bem respeitada em nossa cidade, meu pai sendo um conhecido arquiteto e minha mãe uma dona de casa muito conhecida por seus doces, éramos em geral uma família feliz que ate esse ponto não tinha sido tocada por aquilo que Zephyr escondia.
Nossa cidade tinha uma ligação com o mundo terrestre graças aos dirigíveis, e logo abaixo de Zephyr havia uma pequena ilha onde ficava um terminal de abastecimento para nossos meios de locomoção além de uma pequena praia onde famílias podiam ir visitar e passar uma tarde agradável na areia ou no mar, contudo esse era o limite que o Profeta nos deu, qualquer contado maior com o povo da superfície podia nos influenciar no caminho do pecado, entretanto não era incomum nossa pequena ilha no meio do mar ser visitada por pessoas de grandes países, que são em sua maioria cheios de cidades, as que mais ouvíamos falar quando crianças eram Nova Iorque, Londres, Paris, e de um pequeno pais chamado Cuba, também não era incomum pessoas de cor aparecem por lá, mas logo eram detidas, pois de acordo com o Profeta, Deus marcou os pecadores com cores e características diferentes das nossas para que assim não nos envolvêssemos com o tipo errado de amizade.
Agora que expliquei o que e como funcionava a ilha, voltemos ao ponto em que parei, naquele dia para comemorar seu aniversario Angie quis descer ate a praia, ela amava a agua, desde pequena não gostava quando nossa mãe a tirava da banheira, ela era uma criança tão pura, fazendo seus 12 anos naquele mesmo dia. Como era seu aniversario meus pais não tinham como dizer não, escolhemos o primeiro dirigível das 9 da manha e descemos ate a praia, um detalhe muito importante era a maneira como minha relação com Angie funcionava, não era a típica relação de irmãos onde sempre há brigas, nos sempre apoiamos um ao outro, não importasse o que fosse, era tudo tão lindo ao lado de minha irmã, nosso percurso no ar levou cerca de 10 minutos, a excitação dela era palpável no momento em que ela viu o mar, meus pais como sempre abraçados e sorrindo ao ver o sorriso em seu rosto, pode parecer que meus pais não me davam bola, mas aquele dia era deles e dela, e eu me contentava por vê-los felizes, isso era mais que suficiente para mim, ao desembarcar no hangar de pouso a primeira coisa em nosso campo de visão foram as lojas da ilhas, um verdadeiro parque de diversão para Angie, só não era o mesmo para o bolso do meu pai.
Nossa primeira parada foi o carrinho de sorvete, uma tradição de nossa família toda vez que íamos ate lá. Angie avistou um vestido florido cheio de cores numa loja próxima, creio que ao ver isso a carteira de meu pai já começou a se preparar, devo mencionar que nos não éramos pobres, mas também não ricos como os Lannis ou os Bariens, mas vivíamos bem só que meu pai era mão de vaca mesmo. Creio que não seja necessária uma descrição detalhada de nosso dia na praia, comemos um belo café da manha, meus pai ficaram na areia abraçados enquanto eu e minha irmã estávamos no mar, pouco depois almoçamos ali mesmo na areia, a única parte realmente relevante dessa tarde foi que o capitão da guarda de Zephyr estava por perto e veio nos cumprimentar, seu nome? Arthas Lannis, um membro de uma das famílias mais ricas de zephyr, aquele filha da puta, pode ter demorado mas ele teve o que mereceu. Quando começou a escurecer meus pais decidiram que já era hora de irmos, e assim pegamos o próximo dirigível de volta para nossa cidade nos céus.
Lembram do amor de minha irmã por rosas? Eu não podia deixar isso passar em branco, assim que chegamos em nossa casa, pedi ao meus pais se poderíamos dar uma volta enquanto eles descansavam (eu sabia que eles queriam um tempo a sós) então foi fácil convencer eles, assim que eles liberaram saímos de casa, queria leva-la aos jardim da ilha do cardeal, esse era o bairro onde os membros do culto do Profeta moravam, então tínhamos que entrar as escondidas, mas valia a pena, eu sabia qual seria a reação dela ao ver o mar de rosas vermelhas daquele jardim, atravessamos a ilha onde nosso bairro se encontrava e fomos pela ilha comercial chamada de Lazaro, caso esteja confuso entender nossa cidade era dividida em ilhas flutuantes interligadas por bondinhos ou pontes, existiam dezenas de ilhas com vários tamanhos e utilidades diferentes, mas a mais imponente de todas era a ilha do Iluminado, chamada assim já que seu único habitante era ninguém mais ninguém menos do que o Profeta, entretanto não era permitido perambular perto daquela ilha, e isso nem mesmo eu ousava desobedecer, ao chegar na ponto que ligava Lazaro com Cardeal, tomamos cuidado para que ninguém nos visse e assim adentramos a ilha, ao passar pelo portao rodeado de madressilvas, logo ali na nossa frente, estava o que prometi a Angie, o mar de rosas mais lindo que jamais fora visto, lhe avisei que podia pegar apenas uma rosa para levar de lembrança, ela escolheu uma linda rosa vermelha bem gorda e sem nenhuma mancha. Ali estava ela, em pleno êxtase de animação ao segurar rosa em suas mãos, contudo, a realidade sempre bate em nossa porta não e mesmo? E foi assim que ela bateu na nossa. Um grito não muito longe de onde estávamos no alertou de que algo estava errado, puxei minha irmã pela manga e fui o mais rápido e silencioso possível em direção, esse foi meu primeiro erro, e paguei caro por ele, sem perceber acabei nos levando em direção do grito, ao chegar na intersecção das ilhas, bem em frente da ponte havias uma figura escura mesmo sendo iluminada por um poste, atrás dele um pouco retorcida havia uma criança chorando baixo, três homens carregando armas surgiram na frente do homem escuro, que mais tarde soube que na verdade ele era um afro descendente, o mais chamativo dos três homens que surgiram ira o conhecido Arthas Lannis.
Arrastei Angie comigo para trás de um banco perto da ponte, pensei que fosse ser possível esperar ali ate o que quer que fosse acontecer ali acabasse, esse foi meu segundo erro, mesmo de não muito perto pude ouvir a conversa entre eles:
– Por favor, minha filha e inocente, deixa-a ir – o tom de suplica em sua voz pegou de surpresa.
– A deixar ir? Ela carrega sua cor, a cor de um pecador, pelo bem de Zephyr não posso permitir esse tipo de gente em nossa cidade – quem falou isso? O capitão Arthas em pessoa, cuja frieza soava cortante.
– Meu Deus, protegei seu servo.. – antes dele prosseguir Arthas o acertou com uma coronhada.
– Quem você pensa que e para pronunciar o nome de Deus em vão? Raça imunda – uma segunda coronhada, dessa vez a menina começou a chorar de verdade. – Vão para o inferno, lugar onde o resto da sua raça te encontrara em breve. Guardas..
– Porque? – tanto eu e os guardas não sabiam em que reparar, na pergunta, ou na pessoa que a fez – Porque fazer isso com eles? Ele só esta protegendo ela – lá estava Angie, segurando sua rosa com ambas as mãos na espera de uma resposta;
Arthas foi quem se recuperou antes e disse:
– Vá para casa pequena, você não tem nada a ver isso – não havia cortesia em sua voz, aquilo tinha sido uma ameaça velada, infelizmente Angie não recuou, pelo contrario, enfrentou novamente o capitão se pondo na frente do homem escuro. – bom você não me deixa escolha criança – não havia hesitação em sua voz, ele nem sequer sentiu qualquer remorso – Guardas – lá estava eu paralisado, tanto por medo quanto pela própria cena em si – Apontar – minha voz não saia, nada que eu falasse ou tentasse pelo menos fazia, eu fiquei lá, parado, sem a mínima reação, esse foi meu terceiro erro, nesse meio termo, minha irmã com suas mãozinhas delicadas encaixou sua linda rosa no cano da arma do capitão, e mesmo assim, mesmo diante dessa cena não houve um brilho sequer de piedade em seus olhos, naquela horas eles estavam mais escuros do que nunca – Fogo.
Eu gritei, ao som do comando de Arthas eu gritei, mas voz nenhuma saiu, tudo o que consegui ver, foram pétalas queimadas daquela linda rosa boiando em um pequeno mar de sangue.
submitted by zephrot to u/zephrot [link] [comments]


2020.07.25 18:34 YatoToshiro Fate/Gensokyo #47 Archer of Red (Fate/Apocrypha)


Fate/Apocrypha - Fate/Grand Order
​O Nome Verdadeiro do Arqueiro é Atalanta, Uma caçadora famosa conhecida como Caçadora de Castas Que aparece na mitologia grega.
Ela é uma caçadora famosa por seus pés rápidos na lenda da Grécia Antiga. Ela se tornou famosa depois de ser a primeira a lançar uma flecha no Javali Calidoniano durante seu extermínio. Além disso, ela é incluída como membro dos argonautas, que reuniram bravos heróis de toda a Grécia. Ela tem o passado trágico de nascer como filha de um rei de um determinado país e ainda ser abandonada nas montanhas por seu pai.
Legend
Atalanta nasceu como filha do rei Iasus da Arcádia. No entanto, apesar de ter nascido e ser a princesa do paraíso natural, Atalanta acabou sendo abandonada nas florestas e nas montanhas imediatamente quando nasceu, quando foi evitada pelo pai - que desejava um filho. Mas ela sobreviveu graças à proteção divina de Artemis, uma deusa virgem que sentiu pena dela. Ártemis enviou e fez um urso fêmea, um animal sagrado da deusa, nutrir a menina dando leite e levantando-a. Em gratidão, Atalanta é um seguidor fervoroso de Ártemis.
Depois disso, depois de ter sido criada pela ursa enviada por Artemis, e mais tarde foi descoberta e adotada por caçadores que pisaram nas montanhas, Atalanta desenvolveu suas habilidades conspicuamente, talvez devido ao seu talento latente, e também se tornou uma caçadora. Ao atingir a idade adulta, Atalanta cresce e se torna uma caçadora excelente e inigualável, e ela realiza muitas aventuras.
Há três contos pelos quais Atalanta é famosa. O primeiro conto é sobre como ela foi escolhida, acompanha e participa como membro dos Argonautas liderados por Jason. Atalanta se orgulha de ser a mais rápida entre os humanos, e logo depois de se tornar uma das poucas tripulantes do Argo, ela conheceu o herói Meleager.
Meleager ficou encantado com Atalanta, e ele a convidou para o extermínio da Besta Mágica da Caledônia. O segundo conto é sobre o extermínio do Javali Calidoniano, onde Atalanta é mais conhecida por sua participação nesta caçada, mas isso resultou em uma tragédia logo após esse evento. Por uma questão de exterminar esta Besta Mágica que foi despachada por Artemis, que ficou com raiva de um rei que estava sendo negligente ao oferecer-lhe um sacrifício, Atalanta e os outros esgotaram seus esforços em uma tentativa desesperada de caçar o javali. No entanto, embora Meleager tenha perfurado o golpe final, ele entregou a conquista a Atalanta, que foi a primeira a acertar sua flecha no javali, sendo um ato de boa vontade para Atalanta, ou Meleager tendo pensado que isso é algo que deveria seja simplesmente seguido como um herói.
Em relação aos homens, eles demonstraram descontentamento em relação a isso, onde não podem crescer para serem simplesmente tolerantes e estavam dizendo que possuem habilidades maiores que Atalanta, que é mulher. Uma briga de repente ocorreu entre Meleager e seus parentes, e Meleager foi infligido por uma maldição mortal.
O terceiro conto é sobre a disputa pelo casamento de Atalanta. Após a caçada ao Javali Calidoniano, Atalanta retornou à sua terra natal, mas seu pai, que nunca teve um filho, ordenou que ela se casasse. uando os pretendentes começaram a se apressar para pegar sua mão, a problemática Atalanta decidiu transformá-la em uma competição de corrida de pés. Ao prometer um voto de virgindade à deusa, ela proclamou: "Só me casarei com alguém que possa me derrotar numa corrida de pés. Aqueles que perderem serão mortos". Ela rasgou um grande número de desafiantes. Embora Atalanta não perdesse para ninguém na corrida aos pés, ela caiu nos planos covardes de um homem que pediu emprestada a ajuda de uma deusa e acabou se casando sem força. Ela perdeu quando foi levada a pegar maçãs douradas irresistíveis jogadas na frente dela, e ela teve que quebrar seu voto. Posteriormente, foi dito que ela foi transformada em leão como punição, mas isso é incerto.
Em relação a Meleager, é incerto que tipo de sentimentos Atalanta abraçou por ele. No entanto, ela parecia ter visto o resultado de um homem que a amava ser arrastado para uma tragédia, enquanto, com relação à persuasão de seu pai em se casar, ela tentava escapar da demanda irracional que lhe era imposta, mas ela também não conseguia. No final, nenhum desses contos teve um final particularmente feliz para ela, e sua desconfiança em relação aos homens se tornou extremamente forte devido ao terceiro conto em particular também.
No que diz respeito a ela, Atalanta é uma existência que projetou seu eu anterior enquanto, simultaneamente, ela existe como um símbolo de pureza para as crianças. Embora ela tenha sido salva pelas mãos dos deuses, é quase além da redenção para o resto das crianças. Ela, que se materializou como serva, confia a salvação dos filhos ao Santo Graal. Todas as crianças do mundo todo. Essa missão não tem recompensa e, mesmo assim, mesmo sabendo que é um desafio difícil e quase impossível de realizar, ela perseguirá esse sonho por toda a eternidade.
Fate/Extra
Atalanta é brevemente mencionado em Fate/Extra como um Servo de passagem de um Mestre sem nome de Saber em uma conversa em Sala Privada. Ela elogia Atalanta como uma bela caçadora e um dos exemplos de um belo espírito heróico, ao contrário dos "feios", como piratas e ladrões. A menção não tem relação com o design dos apócrifos, e ela não faz uma aparição real.
A adaptação para mangá de Fate/Extra combina os dois aspectos, apresentando uma breve participação especial no design apócrifo de Atalanta. Saber e Atalanta lutam brevemente contra Lancer, onde Saber salva Atalanta do ataque de Lancer. Por fim, ela e seu Mestre perecem na Guerra do Santo Graal das Células da Lua.
Fate/Grand Order
Orleans: O Dragão Maligno Guerra dos Cem Anos
Atalanta, junto com outros Servos, é convocada por Jeanne Alter como Arqueira-Berserk.Para participar de sua destruição da França. Ela é encontrada por Ritsuka Fujimaru, Mash Kyrielight e seus aliados quando eles vão assaltar o palácio de Orleans. Depois de ser derrotada por eles, Atalanta aceita sua derrota, dizendo que a tarefa que lhe foi dada foi problemática e sem recompensa. Ela então diz ao grupo para derrubar Jeanne Alter. Ela tenta dizer algo sobre a próxima vez, mas desaparece antes que ela pudesse.
Okeanos: Os Quatro Mares Selados do Fim
Atalanta é um aliado da singularidade de Okeanos. Ela foi convocada junto com os outros argonautas: Jason, Heracles e Medea. No entanto, quando Jason quis procurar a Arca e sacrificar um deus, ela deixou o grupo. Ela finalmente encontra David e diz a ele o que Jason planeja fazer com a Arca. Depois de informá-lo disso, ela decide esperar com David até que os aliados cheguem à época.
Eles finalmente ouvem sobre Ritsuka e seus aliados procurando a Arca antes de Jason chegar a ela. Depois que Atalanta envia uma mensagem ao Golden Hind por flecha, David aguarda ansiosamente a chegada do navio, mas ela diz para ele se acalmar. Ela consegue desviar todos os flertes de David até Ritsuka e seus aliados chegarem. Ela vai conhecer o grupo onde se lembra de Ritsuka e Mash de Orleans, mas desta vez agradece por ser ela mesma. Após o choque de descobrir que Artemis é um romântico sem esperança, Atalanta leva o grupo pela ilha a conhecer David. Ela então fala de suas circunstâncias ao convocar e se aliar a David, explicando que nunca havia gostado de Jason na vida.
Mais tarde, Atalanta ajuda o grupo em seu plano de destruir Heracles, atraindo-o e fazendo-o tocar na Arca. Depois, ela e David se juntam ao grupo no Hind Dourado enquanto perseguem Jason. Depois que Caldéia recupera o Santo Graal de Medéia, Atalanta diz a Ritsuka e Mash que ela está feliz em ajudar neste momento antes de desaparecer com o colapso da Singularidade, embora ela se perguntasse como continuaria a oferecer sua oração a Artemis, agora que sua personalidade foi revelado.
Salomon: O Grande Templo do Tempo
Atalanta está entre os Servidores da Singularidade "Okeanos" para ajudar a Caldéia contra os Pilares dos Deuses Demônios. David flerta com Atalanta e a chama de Abishag.
Corrida de Verão Dead Heat! ~ Ishtar Taça de esperanças e sonhos
Atalanta é o líder de um grupo de bandidos que residem nos terrenos baldios. Ela se revela aos pilotos depois que eles derrotam alguns dos bandidos, referindo-se a eles como seus filhos. Ela explica que os pais são muito mais do que apenas genética e diferença de idade em resposta à confusão do grupo. Chamando o terreno baldio às planícies de Atalanta, ela diz aos corredores que suas estradas levam a onde ela e seus "filhos" plantaram maçãs-semente. Ela diz que eles são essenciais para o futuro de seus "filhos", então ela não pode permitir que eles sejam destruídos na corrida. Ela ignora a explicação de Helena Blavatsky de que as maçãs não podem crescer em um clima árido como o deserto. Ela então permite que os pilotos voltem ou encontrem outro caminho, caso contrário ela os matará. Eles a ignoram e continuam correndo, mas acionam as minas terrestres que ela plantou para proteger as maçãs das sementes. Atalanta declara que fará qualquer coisa, por mais desprezível que seja, para proteger seus "filhos". Ela então revela que comprou as minas terrestres de um demônio passageiro, garantido que elas trabalhariam nos servos. Quando Nitocris diz que as maçãs foram destruídas, considerando o tamanho das explosões das minas terrestres, Atalanta culpa os corredores pelo que aconteceu. Nitocris e Scheherazade tentam correr à frente, mas Atalanta os alcança facilmente a pé. Depois de ser derrotada por eles, ela diz que a fez para desempenhar seu papel. Ela admite que era um pouco demais esperar que eles acreditassem que uma gangue de bandidos eram seus filhos antes de desaparecer.
Fate/Apocrypha: Herança da Glória
Após a conclusão da Grande Guerra do Santo Graal, Darnic, ainda fundido com Vlad, permaneceu no Grande Graal. Ainda desejando adquirir o Graal, ele manifestou réplicas irracionais dos Servos participantes da guerra (exceto os Governantes) para lutar incessantemente em uma recriação da guerra dentro de uma recriação de Trifas. Eventualmente, Atalanta, Spartacus e Frankenstein atacam a Fortaleza Yggdmillenia, onde a festa de Ritsuka se baseia à noite. Eles derrotaram pelo grupo e desaparecem com a luz da manhã.
Devido à influência de Sieg, Atalanta, Spartacus e Frankenstein se manifestam na manhã seguinte. Aquiles pergunta a Atalanta se ela é a mesma que seu pai, Peleu, sempre falou. Ela percebe que ele é filho de Peleu, e lembra Peleu como o homem que ela jogou durante uma marcha de luta livre. Quíron entra na sala e pede ajuda para fazer armadilhas. Ele presume que ela seria mais adequada quando se trata de florestas. Atalanta aceita, mas ela se pergunta que dever, já que todos estão dentro do Graal. Quíron responde que é para proteger o Graal e diz que eles eram inimigos na realidade. Atalanta acha normal que os inimigos se tornem aliados; Aquiles diz que eles eram aliados como Servos de Vermelho. Ela está feliz por tê-lo como aliado, mas ressalta que o inimigo é instilado com a Divindade para negar sua imortalidade. Ela acha desagradável a perspectiva de potencialmente lutar contra si mesma mais tarde. Assim, ela pede a Aquiles para não arrastar "seu" corpo. Aquiles responde que ele não faria isso a menos que fosse um Berseker, ao qual Atalanta responde que ela estava brincando. Apesar de não ter nenhuma lembrança da Grande Guerra do Santo Graal, ela sente que ela e Aquiles tiveram muitas conversas. Aquiles responde que ele sempre quis conhecê-la desde que seu pai falou com carinho dela; Atalanta pede que ele pare de vergonha. Mais tarde, ela lança a catástrofe de Phoebus nas réplicas de Astolfo, Siegfried e Mordred atacando a fortaleza. A réplica Astolfo é capaz de evitá-la, no entanto, graças à capacidade de mudança de dimensão de Hippogriff. Então Atalanta decide que ela e Quíron continuarão atirando até que ele se materialize.
No dia seguinte, o grupo se une aos Astolfo, Siegfried e Mordred re-materializados. Durante uma reunião no jardim, é determinado que os Jardins Suspensos da Babilônia servem como base inimiga. Atalanta se pergunta se eles podem atacar os Jardins durante o dia em que Quíron diz que será defendido por doze Servos. Avicebron, no entanto, revela o golem que ele enviou para inspecioná-lo, conforme o pedido de Quíron, foi transportado para o exterior quando a noite chegou. Como não há alternativas, o grupo concorda com um ataque frontal. Enquanto os outros escolhem seus papéis para proteger Ritsuka e Sieg a caminho dos Jardins, Atalanta diz que ela apenas flecha quando perceber que Sieg sabe alguma coisa. Sieg lembra que ela usou um Noble Phantasm para voar durante a Grande Guerra do Santo Graal. Atalanta percebe que está falando sobre Agrius Metamorfose e lembra que é capaz de voar. Ela está convencida de que usou durante a Grande Guerra do Santo Graal e se pergunta se ela estava em uma situação tão desesperada para usá-lo. Ela decide usá-lo, mesmo que não seja para vôos prolongados. Ela diz a Spartacus que ele não pode se tornar um pássaro em uma única noite, quando diz que fará exatamente isso para chegar aos Jardins, dizendo que é ofensivo para os pássaros. Ela então sugere que ele use uma corda para subir ao jardim, o que ele aceita.
No dia seguinte ao ataque, o grupo come sanduíches de morango no jardim. Atalanta os acha doces e acredita que as crianças vão gostar. Ela irritantemente responde a Jack que o sangue e os morangos têm um gosto drasticamente diferente quando ela pergunta sobre isso. Quando Aquiles começa a exagerar as habilidades de Quíron, Atalanta pergunta se ele pode atirar a maçã em um magistrado do mal. Mais tarde naquela noite, o grupo começou a voar em direção aos Jardins. Atalanta encontra sua roupa enquanto Agrius Metamorphosis está ativo para ser um pouco arriscado, preferindo sua roupa regular. Ela decide lidar com isso de qualquer maneira, uma vez que lhe permite voar. Quando Quíron diz ao grupo para acreditar em sua própria sorte ao iniciar seu ataque, Atalanta interpreta mal quando ele diz a ela para desistir, já que sua sorte é muito baixa. O grupo finalmente descobriu a réplica dos Servos que os barravam e entrava nos Jardins. Eles derrotam Semiramis e Karna e os recrutam quando acordam na manhã seguinte. Eles são guiados por Semiramis para onde o inimigo reside, a câmara do Graal.
Na câmara do Graal, o grupo encontra Darnic, o cérebro por trás da Guerra do Grande Graal recriada. Sieg explica como Darnic se fundiu com seu Servo, a forma vampírica de Vlad através de um Feitiço de Comando, numa tentativa desesperada de retomar o Graal. Tornando-se um monstro além do de um vampiro, Darnic chegou perto de retomar o Graal até Shirou o destruir. Deveria ter terminado ali, já que um Servo deveria voltar para pura mana e retornar ao Grande Graal quando morressem. No entanto, isso nunca aconteceu porque Darnic era humano, e também porque Darnic prolongava a vida fundindo sua alma com a de uma criança. Como resultado desses fatores, Darnic não é um humano nem um Servo, ele é apenas um ser instintivamente buscando conceder seu desejo de adquirir o Graal. Sieg tenta convencê-lo a se render, dizendo que um Graal quebrado não pode alcançar a Raiz nem ativar a Terceira Magia. Darnic recusa e lembra ao grupo que ele já controla 87% do Graal. Ele declara que, enquanto ele possuir o Graal, nenhum grupo desaparecerá, mas eles desaparecerão quando ele se for. Ele então propõe usar o Graal para encarná-los, se eles concordarem em se juntar a ele. No entanto, todos eles recusam sua proposta por causa de seus próprios princípios como heróis. Atalanta diz a ele para obter sua própria vitória se não estiver satisfeito. Esperando que essa seja sua resposta, Darnic se conecta a uma réplica do Graal que emerge do Graal para o choque de Sieg. Ele então luta contra o grupo, fazendo com que a réplica do Graal gere continuamente réplicas de Servos. O grupo luta no começo, já que a réplica do Graal está usando suas afinidades de classe contra eles, então eles decidem fazer o mesmo. Atalanta questiona Mordred sobre a necessidade de orientação de Frankenstein, um Berserker. Mordred a chama de exibicionista em resposta, cujo choque faz com que Atalanta retorne ao seu eu original. Depois que a réplica do Graal é destruída, Darnic se recusa a desistir quando é atingido por Kazikli Bey do supostamente selado Vlad. Ao contrário dos outros, ele mantém suas memórias da Grande Guerra do Graal devido a Darnic se fundir com ele durante ela. Ele finalmente convence Darnic a aceitar que seu sonho quebrado nunca pode ser recuperado. Depois que Darnic e Vlad desapareceram, o grupo é teleportado de volta ao chão por Semiramis. Atalanta despediu-se dos outros, esperando vê-los novamente e desapareceu.
Interlude
Em seu primeiro interlúdio, Sorriso da Deusa, Atalanta viaja com Ritsuka e Mash para a ilha que eles conheceram durante a Singularidade de Okeanos para recuperar algo que ela deixou para trás. Lá, ela diz ao par que deixou uma estátua de Ártemis que ela fez à mão. Ela começa a liderá-los em direção a uma caverna do outro lado da floresta quando sente uma quimera. Depois de morto, o grupo entra na caverna. Atalanta diz a Ritsuka que um desejo egoísta do Graal não é exatamente o errado. Ela admite que também tem um desejo simples que sabe que nunca pode ser atendido, mas mesmo assim o persegue. Depois de matar mais monstesr, o grupo alcançou a estátua de Artemis. Atalanta expressa seu desdém geral por Orion quando Ritsuka sugere que ela faça uma estátua dele. Ela então pergunta a Mash se ela prefere se casar com Orion ou Jason, mas Mash não é capaz de responder como ela mesma. Artemis e Orion então chegam, e ela ataca o grupo pelo que Atalanta disse sobre Orion. Ela alerta Atlanta que não será mais abençoada por ela se vencer. Depois que ela é derrotada, Artemis e Orion vão embora. Atalanta então sugere que eles retornem à Caldéia com carne de Quimera ou pele de javali, mas Ritsuka silenciosamente rejeita os dois.
Em seu segundo interlúdio, London Child, Atalanta viaja para Londres com Ritsuka e Mash. Ela explica que ouviu Jack, o Estripador, manifestado lá. O grupo é então confrontado por Servos Sombrios. Depois de derrotá-los, eles finalmente encontram Jack. Atalanta diz a ela que nunca encontrará sua mãe, pois, mesmo que existisse, nunca a aceitaria como filha. Depois de derrotar Jack, ela confessa que queria salvá-la, apesar de estar sem dinheiro. Jack então desaparece e ela já foi salva. Atalanta adverte que Jack continuará se manifestando até que a história humana seja restaurada. Ela então afirma que seu desejo é salvar todas as crianças infelizes do mundo. Ritsuka acha que é um desejo difícil, ao qual Atalanta lhes agradece por não rirem dele. Ela percebe que é quase impossível, mas ainda quer persegui-lo.

Fate/strange Fake

Atalanta aparece brevemente quando Bazdilot Cordelion sonha com seu Servo, o passado do Arqueiro Verdadeiro. No sonho, quando o Argo navega pelo mar, Jason fala sobre seus objetivos para seu novo reino em Heracles, afirmando que ele se tornará o maior rei, que criará a melhor e mais justa nação, onde até alguém como Heracles pode viver sem se preocupar. . No fundo, as reações dos outros membros da equipe ao discurso de Jason foram variadas. Atalanta, descrita como uma arqueira com um ar bestial, olhou para Jason com suspeita. Quando Bazdilot conta seu sonho para True Archer, True Archer confirma que a mulher era Atalanta e que desdenhava Jason.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.07.21 03:26 YatoToshiro Fate/Gensokyo #44 Assassin of Black (Fate/Apocrypha)


Fate/Aporcrypha Fate/Grand Order

​O verdadeiro nome do Assassin é Jack the Ripper (Jack, o Estripador), o lendário serial killer. Embora existam inúmeras teorias sobre quem poderia ser Jack, o Estripador, ela é uma interpretação da série de assassinatos sangrentos na Inglaterra do século XIX. Sua verdadeira natureza é a de uma coleção de fantasmas nascidos de filhos abortados de prostitutas em Whitechapel, Londres. Por ser uma coleção de espectros e não uma entidade única, perfurar seu coração não levará à sua morte imediata, mas o derramamento desses espectros.
Quando o número de crianças abortadas que foram descartadas nos rios atingiu os dez mil, a coleção de ressentimentos que as crianças compartilharam acabou formando o ser humano. Por ter sido criada a partir de crianças que ainda nem nasceram, ela não possuía bom senso e moralidade e simplesmente matou prostitutas para poder voltar ao útero. Em outras palavras, esse é o herético Jack que nasceu do "lado das vítimas".
Depois de matar várias mulheres, recebeu o nome de "Jack, o Estripador", e se alegrou por ter recebido um nome que havia sido negado por tanto tempo. No entanto, nem eles mesmos sabem ao certo se eram ou não "Jack, o Estripador". Afinal, eles são uma amálgama de espíritos malignos, então suas memórias são sempre vagas e, mesmo que lembrem de ter matado prostitutas, é incerto quem exatamente eles mataram. O que eles matam como assassino não é um indivíduo específico, mas a sociedade que os matou, e as fortes emoções que eles carregam não podem ser entendidos por nenhum outro herói, tornando-os além da salvação. Eventualmente, um mago descobriu que o culpado dos assassinatos bizarros era de natureza mágica e a extinguiu.
Ela provavelmente reinará perpetuamente como um eterno mistério e eternas trevas esculpidas na história da Inglaterra. Enquanto sua identidade nunca foi descoberta, suas facas foram deixadas para trás após sua morte e posteriormente obtidas por Hyouma Sagara.
Há um número numeroso de encarnações que compartilham o nome verdadeiro de "Jack, o Estripador", porque o caso nunca foi resolvido. Por exemplo, Berserker é uma entidade completamente diferente de Assassin.
Fate/Grand Order
Londres: O Mundo da Morte na Cidade do Nevoeiro Demoníaco
Jack, o Estripador, é convocado na Singularidade "London" através do "Demonic Fog" ao redor de Londres. Ela atua no grupo que forma o "Projeto Demonic Fog", usando seu próprio nevoeiro para expandir o "Demonic Fog" e matando pessoas nas ruas.
Jack, o Estripador, emboscou Ritsuka Fujimaru e Mash Kyrielight logo depois que eles chegaram à Singularidade. Ela, no entanto, é repelida, fazendo com que ela escape. Jack aparece novamente junto com Paracelsus, um dos mentores por trás da Singularidade, na delegacia da Scotland Yard, a quem Jack massacra, para obter um item mágico. Eles são confrontados pelo partido do protagonista, com Paracelso enviando Jack para matá-los. No entanto, o grupo consegue derrotar Jack, que desaparece depois.
Miss Quase Semanal Santa Alter
Sentindo-se sozinho e confuso no Natal com Nursery Rhyme, Jack, o Estripador, encontra Júlio César. Eles o confundem com Papai Noel, mas ele pede que esperem pacientemente pelo verdadeiro Papai Noel, já que ele não é o verdadeiro Papai Noel. Antes de partir, César diz que elas são boas garotas e espere pacientemente até lá e que ele tentará fazer algo por elas no próximo ano, se não puderem fazer isso.
Mais tarde, Jack e Nursery Rhyme convocam Ritsuka Fujimaru e Santa Alter para o seu mundo interior. Os dois perguntam a Santa Alter se ela é Santa, à qual ela responde que é e pergunta o que são. Eles respondem que não sabem o que são e também não têm nomes. Depois que Nursery Rhyme diz que eles só podiam olhar para a cidade, Jack diz que eles gostariam de algo quente para o Natal. Ela então afirma que eles não são tão complicados quanto Santa Alter pensa que são depois que ela os chamou de espíritos não realizados de meninas enquanto ainda é inocente, mas ignorando o amor.
Jack e Nursery Rhyme lutam contra ela para provar que são dignos de receber presentes, uma vez que não escreveram uma carta para o Papai Noel. No entanto, eles são derrotados e desesperam-se por não haver Natal para nenhum deles. Para sua confusão, apesar de Santa Alter fingir ser excessivamente derrotado por eles, e dá uma infinidade de presentes de Natal. Eles lhe agradecem pelos presentes, mas Jack pede que não haja muitas outras crianças esperando por seus presentes também. Santa Alter responde para não se preocupar e que ela só tem mais uma parada, e diz que os presentes são os espólios de sua vitória e não seus presentes individuais reais. Ela então lhes dá seus presentes; sendo Asterios como uma rena, com quem eles alegremente correm enquanto ela assiste. Quando Santa Alter vai embora, Jack a impede de agradecê-la por conceder o desejo a ela e à Nursery Rhyme. Jack e Nursery Rhyme então contam a Santa Alter sobre seu encontro com o outro Papai Noel.
Salomon: O Grande Templo do Tempo
Jack está entre os Servidores da Singularidade de "Londres" para ajudar a Caldéia contra os Pilares dos Deuses Demônios.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.07.08 19:34 YatoToshiro ​Fate/Gensokyo #15 Waver Velvet



Fate/Zero - Fate/Grand Order - Lord El-Melloi II Sei no Jikenbo
Fate Grand Order Waver Velver (Caster) O nome verdadeiro de Caster é Zhuge Kongming, também conhecido como Zhuge Liang, era um político de destaque na era dos Três Reinos da China. Ele era amplamente conhecido como estrategista militar; foi relatado que era principalmente devido a suas habilidades que o estado mais fraco e menor de Shu foi capaz de resistir ao exército Wei muito maior por um bom tempo. Na morte, Kongming ainda venceu Zhongda.
Devido às "circunstâncias extremamente peculiares" das Grandes Ordens, Lorde El-Melloi II foi forçado a se tornar um receptáculo de seu espírito para facilitar uma convocação bem-sucedida. O próprio Senhor El-Melloi II não possui os meios ou a história para se tornar um Espírito Heróico. No processo, o Mestre Estrategista analisou quem seria o melhor responsável. Kongming julgou que não havia necessidade de se colocar em primeiro plano, já que ele já tinha um agente competente, então o papel coube a Lord El-Melloi II, que já estava familiarizado com a era moderna. ___________________________________________________________________________________________________________ Outras Curiosidades Lord El Melloi II Waver sobrevive à Quarta Guerra do Santo Graal e se torna Lord El-Melloi II.
Antes dos eventos do caso da Separação do Castelo de Adra, Lord El-Melloi II encontra Gray e a leva como sua aprendiz.
Fate/Stay Night
Embora Lord El-Melloi II não apareça em Stay Night, ele é notado por ter um grande impacto dez anos após o final da Quinta Guerra do Santo Graal. Ele chega em Fuyuki e, junto com Rin como chefe do clã Tohsaka, decide desmontar completamente o Grande Graal. Eles são contra os membros da Associação dos Magos que desejam recuperá-lo, levando a um grande tumulto da mesma magnitude que a Guerra do Graal. Seu lado finalmente é vitorioso, e o Grande Graal é completamente desmantelado, marcando a conclusão das Guerras do Santo Graal de Fuyuki.
Na adaptação de Ufotable do cenário Unlimited Blade Works, Lord El-Melloi II é visto conversando com Shirou Emiya no epílogo. Lord El-Melloi II questiona por que Shirou foi à Torre do Relógio para estudar magecraft. Shirou respondeu que aprendeu muitas coisas enquanto freqüentava a Torre do Relógio e quer dedicar sua vida a se tornar um Herói da Justiça. El-Melloi II rejeita essa noção como idiota, mas não sem mérito, passando a observar que o sonho de Shirou é muito grande para a Torre do Relógio conter
Fate/Apocrypha O mundo de Apocrypha não teve uma Quarta Guerra do Santo Graal em Fuyuki, então Waver havia participado de uma guerra de subespécies do Santo Graal em todo o mundo, com Rider como seu servo, contra Kayneth. Ele ganhou o título de Lord El-Melloi II da mesma maneira.
Lord El-Melloi II, juntamente com Rocco Belfaban e Bram Nuada-Re Sophia-Ri discutiram sobre a recente operação fracassada contra a Yggdmillennia em Trifas. Com os Yggdmillennia anunciando que eles possuíam o Grande Graal, a Associação dos Magos respondeu e enviou cinquenta magos especializados 'caçadores'. No entanto, tudo foi arruinado por Lancer of Black, que aniquilou quarenta e nove magos. Com o último mago, ajustou o Grande Graal para convocar Servos adicionais. Quando Rocco pediu a opinião de Lord El-Melloi II, ele sugeriu alterar a abordagem deles para um contra-ataque. Lord El-Melloi II acredita que a vitória pode ser bem-sucedida se eles reunirem sete Mestres. El-Melloi II sugeriu a contratação de profissionais de fora e a Torre do Relógio deve fornecer pelo menos um ou dois magos, pois a Guerra do Santo Graal está em uma escala totalmente diferente. Os três homens são as pessoas que supervisionam a seleção de Mestres para a Grande Guerra do Santo Graal. Ele é encarregado de recrutar talentos freelancers em potencial na Belfaban.
Lord El-Melloi II, Rocco e Bram discutem sobre a situação da Grande Guerra do Santo Graal. Eles não ouviram falar da facção Vermelha, acreditavam que Shirou Kotomine, da igreja sagrada, matou cinco mestres da Associação e ele roubou o Grande Graal. Eles tomaram uma decisão, a Associação de Magos permanecerá como espectadora e observará o resultado. Lord El-Melloi II retorna ao seu escritório e ele retira o catalisador de Iskandar, relembrando seu vínculo com Iskandar. Enquanto isso, Reines El-Melloi Archisorte já estava na sala sentado na cadeira e tomando uma xícara de chá casualmente. Flat Escardos estava escutando toda a conversa deixando El-Melloi II pálido. Ele pune Flat, dando-lhe mais lição de casa.
Após a Grande Guerra do Santo Graal, Caules Forvedge Yggdmillennia freqüenta as aulas na Torre do Relógio. No entanto, um dia, Caules mudou de classe com uma única frase de Lord El-Melloi II, que lhe disse: "Por que você está estudando esse tipo de magia que não combina com você? Seu talento é muito mais adequado a isso, você sabe? ", e antes que ele percebesse, ele estava cercado por colegas de classe que eram perigosos em termos de talento e personalidade.
Fate/Accel Zero Order Lord El-Melloi II foi ferido por Lancelot e Zouken Matou. Waver, Ritsuka e Irisviel se retiraram para as cavernas menores e verificaram a condição de Lord El-Melloi II. Lorde El-Melloi II ficou gravemente ferido e passou o poder do Zhuge Kongming para Waver. Zhuge Kongming considerou Waver digno e Waver se torna um pseudo-servo
Fate/Stranger Fake Lord El-Melloi II decide jogar o videogame Night Wars do Império Britânico, acreditando erroneamente que foi um jogo sobre cavaleiros. Ele ainda joga e anota seus pensamentos sobre o jogo, como de costume. Isso o leva a uma chance de ganhar uma réplica da faca Jack the Ripper com uma bainha, mas o brinquedo trivial é rapidamente perdido de sua mente. Mais tarde, ele ganha o prêmio e, como muitas das outras mercadorias que ganha inadvertidamente, ele é enviado à Torre do Relógio com vários outros pacotes.
Mais tarde, ele é o primeiro a notar a estranheza que ocorre nos Estados Unidos devido a irregularidades nas linhas ley e através de informações vazadas por Faldeus. Ele o conecta ao acontecimento de outra Guerra do Santo Graal, resultando em Rohngall e Faldeus sendo enviados para investigar. Depois que um de seus alunos mais problemáticos, Flat Escardos, escuta o resultado da investigação, Flat pede que ele o ajude a participar. El-Melloi agarra furiosamente o rosto do aluno com raiva, mas ele fica rapidamente chocado em silêncio pelo método que costumava escutar. Embora Flat seja um prodígio, ele não possui inteligência para utilizar adequadamente seus talentos e, embora as habilidades de ensino de El-Melloi lhe permitissem avançar mais do que qualquer outro, ele ainda não conseguiu se formar. Isso deixou El-Melloi com sentimentos confusos em não deixá-lo partir, embora ele normalmente odeie deixar estudantes despreparados para o mundo.
Ele tenta fazer com que Flat entenda a verdadeira natureza da guerra, ultrapassando sua raiva e alcançando uma forma de iluminação ascética. Ele tenta argumentar que Flat não é adequado para a batalha, mas suas palavras não fazem nada para assustá-lo. Ele é incapaz de usar a lógica com Flat e eventualmente o nega, embora a idéia de Flat de fazer amizade com os outros Servos o lembre de Rider. Ele começa a pensar em emprestar o fragmento da capa de Rider, caso Flat retorne novamente, mas o erro de Flat com a faca de brinquedo Jack, o Estripador, sem se lembrar dela ou verificando sua importância, faz com que ele pense que Flat desistiu de participar. Isso faz com que ele escolha dar a ele e reforçar seu mal-entendido. Ele retorna ao seu quarto, relembra a capa de Rider e acredita que a situação com Flat será resolvida.
De volta a Londres, Rohngall e seu aluno não identificado decidiram se encontrar com Lord El-Melloi II e pedir sua opinião sobre a Guerra do Falso Santo Graal. Lord El-Melloi II continua sua aula. Quando Lord El-Melloi II descobre com Rohngall que um aluno dele, que Lord El-Melloi II inicialmente acreditava ser Flat Escardos, estava participando da Guerra do Falso Santo Graal, Lord El-Melloi II entrou em colapso na plataforma de palestras. Gray o leva para a enfermaria.
Em sua segunda reunião com Rohngall, Lord El-Melloi II percebeu que havia chegado à conclusão errada quando Rohngall mencionou que um de seus alunos foi para a América, que o senhor inicialmente acreditava que Rohngall estava se referindo a Flat, mas depois descobriu-se que Rohngall estava se referindo a Ayaka Sajyou. Isso mais tarde fez com que um intrigado lorde El-Melloi II chamasse o verdadeiro Ayaka, que ele descobriu que estava na Romênia. Depois de confirmar a localização real de seu aluno, Lord El-Melloi II começa a refletir sobre a aparência que existe nos Estados Unidos.
Fate/kaleid liner PRISMA ☆ ILLYA Lord El-Melloi II é o tutor de Rin e Luvia em Fate / kaleid liner PRISMA ☆ ILLYA, ele estava relatando a situação a Kischur Zelretch Schweinorg. Ele ficou com raiva quando descobriu que o dano estimado era de 2 milhões de libras. Ele é notado como perturbado ao lidar com suas violentas discussões até que Kischur interveio. Ele e Kischur ordenam que Rin e Luvia recuperem os cartões de classe da cidade de Fuyuki.
Quando Rin e Luvia coletaram com sucesso todos os cartões de aula, Rin entrou em contato com El-Melloi II e Kischur em Londres. Eles elogiam seus esforços em coletar as cartas e a estabilidade das linhas ley de Fuyuki. No entanto, eles ordenaram que Rin e Luvia ficassem em Fuyuki por um ano e aprendessem o bom senso, pois o Japão valoriza a cooperação e a harmonia. Eles declararam que as duas meninas precisam alterar suas personalidades para serem estudantes de Zelretch.
Bonus:
The Outsiders’ Performance Waver Velvet, Rider {Zero} Taiga Fujimura {Stay Night}
Na história paralela do CD especial de drama, Taiga Fujimura, quando adulta, conta a Saber como ela foi inspirada a se tornar professora de inglês quando encontrou Waver e Rider na quarta Guerra do Graal. Ela estava procurando pelo ladrão que invadiu a loja de sua amiga Otoko Hotaruzuka e roubou seu melhor barril de vinho. Ela encontra Waver e Rider durante a noite depois de cair do telhado. Rider se torna um tradutor para Taiga e Waver, como Waver não aprendeu japonês antes de vir para o Japão, e Taiga explicou a Waver e Rider que ela perseguia o ladrão até ele voar.
Taiga imediatamente pulou na água fria para salvar o cachorro, acreditando que Waver e Rider também ajudariam. Como Waver e Rider ajudaram Taiga a sair da água, Waver questionou por que Taiga é tão persistente em ajudar as pessoas. Taiga respondeu que acredita na bondade dos outros. Waver acha isso engraçado, embora Rider diga algo completamente diferente que deixou Waver em desordem: Rider afirma que queria que Waver tivesse uma experiência romântica. Taiga perseguiu um ladrão de roupas íntimas, arrastando Rider e Waver para ajudá-la. Depois que entregaram o ladrão de roupas íntimas à polícia, eles ajudaram a reunir o filhote ao dono.
Waver perguntou a Taiga se ela ajudou os outros, ela não tem nenhum problema. Taiga afirma que está preocupada com seu amor, escola e futuro. Waver e Rider sugeriram que ela é adequada para ensinar e orientar aqueles que buscam conhecimento. Waver sugeriu que eles se separassem e voltassem para casa, mas Taiga quer ir atrás do ladrão de barris de vinho. Waver e Rider explicaram que procurar o criminoso à noite na cidade de Fuyuki está ficando mais perigoso. Taiga tentou se apresentar aos dois, mas Waver hipnotiza Taiga para voltar para casa por sua própria segurança. Rider pensou em roubar mais barris de vinho do mercado para Taiga, mas Waver o impediu de criar mais problemas, Waver tinha um plano que poderia ajudá-la. Taiga diz que uma pessoa anônima enviou uma dúzia de barris de vinho tinto de alta classe de Londres para fora da casa de sua amiga.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.06.15 09:22 amandasawan Eu amo Larry

suposições Larry stylinson
primeiramente o site do Harry de colocar os nomes, eu botei Larry e veio: "you're the end of june, tpwk"
Fine Line e Walls, feitos um pro outro? os dois álbuns, dos cantores Harry styles e Louis Tomlinson saíram perto um do outro, E agora eu vou dar algumas evidências q fine line é sobre Louis e walls sobre Harry.
em Golden, Harry fala o seguinte: "I'm hopeless, golden so wait for me in the sky" "golden, golden, he is broken I know you're scared cause I'm so open" o que eu vejo como o Louis tendo medo de se abrir sobre sua sexualidade e tendo que viver oprimido por fingir ser hetero, E que o único lugar que ele não vai precisar fingir é o paraíso, onde eles vão ficar juntos.
em Watermelon Sugar Harry fala: "Tastes like strawberry" e Louis usava pasta dental de morango, mas continuando, "baby, you're the end of june" como eu falei la em cima, dia 28, dia dos gays, Larry, blábláblá, não vou pisar nesse tópico de novo
vamos pra Adore You: "walk in your rainbow paradise" de novo, sexualidade, eu acho "strawberry lipstick state of mind" Louis e sua pasta de morango "you don't have to say you love me you don't have to say nothing lately you've been on my mind" a reunião de 1D tá chegando, além de esse ser o pride month e todos eles estarem em londres já faz um tempo. sinto uma aproximação
partiremos então para Lights Up: "I could but wouldn't stay" o Simon ameaçava acabar com A banda se visse eles dois juntos, então acho que é isso " it'd be so sweet if things just stayed the same" eles se abraçavam e mostravam o afeto que tinham um pelo outro livremente, acho que é isso. Louis chorou quando anunciaram haylor (q eu acho q foi marketing pq Harry e Taylor não tem nada a ver) e Harry chorou quando Louis falou que ia ser pai. "lights up and they'll know who you are" acho q é falando pro nosso tommo sair do armário. "Shine, I'm not ever coming back" eles sexualizavam mto o Harry pq ele era o menino que todas as meninas tinham crush na 1D, E ele agora pode ser quem é, outra gravadora que não controla ele desse jeito.
e vamos pra Cherry: "don't you call him baby" sla, me deu uma vibe de algum ciúmes batendo, falando pra não chamar ele de amor. "we're not talking lately" ele perdeu bastante contato com todo mundo, acho q o Harry virou meio hippie, quase não usa i celular e tal. "I noticed that there's a piece of you in how I dress" o Harry tá sempre de roupas coloridas e extravagantes, além de derrotaram os padrões de masculinidade da sociedade. Acho q o Louis queria poder ser assim publicamente. "I just miss your accent and your friends" o niall extravagante que provavelmente fez toda a 1D acontecer de vdd tem um sotaque, além de os amigos deles serem os meninos da banda, o que inclui nosso lindo Loulou.
agora vamos pra Falling,uma das minhas preferidas: "I'm I'm my bed, and you're not here" eles dividiam um apartamento, não duvido nada q eles acabavam cuddling juntos. "I'm falling again" eu acho q ele e Tommo voltaram a se falar e ele se apaixonou de novo, É isso. "you said you cared and you missed me too" vamos ver isso no walls, álbum do Louis, ele fala isso bem na cara. Eu amo meu Larry. "and I'm well aware I write too many songs about you" todo mundo vê q eles escrevem músicas um pro outro o tempo inteirinho "and the coffee's out at beachwood cafe" beachwood cafe é um café na cidade natal de Louis, além de ele ter uma tatuagem que parece ser igual o papel de parede do lugar. "and I get the feeling that you'll never need me again" ele vê o homem da vida dele casar e ter filho, obviamente ia ficar despedaçado. Quem não ia se achar não necessário numa situação dessas? a próxima é To Be So Lonely: "dont blame me for falling, I was just a little boy" o Harry conheceu os meninos sendo o mais novo, com 16 aninhos, um bebê. Acho q é isso. "I know that you tryna be friends" acho que mais que isso, Harry. "cause I miss the shape of your lips" todo mundo sabe que os lábios do nosso bebê Louis Tomlinson são icônicos, não da pra negar. ele sente saudade dos beijos Larry.
She: "just sailing away, without telling his mates" quem vai me falar que isso não é sobre o Zayn? Ah, além disso, eu acho q a música é sobre a Eleanor, pelo visto ex do Louis já que nada foi confirmado, pq ele fala duma tal assistente pegando café pra ele na hora 1:32. antes deles se oficializarem, Eleanor era confundida como assistente de Louis por estar sempre pegando café pra ele, E 1:32 é a linha do princess Park, o lugar que Harry e Louis moravam juntos.
a próxima é Sunflower Vol. 6: "I've been trying hard not to talk to you" Louis indo atrás do Harry, interessante. "I couldn't want you anymore, kiss in the kitchen like it's a dance floor" tem vários vídeos deles na cozinha do princess Park, eles amavam aquele lugar, E Harry expressa seu desejo por Louis de volta.
Canyon Moon: "I'll be gone too long from you" 5 anos sem alguma interação de verdade, né amores? "all through Paris, all thorough Rome" numa entrevista o entrevistador perguntou: qual seria o lugar mais romântico pra um encontro? Harry respondeu Roma e Louis respondeu Paris. "I heard Jenny saying" Louis em algum vídeo brincou sobre se chamar Jennifer. "doors yellow broken blue" no beachwood cafe perto da casa do Louis a porta éazul e amarela.
Fine Line: "we'll be fine line, we'll be alright" eu tenho certeza q ele tá falando q a relação deles e do Louis algum dia vai melhorar ao ponto de todo mundo poder saber. essa foi a única coisa q achei nessa música, mas vamos pra próxima.
Treat People With Kindness: não tem nada não, É só uma vibe mesmo
ÁLBUM DO LOUIS, WALLS
Kill my Mind: "you kill my mind, raise my body back to life" então o Harry faz ele se sentir vivo, Hmmm senhor Tomlinson. "on a mission to feel like when you kissed me for the last time, why?" querendo replay de beijo Larry, todos queremos, vai em frente.
Don't let it Break your Heart: "on our way to 27" O HARRY Q VAI FAZER 27 AAAAA. "I now you left a part of you on new York, in that box under the bed " Como todo mundo sabe o Harry voltou chorando de NY "when you love someone and they let you go" indireta pq o simon não deixava o Harry perto do Louis, coitados, o nosso Hazza teve q deixar o Boo Bear ir. "whatever tear you apart" nem precisa explicar essa.
Two of Us: "it's been a minute since I called you, just to hear the answerphone " ELE LIGOU PRO HARRY MESMO SABENDO Q ELE NAO IA PODER ANYENDER, Q FOFO. "the day they took you, I wish they took me instead" levaram o Harry pra algum lugar, provavelmente NY pq ele sempre voltava chorando. que ótimo. essa música é mais sobre a mãe e irmã dele então não vou forçar a barra
We made It, uma q me faz chorar: "met you at the doorstep" oops e hi, É isso. "share a single bed and tell each other what we dreamed about" EU SEI Q ELE E O HARRY DORMIAM JUNTOS NO PRINCESS PARK. "we were only kids tryna work it out" 16 e 19 as idades dos meus nenéns em 2010. assim, não tem mta coisa nessa música pq é sobre subir na carreira, mas essas duas dão na cara
Too Young: "I've been looking back a lot lately" ele quer o Harry de volta, eu vejo isso, eles tinham ciúmes um do outro e tal. "everything's feeling different now" ele não quer mais ficar com a Eleanor e não tá certo sobre isso, ele só quer o nosso perfeito Hazza de volta. "oh I can't believe i gave in to the pressure" ele confirmando q o simon fez eles se afastarem. "when they said a love like this would never last" ele só confirma q eles tão apaixonados e precisam um do outro, eu só quero meu Larry de volta. "I'm sorry that I hurt you darling" só piora, essa música foi frita pro Harry sem um pingo de dúvida. Eu sinto q eles tão de quarentena juntos. não vou falar exatamente mas tem uma hora q ele fala que eles tão sentados na cozinha tendo a conversa que ele queria ter tido antes. Eles definitivamente estão no mesmo lugar agora.
Walls: "I watched them fall down for you" isso é romântico ora cassete, eu ano o Louis e o jeitinho dele de se expressar, isso tem q ser pro Harry, já que fala sobre como a outra pessoa mudou 1o. "nothing makes you hurt like hurting who you love" assim q vc ea Eleanor começaram a namorar eu senti meu Larry meio distante, com o filho então, o Harry até chorou, eu entendo esse verso sobre ele nunca querer fazer isso pra machucar nosso babycake. é isso
Habit , uma das minhas favoritas: "i know that you Said that you'd give me another chance, but you and I knew the truth of it I'm advance" acho q ele fala q passou muito tempo e que talvez o Harry não queira mais nada com ele, o que eu duvido. "I'm missing you and your addictive heart" todo mundo conhece o Harry pelo coração imenso dele, então nem tenta disfarçar sweetcheeks. "you're the habit that I cant break, you re the feeling that I cant put down" vc, Louis Tomlinson é completamente apaixonado no Harry, a gente já entendeu. "you're the high I kneed right now" watermelon sugar high, bebês. depois ele fala q tava fingindo ser alguém q não era por causa da mídia e blábláblá, já tem vídeo dele gritando q é gay então fodase, essa parte a gente ama E EU ESPERO Q HAZZA ESTEJA OUVINDO ESSAS MUSICAS. "and it's been ages, different stages, come so far from princess park" o Louis e o Harry moravam juntos no princess Park. "I'll always need ya" ok, eu sou mto cadelinha desse casal.
ok, eu cansei pq tô há mais de 3 horas escrevendo isso, por enquanto é só.
submitted by amandasawan to u/amandasawan [link] [comments]


2020.05.16 22:25 porfora A beira do suicídio

Puxa a cadeira q vou contextualizar. Sou diagnosticado como bipolar desde os 25 anos de idade e o lítio na dose máxima permitida para o meu corpo, salvou a minha vida. Quando diho que salvou a minha vida, foi literalmente, já nao aguentava mais testar remedios e continuar ruim que dei uma data limite para o meu psiquiatra. Ou eu estaria bem até lá ou estaria morto. Ele concordou com oa termos e aqui estou. Vivo, casado e morando em outro país. A parte que se passa entre o medicamento fazer efeito e alguns dias atrás, é uma história bem feliz. Encontrei a mulher da minha vida, nos casamos, somos felizes, etc. Incontáveis vezes falei para médicos, terapeutas e amigos próximos que eu perderia oa melhores dias da minha vida se eu tivesse acabado com ela. Aqui estou, morando em Londres com a minha esposa e de uns tempos pra cá os pensamentos suicidas começaram de forma muito sutil, mas eu os percebo rápido. Mesmo eu estando alerta sobre eles, esses pensamentos foram crescendo, crescendo e crescendo. E hoje a única coisa que me impede de mw matat é não ter grana para mandar meu corpo para p Brasil. Minha esposa sabe desses meus pensamentos e hj ela me perguntou se eu queria voltar para o Brasil (nao sou feliz aqui, da para perceber). E eu disse q sim, eu quero, mas agora nao é o momento... Aqui apesar de não conseguirmos guardar grana, nao passamos perrengue, no Brasil nao sei como isso seria. Basicamente, quero me matar mas não posso. Quero voltar pro Brasil mas ainda não dá. (Minha esposa nao gostaria de voltar pro Brasil agora, oq faz eu me sentir mais culpado ainda)
Os tenpos estão tão difíceis que nem o meu suicídio eu posso planejar direiti.
Desabafei
submitted by porfora to desabafos [link] [comments]


2020.03.30 21:57 AntonioMachado [2014] João Horta - A gestão (com lucro) da Seguradora

submitted by AntonioMachado to investigate_this [link] [comments]


2019.09.16 20:31 fidjudisomada [Pre-Match Thread] UEFA CL 2019/20, #1: SL Benfica vs. RB Leipzig

Conferência de imprensa de Bruno Lage

Lista de Convocados

  • Guarda-redes: Ivan Zlobin e Odysseas;
  • Defesas: Jardel, Ferro, André Almeida, Rúben Dias, Grimaldo, Nuno Tavares e Tomás Tavares;
  • Médios: Fejsa, Samaris, Pizzi, Caio, Taarabt, Rafa, Cervi e David Tavares;
  • Avançados: Jota, Seferovic e Raul de Tomas.

Boletim Clínico

  • Chiquinho: desinserção do tendão médio adutor, à esquerda;
  • Conti: lesão muscular na região anterior da coxa direita;
  • Gedson: fratura na base do quinto metatarso do pé direito. Já faz treino parcial;
  • Gabriel: entorse do joelho direito, com lesão do ligamento lateral externo;
  • Vinícius: lesão muscular na região posterior da coxa esquerda;
  • Florentino: lesão no menisco interno do joelho direito.

Retrospectiva

O Leipzig está apenas pela segunda vez na fase de grupos da UEFA Champions League e, tal como na estreia em 2017/18, vai ter de medir forças com uma experiente equipa portuguesa, viajando até Lisboa para defrontar o Benfica.
A equipa alemã conquistou a sua primeira vitória europeia frente ao Porto, rival do Benfica, na terceira jornada há dois anos e quer ter início positivo no primeiro duelo de sempre com o clube que está a iniciar a décima campanha consecutiva na UEFA Champions League.
Embora este seja o primeiro encontro oficial entre as duas equipas equipas, ambas defrontaram-se num jogo particular no Verão de 2017, em que o Leipzig ganhou por 2-0 em Londres. Marcel Halstenberg apontou um dos golos.

Guia de forma

Benfica
  • Campeão português pela 37ª vez na época passada, alargando o seu próprio recorde, o Benfica está na fase de grupos pela 15ª vez, embora só tenha passado aos oitavos-de-final em cinco dessas 14 campanhas. Os encarnados alcançaram os quartos-de-final em 1994/95.
  • Em 2018/19, o Benfica ficou no terceiro lugar do Grupo E com sete pontos, atrás de Bayern e Ajax, tendo passado para a UEFA Europa League. Depois de afastar Galatasaray (2-1 no total) e Dínamo Zagreb (3-1 no total), foi eliminado pelo Eintracht Frankfurt, devido aos golos marcados fora, nos quartos-de-final (4-2 c, 0-2 f).
  • Na primeira mão ante o Eintracht, o Benfica marcou pela primeira vez mais de um golo no tempo regulamentar em 15 jogos europeus em Lisboa, apontando um total de apenas 11 nessa sequência.
  • O clube da Luz perdeu apenas um dos últimos oito jogos europeus em casa (4V 3E), embora essa derrota tenha ocorrido frente a um rival alemão na primeira jornada da época passada, quando o Bayern venceu por 2-0.
  • O Benfica tem vasta experiência de duelos com adversários alemães, somando 14 vitórias, 14 empates e 20 derrotas em 48 jogos da UEFA. Sofreu apenas três desaires nos 23 jogos disputados em casa (12V 8E).
  • As "águias" chegaram a sete finais da Taça dos Clubes Campeões Europeus, tendo conquistado o troféu em 1961 e 1962.
Leipzig
  • Terceiro na Bundesliga e finalista da Taça da Alemanha na época passada, o Leipzig está a realizar a terceira campanha europeia e este será apenas o seu 25º jogo. Foi o primeiro clube a fazer a estreia europeia na fase de grupos da UEFA Champions League, em 2017/18, quando somou sete pontos e ficou em terceiro lugar num grupo em que também estavam Beşiktaş, Porto e Mónaco. Os alemães chegaram até aos quartos-de-final da UEFA Europa League, mas foram eliminados pelo Marselha.
  • Há dois anos, o Leipzig perdeu em casa do Beşiktaş (0-2) e no Porto, mas foi vencer por 4-1 ao Mónaco, conquistando a sua primeira vitória fora de casa na Europa.
  • Em 2018/19, o clube alemão ultrapassou três pré-eliminatórias e atingiu a fase de grupos da UEFA Europa League, mas foi eliminado da prova depois de somar sete pontos, terminando atrás de Salzburgo e Celtic.
  • O Leipzig venceu apenas três dos 12 jogos fora de casa na Europa (4E 5D).
  • Uma dessas cinco derrotas fora de casa aconteceu na única visita anterior a Portugal, com o Porto a ganhar por 3-1 na quarta jornada da UEFA Champions League de 2017/18, com Timo Werner a marcar o único golo dos visitantes. Willi Orban e Emil Forsberg tinham marcado no triunfo em casa, por 3-2, duas semanas antes, por sinal a primeira vitória europeia do Leipzig.

Ligações e curiosidades

  • O guarda-redes do Benfica, Odisseas Vlachodimos, nasceu na Alemanha e começou a carreira no Estugarda, cidade onde nasceu. Foi membro não utilizado na selecção da Alemanha que venceu o Campeonato da Europa de Sub-21 de 2017.
  • O avançado do Benfica, Haris Seferović, jogou três épocas no Eintracht Frankfurt, marcando 16 golos na Bundesliga, antes de se mudar para Lisboa em 2017. Fazia parte da equipa que perdeu por 3-0 contra o Leipzig em Janeiro de 2017, quando Werner marcou o segundo golo, enquanto Marcel Sabitzer e Yussuf Poulsen marcaram no empate a dois golos entre Leipzig e Eintracht, em Maio desse ano.
  • Forsberg marcou o único golo no triunfo da Suécia sobre a Suíça, que contou com Seferović como suplente utilizado na segunda parre, nos oitavos-de-final do Campeonato do Mundo de 2018.
  • Hannes Wolf fazia parte da equipa do Salzburgo que venceu o Benfica por 2-1 e conquistou a final da UEFA Youth League de 2017. Rúben Dias, Florentino Luís, Gedson Fernandes e Jota jogaram pela equipa portuguesa.

Notícias mais recentes

Benfica
  • Transferências de Verão. Entradas: Jhonder Cádiz (Vitória FC), Caio Lucas (al-Ain), Chiquinho (Moreirense), Raúl de Tomás (Real Madrid), Carlos Vinícius (Nápoles)
  • Transferências de Verão. Saídas: Raúl Jiménez (Wolves), Bruno Varela (Ajax, empréstimo), Diogo Gonçalves (Famalicão, empréstimo), João Félix (Atlético Madrid), Filip Krovinović (West Brom, empréstimo), Alfa Semedo (Nottingham Forest, empréstimo), Yuri Ribeiro (Nottingham Forest), Cristian Lema (Newell's Old Boys), Eduardo Salvio (Boca Juniors), Chris Willock (West Brom, empréstimo)
  • O Benfica conquistou a Supertaça portuguesa no dia 4 de Agosto, ao golear o rival lisboeta Sporting, por 5-0.
  • O conjunto encarnado iniciou a defesa do seu título de campeão português com outro triunfo por 5-0, desta feita na recepção ao Paços de Ferreira, antes de vencer fora o Belenenses, por 2-0. Contudo, a sua série de 11 vitórias consecutivas em jogos do campeonato foi quebrada a 24 de Agosto, altura em que o FC Porto foi ao Estádio da Luz triunfar por 2-0.
  • Esse foi o primeiro desaire caseiro do Benfica desde 2 de Novembro de 2018, quando o Moreirense se superiorizou por 3-1; o seu registo desde então era de 18 vitórias e três empates. No passado sábado as "águias" voltaram aos triunfos caseiros ao baterem o Gil Vicente por 2-0.
  • O Benfica marcou 39 golos nos seus 11 últimos jogos do campeonato.
  • Adel Taarabt alinhou nos dois amigáveis que Marrocos disputou durante a pausa para as selecções, naquelas que foram as suas duas primeiras internacionalizações desde Março de 2014. O médio renovou o seu contrato com o Benfica até 2022.
  • Gabriel tem estado afastado dos relvados desde 4 de Agosto, devido a uma lesão no joelho, ao passo que Chiquinho saiu a coxear do encontro ante o Porto, com um problema numa coxa. Vinícius (coxa), Gedson (pé), Germán Conti (coxa) e David Tavares (joelho) estão todos lesionados.
  • Em Agosto, Odisseas Vlachodimos, Haris Seferović e Tomás Tavares renovaram os respectivos contratos até 2024.
Leipzig
  • Transferências de Verão. Entradas: Hannes Wolf (Salzburgo), Luan Cândido (Palmeiras), Christopher Nkunku (Paris), Ethan Ampadu (Chelsea, empréstimo), Ademola Lookman (Everton), Philipp Tschauner (Hannover), Patrik Schick (Roma, empréstimo)
  • Transferências de Verão. Saídas: Bruma (PSV Eindhoven), Julian Krahl (Köln), Marius Müller (Luzern), Jean-Kévin Augustin (Mónaco, empréstimo)
  • O Leipzig bateu por 3-2 o VfL Osnabrück, clube da segunda divisão, na primeira eliminatória da Taça da Alemanha, a 11 de Agosto, numa partida onde Marcel Sabitzer bisou. O sorteio da segunda ronda ditou uma visita ao reduto do Wolfsburgo, em Outubro.
  • O Leipzig protagonizou um arranque perfeito na Bundesliga, sendo a única equipa que conta por vitórias as três jornadas já disputadas. Goleou (4-0) fora o Union Berlin a 18 de Agosto, uma semana antes de derrotar o Eintracht Frankfurt, por 2-1. A ronda mais recente do campeonato germânico rendeu uma vitória, por 3-1, no reduto do Borussia Mönchengladbach, a 30 de Agosto.
  • O Leipzig viu o seu arranque 100 por cento vitorioso na Bundesliga chegar ao fim no sábado, com um empate 1-1 na recepção ao campeão Bayern.
  • Timo Werner marcou os três golos em Gladbach e já contabiliza cinco nos quatro primeiros compromissos na Bundesliga.
  • Christopher Nkunku assinalou a sua estreia frente ao Union Berlin com a obtenção de um golo, isto depois de ter sido lançado no decurso do jogo.
  • Sabitzer e Konrad Laimer facturaram pela Áustria num triunfo (6-0) sobre a Letónia na Qualificação Europeia para o UEFA EURO 2020, a 6 de Setembro; Patrik Schick marcou, no dia seguinte, pela República Checa numa derrota (2-1) no Kosovo.
  • Emil Forsberg marcou o golo que valeu à Suécia um empate (1-1) ante a Noruega, a 8 de Setembro, enquanto Marcel Halstenberg deu à Alemanha a liderança no marcador durante o triunfo (2-0) na Irlanda do Norte, a 9 de Setembro, naquele que foi o seu primeiro golo ao serviço da selecção germânica.
  • Tyler Adams não joga desde o início de Agosto, devido a uma lesão no metatarso.
  • A 17 de Junho, Hannes Wolf marcou pela Áustria contra a Sérvia no seu primeiro jogo do Campeonato da Europa de Sub-21, isto antes de sofrer uma fractura no tornozelo direito.

Talking Points

Preparámos uma lista de temas para conversas sobre este jogo, mas estejam à vontade para passar por cima dela, ou pegar num ou alguns, e apresentar as tuas observações e expressar opiniões:
  1. Estreia na UEFA Champions League 19/20! Qual é a tua previsão sobre o resultado final e os marcadores?
  2. Qual é o teu onze inicial, estrutura e dinâmicas preferidos para este jogo?
  3. Que jogador ou aspeto do jogo do adversário constitui-se como a maior ameaça para o SL Benfica?
  4. Que jogador terá que fazer acontecer, superar-se a si próprio e embalar a equipa para a vitória?
submitted by fidjudisomada to benfica [link] [comments]


2019.06.03 19:48 Amanda3exceler Intercâmbio em Bournemouth

Estude na cidade dos balões e do Hotel de Chocolate

Para o estudante que pretende fazer o Intercâmbio em Bornemouth com a Mundial Intercâmbio e conhecer uma cidade pequena, com lindas paisagens litorâneas, possibilidade de voar de balão, comer muito chocolate e ainda por cima aprimorar o inglês, esta é a melhor opção de Intercâmbio em Bournemouth.
Esta pequena cidade pertence a uma agradabilíssima região litorânea no sul da Inglaterra, banhada pelo Canal da Mancha e com clima quente, o que atrai diversos turistas que desejam curtir uma boa praia em solo britânico.
Com uma população de aproximadamente 185 mil habitantes, a cidade reúne grandes roteiros para entreter os mais diversos estilos, sem perder pontos de sua originalidade e tradições culturais.
Para o intercambista que procura por mais algumas informações interessantes sobre o lugar, vale ressaltar o estilo de vida bem jovial dos moradores, trazendo a descontração necessária para o estudante se sentir confortável para aproveitar melhor o seu programa.

Proximidade com o centro da Inglaterra

Em uma viagem de aproximadamente duas horas e meia, é possível chegar à capital da terra da rainha. Mas nem de longe Bournemouth lembra Londres. Apesar de ser estudantil, é muito pacata durante o dia.
É muito comum ver pessoas da terceira idade tomando sol à tarde. Entretanto, existem interessantes opções de baladas e bares para todo o tipo de paladar e em cada dia da semana há uma programação diferente a se fazer.
Por exemplo, nos finais de semana, é muito comum as escolas realizarem excursões para cidades vizinhas, como Bath, Cambridge, Brighton e Oxford.
No verão então a programação é muito mais intensa. Suas praias ficam lotadas e as festas duram horas, chegando a virar a noite, na época que os moradores mais velhos saem em viagem e a cidade fica dominada por jovens.

Possibilidade de voar de balão

Se você sempre sonhou em voar pelos ares através de um balão, poderá realizar este desejo ao fazer Intercâmbio em Bournemouth. No parque Lower Gardens está o Bournemouth Eye, um balão que flutua acima da cidade e permite uma vista panorâmica de praias e arredores da cidade.
E para quem tem medo de altura não se preocupe! O balão está preso a uma corda e você poderá experimentar esta fascinante aventura com mais confiança.

Hotel de chocolate

É isso mesmo! Existe um hotel temático de chocolate em Bournemouth, uma das poucas cidades que contemplam este tipo atração no mundo e a única do Reino Unido.
O The Chocolate Boutique Hotel possui 15 quartos e todos tem o chocolate como principal tema. Além da cor marrom, em absolutamente todas as dependências do hotel, o hóspede pode desfrutar de chocolate belga à vontade.
O bar do hotel, obviamente, oferece deliciosos drinks a base de chocolate. A hospedagem também oferece cursos, workshops e oficinas com o tema chocolate para os hóspedes.
Viu só? Tenho certeza que depois desta descrição, esta cidade entrou em seu coração! Vem com a Mundial Intercâmbio e faça Intercâmbio em Bournemouth.

Entre em contato e saiba mais: https://www.mundialintercambio.com.br
submitted by Amanda3exceler to u/Amanda3exceler [link] [comments]


2019.06.03 19:46 Amanda3exceler Intercâmbio em Bath

Conheça e venha intercambiar na “Cidade dos Banhos”

Fazer um Intercâmbio em Bath com a Mundial Intercâmbio e conhecer a simpática cidade inglesa do interior da Inglaterra é uma oportunidade de saber uma história simplesmente sensacional. Venha fazer Intercâmbio em Bath, cidade das águas termais.
O Intercâmbio em Bath é a sua oportunidade para aprimorar o idioma, e conhecer uma cidade totalmente voltada ao público acadêmico, já que é residida atualmente por um enorme número de estudantes que representam a maioria da população local.

História da fundação curiosa

E quem não gosta de um bom banho não é mesmo? Os romanos pensavam a mesma coisa há pouco mais de 2000 anos atrás.
Ao andar pela Europa, procurando expandir seus domínios e enraizar doutrinas descobriram esta cidade imponente em águas termais e que por muito tempo foi usada como forma de lazer e banho. Daí vem o seu nome Bath, que em inglês significa “banho”.

Para aproveitar e relaxar

Bath era exatamente um “spa” durante o período enquanto foi dominada pelo Império Romano. Localizada a 150 quilômetros de Londres esta bela cidade é uma pequena amostra daquilo que a Inglaterra tem de melhor.
Ela é pequena e graciosa, uma espécie de vitrine histórica e referência da arquitetura clássica britânica. Aprender inglês em Bath é ideal para quem quer aprimorar o idioma e que gosta de um ótimo banho termal.
A principal atração da cidade fica por conta da The Roman Baths, um complexo de piscinas com águas fumegantes que se originam de uma única fonte termal da Inglaterra.
Ela foi construída pelo Império Romano por volta dos anos 70 D.C, e a região fez parte das conquistas romanas que acreditavam que as águas termais da cidade eram um presente da Deusa Minerva, por isso teriam propriedades curativas.
Aproveite um momento de folga durante seu intercâmbio em Bath e relaxe nessas maravilhosas fontes naturais.

O que mais fazer em Bath?

Não são apenas as fontes termais de Bath que encantam e convencem estudantes do mundo todo a estudar na cidade para aprender inglês. As ruínas romanas, a arquitetura georgiana e lojas de primeira classe também contribuem para sua fama.
As ruas Stall e Union e o Shopping Center Southgate também abrigam nomes de referência da moda. Já na Cidade Alta, um verdadeiro tesouro de boutiques irresistíveis e roupas clássicas está a espera de estudantes e visitantes.

Atrações maravilhosas e irresistíveis

O Museum of Costume apresenta uma coleção gigante de vestimentas, centenas de modelos que traçam um panorama da evolução histórica da moda na Inglaterra desde o século 16.
Belos locais de interesse arquitetônico europeu também estão espalhados por Bath, como a impressionante Royal Crescent, o Circus e a Ponte de Pulteney, considerada uma das mais belas do mundo.
Fazer amigos, se conhecer melhor e dominar a língua inglesa. Fazer intercâmbio em Bath é um aprendizado cultural único e com certeza te trará benefícios para o resto de sua vida. Vem com a Mundial Intercâmbio fazer seu Intercâmbio em Bath.

Entre em contato e saiba mais: https://www.mundialintercambio.com.br
submitted by Amanda3exceler to u/Amanda3exceler [link] [comments]


2019.04.27 15:26 Spookycliquebr Twenty One Pilots para COUP DE MAIN [traduzido]

COUP DE MAIN: Muito importante, vocês estão voltando para a Nova Zelândia em dezembro! Você está ansioso para voltar? TWENTY ONE PILOTS - JOSH DUN: Sim, absolutamente. Acho que sempre que não estamos na Nova Zelândia, sentimos falta da Nova Zelândia.
CDM: O que as pessoas podem esperar do Bandito World Tour?
JOSH: Bem, eu e o Tyler com certeza estaremos lá. Então isso é uma coisa, isso é uma certeza.
TYLER: com certeza.
JOSH: Definitivamente. Eu diria, algumas músicas antigas e algumas músicas novas, e queríamos colocar mais três ou quatro luzes no cofre de produção.
TYLER: E nós os pegamos.
JOSH: Nós temos o 'ok'.
TYLER: Nós temos os conversores para eles - o poder. Vai dar certo.
CDM: Estou muito feliz por você. Esse também é seu último show antes do Natal, então eu realmente estou esperando por um show com tema de Natal.
TYLER: Vamos mudar completamente o cenário para isso.
CDM: Tyler, você poderia trazer de volta sua barba do hiato e vestir-se de Papai Noel.
TYLER: Mmm, sim. Isso soa como um plano.
CDM: Você nomeou sua chita de estimação em "Pet Cheetah" depois de Jason Statham por causa dele dançando em uma cueca com estampa de chita em um videoclipe dos anos 90?
TYLER: Eu não fiz! Mas você aprende algo novo todos os dias.
CDM: Você precisa assistir o vídeo do The Shamen para "Coming" On. Ele estrela no fundo, acho que você realmente gosta disso.
TYLER: Uau, isso é um corte profundo. Tudo bem, vou procurar.
CDM: ‘Trench’ é um mundo tão incrivelmente planejado e planejado, tenho certeza de que você está realmente ansioso para convidar os fãs do mundo para ouvir as músicas que você tem trabalhado por tanto tempo. E seus fãs são tão inteligentes, quando vocês retornaram pela primeira vez através do site dmaorg.info, eles foram surpreendentes em descobrir pistas. Você está animado para ver como os fãs interpretam "Trench" e construir seus próprios significados pessoais para as músicas?
TYLER: Sim, quero dizer que um dos momentos mais emocionantes é quando o nosso álbum sai - é algo que realmente trabalhamos difícil, e ainda estamos bastante nervosos sobre isso. Não sabemos como isso vai funcionar ou se as pessoas vão gostar disso. Espero que eles façam. Uma das perguntas que recebemos é: 'Quais são as nossas músicas favoritas no álbum?' E ainda mais particularmente: "Qual é a sua música favorita para tocar ao vivo?" Eu sempre achei que é difícil responder a essa pergunta até que o álbum saia, até que os fãs consigam e injetem não apenas seu próprio significado, mas o envolvimento deles em cada música também pode mudar nosso significado para essa música. Eu não acho que eles já tenham percebido isso. Então, eu estou animado para o álbum ser lançado por vários motivos, mas um em particular, para ver em quais músicas eles gravitam, e coisas assim.
CDM: A música é um meio de arte tão interessante - coisas como livros / filmes / TV são uma conversa unidirecional, uma vez lançada ela não muda, mas a música tem a capacidade de mudar quando é levada em turnê, quase como uma parte dois para o álbum.
TYLER: Sim, isso faz sentido.
CDM: Em 'Leave The City', Tyler você canta: “No ano passado eu precisei mudar de ritmo, não pude acelerar o ritmo das mudanças, mas este ano, embora eu esteja longe de casa, em Trench eu não estou sozinho. ”Você sentiu essa sensação de não estar sozinho na noite de quarta-feira quando estava cara a cara com seus fãs pela primeira vez em pouco mais de um ano?
TYLER: Se você estivesse sentado na minha frente, você me veria começar a sorrir quando fizesse essa pergunta, então sim, absolutamente. Quero dizer, aquele primeiro show aqui em Londres, era um completo mistério sobre se isso faria sentido e se iria funcionar. E isso fez, fez sentido - eu não posso esperar para continuar a tocar essas músicas ao vivo.
CDM: Tyler, por favor, aproveitamos para apreciar a bateria de Josh em "The Hype" - é tão bom. Com que frequência você fica impressionado com o talento de Josh?
TYLER: Uhhh, a única vez que não admiro a bateria do Josh é quando estou comendo, porque estou focado nisso. Então, entre cada refeição é principalmente quando eu fico admirado com a bateria de Josh.
CDM: Então há apenas uma pequena lacuna na admiração?
TYLER: Sim, uma lacuna muito pequena.
CDM: A ponte em "The Hype" é enorme. O que inspirou a produção por trás disso?
TYLER: Eu acho que essa música em particular, eu queria voltar para-- Quando eu era um pouco mais jovem, talvez até na escola, apenas um pouco da produção daquela música me lembrou disso. Mas também, abordando liricamente quem eu era quando era um pouco mais jovem, e o que eu gostaria de ter ouvido. Essa música é particularmente falando sobre a diferença entre uma pressão interna e uma pressão externa. Muitas das coisas sobre as quais escrevo vêm da luta com uma pressão interna, mas há aquelas pressões externas do mundo ao nosso redor que podem ser abordadas também, e essa música trata particularmente daquelas de uma forma que ... Apenas um encorajamento para continuar, para deixar as coisas saírem das suas costas, que merecem ser postas de lado.
CDM: Eu adoro a frase: "Pode levar alguns amigos e uma camiseta mais quente / Mas você não fica com a pele grossa sem se queimar", em "The Hype". Quais outras ajudas você recomenda para se proteger de ficar preso na máquina do hype?
TYLER: Essa é uma boa pergunta. Mas cara, ouvir você dizer essas letras de volta, essas são algumas letras muito boas.
JOSH: Eu pessoalmente admiro as letras.
TYLER: Sim! Por que você não perguntou a Josh o quanto ele tem medo de mim? Vamos.
CDM: Essa é a minha última pergunta, só para você saber.
TYLER: Ok, vamos segurá-lo então. Mas eu não sei, eu tenho que pensar sobre isso, eu sinto que tenho que acompanhar [a questão] com algo super poético. Eu acho que a comunidade na qual um show ao vivo é ambientado, ou uma base de fãs, parece que [ajuda] - esse lugar é um bom lugar para estar, especialmente quando é seguro e aceito, o que eu acho que nossos fãs são incríveis em criar um espaço seguro e receptivo para as pessoas aproveitarem a arte que estamos fazendo. Estou muito orgulhosa deles e admiro-os dessa maneira.
CDM: "Eu criei este mundo / para sentir algum controle", você canta em "Bandito". Você sente um poder sobre o mundo que você criou, e os sentimentos e partes de si mesmo que vivem lá agora? Escrever o álbum deu a você o controle?
TYLER: Sim, eu acho. A letra por si só meio que parece um pouco arrogante ou confiante, mas, na verdade, dentro da música, é um momento em que, se alguma coisa, está admitindo que a maior parte do tempo você sente que não há controle. Eu acho que é algo especial dentro da criação de arte, e escrever músicas, é que você tem controle sobre isso - e isso, em certo sentido, me encheu de um senso de propósito, e tem sido muito útil para mim, e em um O caminho estava encorajando outras pessoas a fazer sua própria versão disso, porque eu encontrei muita força na construção de algo que é meu, que eu tenho controle de uma forma positiva.
CDM: Como prometido, a última pergunta é para você Josh. Quão frequente você fica admirando Tyler?
JOSH: Essa é uma ótima pergunta. Eu diria que muitas vezes sempre que estou comendo, fico impressionado com Tyler. Mas eu estou comendo mais do que não estou comendo, praticamente o tempo todo.
TYLER: Então toda vez que eu não estou comendo, você está comendo?
JOSH: Sim.
CDM: Vocês só têm uma tigela de comida comum, que vocês passam entre vocês? TYLER: É um cocho. Nosso novo álbum, "Trough".
submitted by Spookycliquebr to u/Spookycliquebr [link] [comments]


2019.04.20 23:39 Samuel_Skrzybski STEEL HEARTS - INTRODUÇÃO (PARTE 1)

Infelizmente, eu já vi que o sub de escritores brazucas não é lá muito populoso. Eu não sei se um dia alguém vai chegar a ler a introdução da minha narrativa, mas se você está aqui, lendo a minha nota pré-texto, eu peço humildemente o seu feedback. No meu círculo social, rigorosamente NINGUÉM tem tempo e paciência para ler tudo e me dizer o que achou - e eu entendo perfeitamente kkkkkk. E, se me permite um segundo pedido: se for me dar um toque, seja na gramática, seja na minha forma de decorrer a história, faça críticas construtivas, por favor.
E sobre a introdução: se um dia a minha história porventura se tornar um livro - e eu não faço nenhuma questão que isso aconteça - ele se iniciaria após todos os fatos que eu vou narrar abaixo - e estes fatos iriam se revelando no decorrer dos capítulos. Essa introdução tem o único e exclusivo objetivo de dar um entendimento melhor ao leitor atual - você! - sobre o "universo Steel Hearts": contexto histórico da trama, histórico das personagens, eventos que moldam a narrativa e afins. Em um eventual livro, essa introdução seria inexistente e ele se iniciaria no prólogo - o qual eu já escrevi e vou postar aqui também, ainda hoje ou amanhã. E até o momento atual, o prólogo é onde a minha história está empacada :{
Enfim, sem mais delongas: boa leitura! :)
[EDIT: Eu vou ter que dividir a introdução em duas partes, para conseguir postar - eu não sabia que o Reddit tinha um limite de caracteres. Eu vou postar a Parte 1 agora e a Parte 2 eu posto em alguns minutos, logo na sequência.]
Cronologicamente, a trama se inicia em 1412.
Dois jovens oficiais do Reino da Catalunha se perdem no interior de uma floresta de mata densa em uma patrulha rotineira e descobrem uma reserva imensa de ferro, cobre e bronze no interior de uma caverna - esta, batizada de Madriguera de Sán José. Todos estes citados, minérios primordiais para a construção de equipamentos de combate e, no auge da Idade Média, eram de extremo valor. Após apurações mais profundas, foi descoberto que a reserva era muito maior do que se imaginava e se estendia por todo um território, conhecido como Península de Acqualuza. Naturalmente, os olhos de toda a Europa Medieval se voltaram para as terras de Acqualuza, que era território da Catalunha - região onde atualmente se localiza a Espanha - por direito, comandada desde 1383 pelo rei Carlos Villar. O que antes era só mais um pedaço de terra passou a ser visto por Carlos Villar como um trunfo para instalar o seu reinado como a maior potência militar e econômica da Europa e, por tabela, do mundo.
Entretanto, alguns anos mais tarde, o rei da Catalunha foi assassinado por sua própria filha primogênita, Alice Azcabaz Villar, movida pela ganância e pelo poder. Após assumir o trono em 1414, Alice, sem nenhuma experiência como governanta em seus 19 anos recém-formados e se vendo incapaz de colocar ordem em um reino inteiro sozinha, firmou uma aliança com a família Winchestter, uma tradicional linhagem nobre da Inglaterra, que se instalou na Península de Acqualuza e passou a governar a mesma.
É importante ressaltar que Acqualuza não se resumia apenas a ferro, cobre e bronze. Existia um povo vivendo naquela região. Uma civilização. Pessoas que se instalaram naquele lugar por gerações, muito antes de descobrirem que a península, na verdade, era uma verdadeira "galinha dos ovos de ouro". Os Winchestter foram protagonistas de um governo totalmente corrupto, que durou dois anos. Exportaram minérios, espadas, lanças, escudos, armaduras e afins da mais alta qualidade para os quatro cantos da Europa e enriqueceram de uma maneira rápida e efetiva. Mas, em contrapartida, o povo de Acqualuza vivia na miséria, na pior crise socioeconômica de sua história. A verdade é que a família Winchestter, juntamente de Alice Azcabaz, visavam somente os seus interesses pessoais. Enquanto a fortuna pessoal dos Winchestter decolava, a Península de Acqualuza entrava em rota de colisão, mergulhada na pobreza extrema. Os cidadãos acqualuzenses viravam quarteirões e quarteirões em filas intermináveis para a distribuição gratuita de pães velhos e mofados, para que não simplesmente morressem de fome. E por mais que a educação, saúde, segurança e desenvolvimento social da região fossem precários, o povo parecia anestesiado. Como se estivesse tão fraco e oprimido que sequer conseguisse levantar a voz para questionar os seus governantes.
Era nítido que o governo acqualuzense era instável, o que chamou a atenção dos ingleses. Talvez a maior potência econômica e militar da Europa no momento, a Inglaterra, conduzida por seu renomado exército imperial e pelo jovem e controverso rei Sabino III, estudava maneiras de depor o governo dos Winchestter e tomar as ricas terras de Acqualuza para si - o que soava como justo para os ingleses, afinal, os atuais governantes do território acqualuzense eram dos seus. A carta na manga dos ingleses era o povo de Acqualuza e as condições desumanas nas quais estes viviam. A estratégia, inicialmente, era enviar soldados ingleses travestidos de cidadãos acqualuzenses para o território dominado pelos Winchestter e forçar uma revolta contra o governo vigente. Os forasteiros organizaram tumultos, passeatas e até fizeram ameaças aos nobres, em uma tentativa de fazer o próprio povo fazer o trabalho sujo de derrubar os monarcas do poder por eles, evitando um ataque direto e um consequente e nefasto atrito entre Inglaterra e Catalunha, com quem mantinham uma cordial relação diplomática. Os cidadãos da península até esboçaram uma reação com os primeiros protestos, mas logo adormeceram novamente. Vendo o comodismo que o governo imoral da família Winchestter instalou nas terras de Acqualuza, Sabino III optou por uma solução mais radical: a criação da CAJA.
A CAJA nada mais era do que uma organização secreta, patrocinada pelo governo da Inglaterra e composta por militares do mais alto escalão do Exército Nobre Inglês e por assassinos de aluguel de elite. O objetivo? A princípio era, durante uma noite, impedir que os postes de lamparinas a óleo vegetal fossem acesos na Península de Acqualuza. E assim, na escuridão total, um pelotão seria responsável por invadir, saquear e depredar o castelo dos Winchestter e outro grupo realizaria a maior chacina já vista na Europa Medieval: estes invadiriam casas de cidadãos comuns e matariam a sangue frio qualquer ser vivo que encontrassem pela frente. E, como cereja do bolo, deixariam os corpos ensanguentados expostos nas ruas de Acqualuza para que todos os sobreviventes se deparassem com a tragédia ao nascer do sol. Um mar de sangue inocente que os ingleses julgavam como necessário: com a carnificina, a Inglaterra esperava que o traumático choque de realidade mostrasse ao povo acqualuzense de uma vez por todas que os Winchestter eram incapazes de proteger, tanto os cidadãos, quanto a eles próprios, e enfim compreender todas as consequências da péssima administração dos nobres ingleses em suas terras. A matança tinha data e hora para acontecer: 10 de Novembro de 1415, a partir das 18h30.
E neste contexto, somos apresentados a Constantin Saravåj Mandragora - ou simplesmente Saravåj. Nascido na Iugoslávia, na região dos Bálcãs e a 1200 km de Londres, era filho de uma família de camponeses extremamente pobre e sem perspectiva nenhuma de ter uma qualidade de vida minimamente digna. Todavia, desde os primórdios de sua vida, era uma criança criativa, inteligente e escandalosamente diferente das demais. Assim como seus pais e toda a Europa Medieval, acompanhava pelos jornais o drama do povo de Acqualuza, que ganhou notoriedade internacional. Lendo jornais de origem britânica, Saravåj aprendeu o inglês por conta própria. E foi por intermédio desses folhetos estrangeiros que o menino ficou sabendo da existência de Dúbravska. Um sábio monge acqualuzense que se isolou da civilização em meados de 1360 e passou a viver sozinho em cordilheiras, em um estado infinito de meditação. Era considerado pelos cidadãos de Acqualuza como o mais próximo de Deus que tinha-se na Terra - havia quem dissesse que ele tinha contato direto com o Todo-Poderoso. Quando ficou nítido que não existia nenhum panorama de melhora para o povo acqualuzense da situação de calamidade em que se encontravam, os mais importantes homens da Península de Acqualuza começaram a procurar por Dúbravska, na esperança de que este tivesse a fórmula perfeita para contornar todo sofrimento de seu povo. Quando contatado por meros cidadãos comuns, o monge afirmou que a Península de Acqualuza tinha um período de guerras incessantes pela frente, onde a paz seria impossível e seus governantes seriam seus maiores inimigos. E profetizou que, após o período de trevas, somente uma criança de coração puro e livre de maldade seria capaz de liderar um reinando que enfim devolveria a paz para Acqualuza. Algumas horas mais tarde, no pôr-do-sol, Dúbravska entregou sua alma para Deus e realizou a sua assunção aos céus, e nunca mais foi avisado por ninguém. Quando terminou a sua leitura, Saravåj sentiu um arrepio que correu todo o seu corpo e não teve dúvidas: era ele próprio a criança da profecia.
Alguns anos mais tarde, inconformado com a sua situação e de sua família e revoltado com a forma com a qual os nobres engoliam as classes inferiores, Saravåj foi para a Inglaterra incentivado por sua mãe em busca de mais oportunidades assim que se tornou um homem adulto, em uma árdua caminhada, onde cruzou a Europa em 25 dias até chegar em Cherbourg-Octeville, na Gália, de onde seguiu de balsa para a Inglaterra. Na terra da rainha, pela primeira vez na vida a sorte sorriu para ele - e em dose dupla: o garoto de até então 18 anos entrou e cresceu rapidamente no exército inglês e também apaixonou-se reciprocamente por Camilly Shaw, sem um pingo de dúvidas, uma das mulheres mais atraentes de todo o Reino da Inglaterra: o seu cabelo lembrava os radiantes raios solares, de tão loiro. Também era dona de claros olhos azuis cor-de-mar. A garota era membro e a natural herdeira de uma respeitada família de militares de elite. Pela primeira - e única - vez, Saravåj descobriu o amor. Saravåj filiou-se como peão ao Exército Nobre Inglês em 1413 e à CAJA em 1415. Sua mãe, em uma das cartas que mandava da Iugoslávia semanalmente para Saravåj, foi totalmente contra a ideia de saber que o seu próprio filho derramou o sangue de pessoas inculpadas e encorajou Saravåj a trilhar os seus caminhos longe do militarismo. Sugeriu que mudasse o seu foco para ler livros e adquirir conhecimento, como era o sonho dela. Saravåj sabia que era utopia. Prometeu para sua progenitora que seria a primeira e última vez. O garoto iugoslavo, idealizando o seu futuro com Camilly acima de qualquer coisa, tinha medo da ameaça que os Winchestter poderiam vir a se tornar um dia, sem conhecer o maquiavélico plano do governo inglês de usar a tirania dos Winchestter como justificativa para aumentar as suas riquezas com as terras de Acqualuza.
No dia 10 de Novembro daquele mesmo ano, Saravåj invadiu de surpresa na calada da noite o imenso castelo da família Winchestter, junto de colegas de esquadrão e de assassinos profissionais em uma noite que deveria ser de comemoração para os monarcas, com as suas típicas e corriqueiras festas regadas à música clássica e todo tipo de bebida alcoólica. No saldo final, o garoto, que sempre se destacou com espadas em punhos, assassinou Diógenes Dionisi, o próprio patriarca da família Winchestter. Foram incontáveis as baixas de membros dos Winchestter naquela madrugada. Do outro lado da moeda, o morticínio foi um sucesso: o nascer do sol foi acompanhado pelo choro de homens e mulheres abraçados com os ensanguentados corpos sem vida de seus entes queridos. O vermelho-sangue banhava todas as ruas de Acqualuza, em um cenário tão surreal que sequer parecia realidade. Esta noite ficou marcada por toda eternidade na história como "O Domingo Sangrento".
Com a morte de diversos membros da família Winchestter e com a desestabilização total dos mesmos, o povo de Acqualuza, enfim, despertou. Passeatas violentas que levavam como slogan a frase "OS MONARCAS NÃO NOS AJUDAM!" eram diárias na Península de Acqualuza. Zoey Deschamps, a viúva de Diógenes Dionisi, assumiu o mandato de seu ex-marido juntamente de Alice Azcabaz, em uma diarquia frágil e que sofria forte desaprovação do povo, em um período de seis meses que ficou conhecido como "Caveirão". A gota d'água foi o suicídio da rainha Alice Azcabaz, a própria pioneira da tomada de Acqualuza, que se enforcou após não suportar a pressão e as ameaças que vinham de seus próprios compatriotas. Com a morte de Alice, Zoey abdicou do trono, fazendo com que a Península de Acqualuza caísse em anarquia total.
Sem o exercício nenhum tipo de governo nas desejadas terras acqualuzenses, a Inglaterra tinha o cenário perfeito bem à sua frente. Contudo, optou por agir com cautela. Sabino III, sabendo que o povo de Acqualuza ficaria acuado e com um pé atrás após a péssima experiência com um governo gringo - e inglês - em suas terras, enviou seus mais competentes diplomatas para a Península de Acqualuza, na intenção de negociar a almejada anexação das terras de ferro, cobre e bronze com os representantes do povo acqualuzense, em um consenso bilateral, que fosse benéfico para ambos os lados, e pouco a pouco, foi colocando os seus oficiais dentro de Acqualuza, na esperança de criar raízes inglesas na península. Na teoria, a Península de Acqualuza se tornaria parte e dependente do Reino da Inglaterra em troca de estabilidade governamental. O povo sabia que eles precisavam de um rei e que a anarquia só iria levá-los ao fundo do fundo do poço. Não haviam muitas saídas que não fosse aceitar o acordo proposto por Sabino III.
Entretanto, havia uma maçã podre neste cesto que atendia por nome e sobrenome: Matiza Perrier. Um prepotente e irreverente gênio nato, inglês descendente de iugoslavos, membro do Exército Nobre da Inglaterra e que participou do saqueamento do castelo da família Winchestter ao lado de Constantin Saravåj no 10 de Novembro. Porém, paralelamente aos seus serviços prestados ao Reino da Inglaterra, Matiza liderava uma organização de interesses sombrios conhecida como Pasárgada. Os pasargadanos tinham um objetivo em comum com os imperiais ingleses: tomar as ricas terras da Península de Acqualuza para si. Mas utilizavam meios diferentes - e mais inteligentes - para isto. A Pasárgada era o grande ventríloquo por trás de cada atitude do reino inglês. Era quem mexia as peças no tabuleiro: manipulou o governo da Inglaterra para que este manipulasse os cidadãos acqualuzenses para que estes derrubassem os Winchestter do poder. No fim das contas, quem se beneficiaria da ausência de um rei na península e sentaria no trono seria Matiza Perrier - e ele tinha meios indefectíveis para isto. Tanto que, subitamente, como um raio que cai sem nenhum aviso prévio, as negociações entre a Inglaterra e o povo de Acqualuza pararam. Quando os nobres, oficiais e diplomatas ingleses se deram conta e olharam para o alto, só puderam assistir estáticos e de camarote a coroação de Matiza Perrier como rei de Acqualuza, que a partir daquele momento passou a ser um reino independente dos catalães, nomeado de "Pasárgada". Zoey Deschamps - agora noiva de Matiza Perrier - arquitetou por trás das cortinas as condições necessárias para que a Pasárgada atravessasse as negociações entre a Inglaterra e o povo acqualuzense e tomasse a península para si. Os cidadãos acreditaram com toda inocência do mundo que um governo novo e, acima de tudo, não-inglês, era o ideal para eles naquele momento.
Quando a notícia de que uma desconhecida oposição havia vencido a disputa pelo trono chegou aos ouvidos de Sabino III, ele ordeu a retirada imediata de todas as suas tropas das terras de Acqualuza. Muitos conseguiram fugir para regiões vizinhas - entre estes, Constantin Såravaj - mas muitos mais jamais puderam voltar para suas casas. No dia 10 de Julho de 1416, a Pasárgada assumiu oficialmente a Península de Acqualuza e o agora rei Matiza fez o seu primeiro discurso ao seu povo. O comandante da Pasárgada proferiu palavras bonitas e se mostrou um defensor ferrenho dos direitos humanos e da inclusão social das classes menos favorecidas, ganhando como recompensa uma salva de palmas ensurdecedora do povo e a simpatia dos mesmos. Mas contradisse-se quando ordenou que seus oficiais, de modo acaçapado, executassem sem dó nem piedade todo homem que tivesse um brasão inglês no peito nos limites de seu território. Saravåj assistiu imóvel muitos companheiros sendo brutalmente esquartejados durante o tumulto, mas foi bem-sucedido em sua fuga. Se instalou, assim como a grande maioria dos ingleses sobreviventes, na pequena vila camponesa de Balistres, pertencente ao Reino da Gália (onde atualmente se localiza a França) e que fazia fronteira direta com a Península de Acqualuza.
Em Balistres, Constantin Saravåj enfim pôde encontrar-se com sua amada após sua fracassada e última missão militar. Após uma longa conversa, Camilly convenceu Saravåj a deixar o Exército Nobre da Inglaterra e se instalar na vila de terras férteis de Balistres juntamente a ela. Muitos ex-oficiais ingleses seguiram o mesmo caminho e colocaram o seu uniforme imperial na gaveta para se dedicar a uma vida pacata em Balistres. Entretanto, o nobre guerreiro iugoslavo ainda se preocupava muito com o que acontecia em Acqualuza. Em seus pensamentos, sentia muito pelo povo daquele lugar. A Pasárgada era uma ameaça muito maior do que os Winchestter. Tanto para a Europa Medieval quanto aos seus próprios cidadãos. Seria uma mentira dizer que a qualidade de vida do povo da península não melhorou muito com o governo da Pasárgada. Mas a corrupção continuava - a diferença é que, desta vez, acontecia de uma maneira inteligente. O grande coringa de Matiza Perrier era o próprio governo anterior à Pasárgada: os pasargadanos não erradicaram a corrupção. Apenas a diminuíram. Ainda assim, muitos recursos que deveriam ser destinados ao povo acqualuzense eram usados visando somente os interesses pessoais de Matiza Perrier e de seus aliados mais próximos. Em uma comparação inevitável com o governo descaradamente ilícito dos Winchestter, a impressão era a de que Matiza estava tirando leite de pedra e levantando a Península de Acqualuza da lama. A astuta ideia era, além de roubar, alienar o povo. Sem instrução econômica, os acqualuzenses idolatravam Matiza, que aumentava a sua popularidade com seus periódicos discursos infestados de falso moralismo. No balanço geral, uma minoria do povo enriqueceu e a grande maioria apenas se tornou menos pobre. Uma sociedade cada vez mais segregada entre ricos e plebeus. Tudo ocorria da forma mais perfeita possível para que Matiza Perrier enfim começasse a colocar as suas peças no campo adversário para dar início a um temível império pasargadano.
Saravåj, um dos pivôs da agora extinta CAJA, até queria fazer algo para que o povo de Acqualuza abrisse os seus olhos mais uma vez. Mas era totalmente desencorajado por Camilly. A garota queria que Saravåj se concentrasse na vida a dois. Camilly afirmou que para ela, pouco importava passar os seus próximos setenta anos como mera camponesa. Que não reclamaria se comesse cenoura, couve e batata todos os dias. A única coisa que realmente importava era estar ao lado de Saravåj. Juntos, vivos e seguros. Os seus futuros filhos poderiam viver uma infância alegre, brincando no campo e longe das guerras e de toda crueldade do mundo, realidade rara na Era das Trevas da Idade Medieval. A imagem de uma família perfeita e unida, mesmo que ainda somente na imaginação e muito longe de ser concretizada, era linda. Sendo assim, tanto Sabino III quanto Constantin Saravåj desistiram das terras da Península de Acqualuza, reconhecendo finalmente, que agora estas mesmas eram de domínio da Pasárgada. A paz reinou em Balistres durante alguns meses. Saravåj e Camilly residiram felizes naquela vila e fizeram inúmeros planos para os próximos anos. As colheitas foram um sucesso. A segurança, estruturada por antigos e competentes soldados do escalão de elite do exército da Inglaterra, era impecável. As crianças tinham acesso à educação de qualidade, tanto militar quanto acadêmica. Após muito esforço de seus residentes, Balistres via em seu horizonte uma década próspera e abundante.
Até que, durante um pôr-do-sol, a Pasárgada, faminta por ampliar os seus domínios, invadiu o vilarejo gaulês. Constantin Saravåj e seus companheiros bem que tentaram defender as suas terras com unhas e dentes, mas em vasta desvantagem numérica, foram facilmente reprimidos. Por mais uma vez, a Pasárgada patrocinou um massacre. Muitas pessoas, leigos e militares, foram mortas. A maioria delas, jovens que partiram deste plano sem concretizar os seus sonhos. Nesse ínterim do ataque do reino de Matiza Perrier ao vilarejo de Balistres, Camilly Shaw feriu-se com gravidade. Após ter uma lança atravessada em seu peito, a garota começou a perder muito sangue. Os remanescentes que restaram da investida pasargadana transcorreram para a metrópole de Nice, uma das maiores cidades da Gália e uma das pouquíssimas que contavam com assistência médica especializada. Novamente, a Pasárgada venceu e incorporou a terra de Balistres aos seus territórios.
Em Nice, Camilly foi uma das primeiras a receber atendimento dos paramédicos. Após uma rápida e sucinta análise, o iátrico afirmou a Saravåj que a hemorragia de sua dulcinéia era um quadro clínico irreversível para a medicina da época. Camilly Shaw deveria ter, na melhor das hipóteses, algumas horas de vida. E como se não bastasse, o médico ainda constatou que a garota estava grávida há algumas semanas e teria o infeliz destino cruel de falecer juntamente de seu bebê. Foram as palavras mais duras que já entraram pelos ouvidos de Saravåj. O garoto sentiu que estavam arrancando-lhe brutalmente a parte mais importante de sua essência. Camilly era motivo pelo qual Constantin Saravåj realizou atrocidades pela CAJA. Pelo qual desistiu da carreira militar. E, acima de qualquer outra coisa, a garota era o motivo pelo qual Saravåj estava disposto a matar e a morrer, se fosse necessário. Durante a caminhada até Nice, Camilly fez com que Saravåj prometesse que, independentemente do que viesse a acontecer dali em diante, ele não iria derramar uma lágrima sequer. Nem por ela, nem por ninguém. Mas o garoto iugoslavo foi incapaz de cumprir a sua promessa quando soube que iria perder a mulher da sua vida e seu primeiro filho de uma só vez. "Se Camilly morrer, por que ou por quem eu tanto matei?", pensava Saravåj, entre lágrimas e soluços. Matrimônio. Sonhos. Planos. Tudo virou pó de um instante para o outro. Em pouco tempo, o garoto estaria sozinho no mundo. Soava injusto, mas já não havia tempo para prantos. Durante a trágica notícia, inúmeros mensageiros da Gália chegaram aos berros em Nice, gritando pelas ruas de maneira histérica para quem quisesse ouvir que a Pasárgada estava invadindo a Gália de modo feroz. As tropas da grande metrópole gaulesa precisavam se organizar para um provável combate e os cidadãos daquela localidade eram jogados à deriva, sendo obrigados a se refugiar como pudessem.
Por mais uma vez, os sobreviventes do morticínio de Balistres teriam que fugir de seus algozes. Até a metade do caminho, Saravåj levou Camilly em seus braços, com a estúpida esperança de que Deus, se de fato se fizesse existente, oniconsciente, bondoso, justo e misericordioso, operasse um famigerado milagre. Até que, nos arredores de Paris, tornou-se inviável continuar carregando uma mulher que havia recebido uma sentença de morte. A consciência de Camilly estava por um fio. Os braços de Saravåj já há muito eram humanamente incapazes de continuar carregando um corpo tão pesado. Os retirantes precisavam se apressar, afinal, eles não sabiam o quão rapidamente a Pasárgada estava avançando. Não havia mais como adiar a despedida.
O garoto, afastando-se do grupo de Balistres, encostou Camilly em uma grande figueira. O casal, na escuridão da noite, era iluminado somente pela luz da lua cheia. A garota, em um último e doce ato, colocou nas mãos de Saravåj um colar dourado, que continha um pequeno pingente em formato de coração. E feito isso, fechou os olhos. Aos poucos, a sua respiração pesada cessou. E, por fim, o seu coração deu a sua última batida - um último "eu te amo" à Constantin Saravåj. Após a morte de Camilly Shaw, que sequer teve a oportunidade de ter um velório digno, os que restaram do vilarejo de Balistres continuaram a sua jornada durante toda madrugada. E só pararam quando alcançaram a cidade de Baden-Wüttenberg no nascer do sol, já no território da Germânia (nos dias de hoje, a Alemanha). Em solo germânico, todos os ex-soldados do Exército Nobre Inglês, entre eles, um abalado Constantin Saravåj, fizeram uma última continência à bandeira da Inglaterra, se despediram e trilharam seus respectivos caminhos.
"Olha bem, mulher. Eu vou te ser sincero. Eu sabia que ia dar errado. Esse mundo está corrompido e a felicidade aqui não passa de uma utopia. Nós vamos ficar longe um do outro por um tempo, mas ainda vamos nos reencontrar. Eu não posso te prometer, mas eu juro que anseio por isso do fundo da minha alma"
Após este calamitoso ocorrido, Saravåj nunca mais foi o mesmo. Tornou-se uma pessoa amargurada. Cheio de ódio no coração, admitiu para si mesmo que a criança da profecia não passava de um delírio. Também se convenceu de que todo o amor que ele podia dar em vida terrena, ou qualquer sentimento positivo que fosse, foram para o túmulo juntamente de Camilly Shaw. O garoto iugoslavo passou a dedicar a sua vida a tecer um planejamento suficientemente perfeito para derrubar a Pasárgada - e em especial, Matiza Perrier - já que estes haviam tirado tudo o que ele tinha de mais importante. Suas terras. Seu povo. Seu filho. O grande amor de sua vida. Dizimar a Pasárgada. Concretizar a sua vingança. É para isso que Saravåj passou a viver. Afinal, tudo o que era lindo. Tudo o que era bom. Tudo o que era perfeito. A Pasárgada destruiu.
submitted by Samuel_Skrzybski to EscritoresBrasil [link] [comments]


2018.12.05 23:22 avehomem [10 anos] COMO ME FUDI NO SHOW DO LOS HERMANOS

O texto abaixo corre a internet já faz algum tempo já faz pelo menos uma década. Vi a notícia do show do Loser Manos e quis reler o texto. Fui procurar e notei que o texto foi publicado neste blog em 11 de novembro de 2008. Ou seja, completou 10 anos algumas semanas atrás.
Pelo que parece é a fonte original, mas não tenho certeza. Eu, assim como todos meus conhecidos, li em algum outro fórum ou comunidade do Orkut. Divirtam-se!

COMO ME FUDI NO SHOW DO LOS HERMANOS,
por Adolar Gangorra em adolargangorra

Voltei para o Brasil há pouco tempo. Vivia com minha família na Inglaterra desde garoto. Estou morando no Rio de Janeiro há uns três meses e agora estou começando a me enturmar na Universidade. Não sei de muita coisa do que está rolando por aqui, então estou querendo entrar em contato com gente nova e saber o que tá acontecendo no meu país e, principalmente, entrar em bastante contato umas garotas legais, né?

Mas foi meio por acaso que eu conheci uma menina maneiríssima chamada Tainá. Diferente esse nome, hein? Nunca tinha ouvido. Estava procurando desesperadamente um banheiro no campus quando vi uma porta que parecia ser a de um. Na verdade, era o C.A. da Antropologia. A garota já foi logo me perguntando se eu queria me registrar em algum movimento estudantil de sei lá o que. Que bacana! Que politizada ela era! E continuou a me explicar a importância de eu me conscientizar enquanto enrolava em beque da grossura de uma garrafa térmica. Pensei em dizer que estava precisando cagar muito rápido, mas ela era tão gata que eu falei que sim. Tainá: cabelos pretos, baixinha e com uma estrutura rabial nota dez... Aí, acho que ela me deu um certo mole... Conversa vai, conversa vem, ela me chamou para um show de uma banda naquela noite que eu nunca tinha ouvido falar: Loser Manos. Nome engraçado esse! Estava fazendo uma força sobre-humana para manter a moréia dentro da caverna, mas realmente tava foda. Continuamos conversando e rindo. Ela riu até bastante, mas eu, na verdade, tava era mesmo rilhando os dentes porque assim ficava mais fácil disfarçar as contrações faciais que eu estava tendo ao travar o meu cu para não cagar ali mesmo na frente dela.

Pensando bem, eu tinha ouvido falar sim alguma coisa sobre essa banda lá na Europa ainda, mas não lembro bem o quê. Ah, acho que vi esses caras hoje no noticiário local dando uma entrevista. Achei que fosse uma banda de crentes tradicionalistas tipo Amish. Todos de barba, com umas roupas meio fudidas. Parecia até a Família Buscapé! Dão a impressão de ser uns sujeitos legais, mas o que me chamou a atenção mesmo foi o jeito da repórter, como se fosse a fã nº 1 deles, como se estivesse cobrindo a volta do Beatles ou coisa parecida. Não entendi esse jeito "vibrão" de trabalhar. Bom, mas se eu conseguir ficar com o bicho bom da Tainá hoje à noite, já tô no lucro! Marcamos de nos encontrar na entrada do ginásio. Rapaz, acho que tô dando sorte aqui no Brasil!

Ia ser fácil achar essa garota no meio da multidão. Ela se veste de uma maneira estilosa, diferente, bem individual: sandália de dedo, saia indiana, camiseta de alça, uma bolsa a tiracolo e o mais interessante: um óculos retangular, de armação escura e grossa, engraçado até! Depois de uns mil "Desculpe, achei que você fosse uma amiga minha.", finalmente encontrei Tainá e seu grupo de amigos. Cacete, isso sim é que é moda! Parecia uniforme de escola!

Ela me apresentou suas amigas, Janaína e Ana Clara e seus respectivos namorados, Francisco e Bento. Uma mistura de fazendeiros com intelectuais. Um cara de macacão, de sandália de pneu e com ar professoral. Outro de colete, tênis adidas, óculos e também com ar professoral. Pareciam ser legais, "do bem" como eles mesmo falam... Mas que não me deram muita conversa. "Do bem", isso mesmo! Gíria nova... Todos aqui são "do bem". E que nomes tão simples e idílicos! Janaína, Ana Clara, Francisco, Bento e Tainá. Nada de Rogérios ou Robertos. E eu que já tava me sentindo meio culpado por me chamar Washington... Realmente estava no meio de uma nova época da juventude universitária brasileira!

Comecei a conversar com a Tainá antes que a banda entrasse no palco. Aí... acho que tá rolando uma condição até! Quem sabe posso me dar bem hoje? Ela começou a falar de música: "De quem você é fã?", perguntou. Pô, eu me amarro no George..." Ela imediatamente me interrompeu, dizendo alto: "Seu Jorge? Eu também amo o Seu Jorge!" Puxa, que legal! Ela gosta tanto do George Harrison que se refere a ele com uma intimidade única! Chama ele de "Seu"! Seu Jorge! Isso é que é fã! "Legal você já conhecer ele, hein? Eu sabia que ele ia se dar bem na Europa! O Seu Jorge é um gênio!", ela emendou. Pô, eu morava na Inglaterra. Como eu não ia conhecer o George Harrison?

Essa eu não entendi...

Logo ela perguntou quais bandas que eu gostava. "Eu curtia aquela banda da Bahia...".

"Ah, Os Novos Baianos, né?? Adoro também!" "Não, Camisa de Vênus! "Silvia! Piranha!" cantei, rindo. A cara que ela fez foi de quem tinha bebido um balde de suco de limão com sal. Senti que ela não gostou muito da piada. Tentei consertar: "Achava eles engraçados, mas era coisa de moleque mesmo, sabe?" Óbvio que não funcionou... Aí, acho que dei um fora...

Depois, Tainá foi me explicando que o tal Loser Manos é a melhor banda do Brasil, etc., etc., etc., e que eles "promovem um resgate da boa música brasileira". "Tipo Os Raimundos com o forró?", perguntei. "Claro que não!", disse ela meio exaltada! Ela me falou que não se pode comparar os Hermanos com nada porque "eles são únicos", apesar de hoje existirem outros excelentes artistas já reverenciados pela mídia do Rio de Janeiro como Pedro Luis e a Parede, Paulinho Moska, O Rappa, Ed Motta, Orquestra Imperial, Max de Castro, Simoninha e Farofa Carioca. Ela mencionou também "Marginalia" ou coisa parecida. Foi isso mesmo que eu ouvi? Achei que ela estivesse elogiando eles... Esses foram os nomes artísticos mais escrotos que já tinha ouvido, mas fiquei quieto. Fico feliz em saber sobre essa nova onda musical pois quando saí do Brasil o que fazia sucesso no Rio era Neuzinha Brizola e seu hit "Mintchura". Ainda bem que tudo mudou, né?

Só depois percebi que o nome da banda é em espanhol: Los Hermanos. Ah bom! Mas se eles são tão brasileiros assim porque não se chamam "Os Irmãos"? Quando saí daqui os nomes de muitas bandas costumavam ser em inglês e até em latim. Ainda bem que essa moda de nomes de bandas em espanhol não pegou no Brasil!

Pelo que me lembro, ao explicar qual é a dos "Hermanos", ela usou a expressão "do bem" umas 37 vezes e disse que eles falam de romantismo, lirismo, samba e circo. Legal, mas circo? Pô, circo é foda! Uma tradição solidificada nos tempos medievais que ganha dinheiro maltratando animais. Onde está a poesia de ver um urso acorrentado pelo pescoço tentando se equilibrar miseravelmente em cima de uma bola enquanto é puxado por um cara com um chicote na mão? Rá, rá, rá... Engraçado pra caralho! Na boa, circo é meio deprimente. Palhaço de circo só troca tapão na cara e espirra água nos olhos dos outros com flor de lapela e quando sai do picadeiro, vai chorar no camarim. Que merda! A única coisa legal no circo mesmo é quando ele pega fogo! Isso sim que é um espetáculo de verdade! Aquela correria toda, etc. Senti que essa galera se amarra em circo. Não faz sentido se eles são tão politicamente corretos assim, né? E os pobres animais? E eu querendo não passar em branco na conversa com a Tainá, mas não conseguia lembrar de jeito nenhum a única coisa que eu sabia sobre a banda... Cacete...! O que era mesmo?

De repente, uma gritaria histérica! O show tava começando! O ginásio veio a baixo! Perguntei pra ela: "Eles são todo irmãos, né, tipo o Hanson?" Ela disse um "não" esquisito, como se eu tivesse debochando. Todos eles usam uma barba no estilo Velho Testamento e se chamam "Los Hermanos"! O que ela queria que eu pensasse? Após ouvir a primeira música deu pra ver que os caras são profissionais mesmo, tocam muito bem e são completamente idolatrados pelo público, para dizer o mínimo. Fiquei prestando atenção ao show. Pô, as músicas são boas! Dá pra ver uma influência de Weezer, Beatles e Chico Buarque. Esse aí é fodão, excelente compositor mesmo. Lá na Inglaterra conhecia uns caras que eram ligados ao movimento "Dark", como chamam por aqui. São os sujeitos que gostam de The Cure, Bauhaus, Sister of Mercy, etc. E tem a maior galera aqui no Brasil também que se veste de preto, não toma sol, curte um pessimismo niilista e se amarra nessas bandas. Mas se eles sacassem que o Chico Buarque é o genuíno artista "Dark" brasileiro... Pô, é só ouvir as músicas dele pra perceber: "Morreu na contra-mão atrapalhando o tráfego" ou "O tempo passou na janela é só Carolina não viu". "Pai, afasta de mim esse cálice, de vinho tinto de sangue" ou "Taca pedra na Geni, taca bosta na Geni, ela é boa pra apanhar, ela é boa de cuspir, ela dá pra qualquer um, maldita Geni". Tudo alegrão, né? Aí, se eu fosse dark, só ia ouvir Chico Buarque, brother!

Tentei reengatar a conversa dizendo que achava ao baixista o melhor músico dos Los Hermanos. Ela respondeu, meio irritada: "Mas ele não é da banda!" Como eu ia saber? O cara tem barba também! Aí, não tô entendendo mais nada...

Adiante, ela me disse que o cara que ela mais gostava na banda era um tal de Almirante. Depois de alguns minutos deu pra ver que o camarada imita um pouco os trejeitos do Paul McCartney, só que em altíssima rotação. Ele fica se contorcendo feito um maluco enquanto os outros ficam estáticos. É engraçado até! Parece que ele tem uma micose num lugar difícil de coçar! E fica falando e rindo direto. Ele é o irmão gaiato do cara que canta a maioria das músicas, o tal de Marcelo Campelo, como anunciaram no noticiário local hoje. Isso mesmo, Marcelo e Almirante Campelo: "Os Irmãos"! Legal! Já tava me inteirando! Ah, e tem também dois gordinhos de barba que estão lá também, mas devem ser filhos de outro casamento...

Tava um calor desgraçado, coisa que eu realmente não estou mais acostumado. Fui rapidão ao bar pra beber alguma coisa. Comprei umas quatro latas de refrigerante que era o único troço que tava gelado para oferecer para meus novos amigos: "Aí, trouxe umas coca-colas pra vocês!" Ouvi a seguinte resposta: "Coca-Cola? Isso é muito imperialista... Guaraná é que é brasileiro!" Puxa, que pessoal politizado... Isso mesmo, viva o Brasil! "Yankees, go home", rá, rá! Outro fora que eu dei! Mas, pensando bem, eles não usam o Windows e o Word pra fazer trabalhos da universidade? Ou usam o "Janelas"? Dessas coisas gringas não é tão mole de abrir mão, né? Mais fácil não tomar Coca-Cola! Isso sim que é ativismo estudantil consciente! Posicionamentos políticos à parte, tava quente pra burro, então bebi tudo sob o olhar meio atravessado de todos eles... fazer o quê?

Lá pelas tantas, começou uma música e todo mundo berrou e pulou. Parecia o fim do mundo. Logo nos primeiros acordes, reconheci o som e falei pra Tainá: "Ah, eu sei o que é isso! É um cover do Weezer! Me amarro em Weezer!" Ela olhou pra mim com uma cara indignada e disse: "Que Weezer o quê? O nome dessa música é "Cara Estranho". Já vi que não gostou de novo... Mas quem sou eu pra dizer algum coisa aqui, né? Porra, mas que parece, parece! Mas o que era mesmo que eu não consigo lembrar de jeito nenhum sobre eles? Acho que conheço alguma outra música deles... Só não consigo dizer qual...

Sabia que se eu quisesse me dar bem logo com a Tainá teria que ser entre uma música e outra pois parecia que ela estava vendo um disco voador pousar enquanto os caras tocavam. Resolvi fazer uma piada pra descontrair, que sempre rola em shows. Quando o Campelo tava falando alguma coisa qualquer, berrei: "Filha da putaaaaaaaaaa!" Pra que? Tainá e sua milícia hermanista me deram uma cutucada monstra na costela que me fez enxergar em preto e branco uns 5 minutos! Pô, todo show alguém grita isso! É quase uma tradição até! Eu me amarro no cara! E é só uma piada! Aí, esse pessoal leva tudo muito a sério! Caralho... Pensei em pegar uma camisinha da minha carteira e fazer um balão e jogar pra cima, como rola em todo show, pra mostrar pra Tainá que eu sou uma cara consciente, tipo: "Aí, Tainazão, se tu se animar, eu tô preparado!", mas depois dessa vi que senso de humor não é o forte dessa galera...

O tempo tava passando e nada de eu ficar com minha nova amiguinha. Quando fui tentar falar uma coisa no ouvido dela, foi o exato momento em que começou uma outra música. Foi aí que a louca deu um grito e um pulão tão altos que eu levei uma cabeçada violenta bem no meio do meu queixo! Ela não sentiu nada, óbvio, pois estava em transe hipnótico só por causa de uma canção sobre a beleza de ser palhaço ou lirismo do samba ou qualquer outra coisa do gênero. A porrada foi tão forte que eu mordi um pedaço da língua. Minha boca encheu d´água e sangue na hora! Enquanto eu lutava pra não desmaiar, instintivamente enfiei a manga da minha camisa na boca pra estancar o sangue e não cuspir tudo em cima de Ana Claudia e Jandaína or something. Só que estava tão tonto com a cabeçada que tive que me segurar em uma ou outra pessoa pra não cair duro no chão. Foi quando ouvi: "Nossa, que horror! Lança-perfume! Esse playboy tá doidão de lança! Que decadência..." Lança-perfume? Cara, lógico que não! E mesmo que tivesse, todo show tem isso! Mas nesse, não pode. É "do bem". É feio ter alguém cheirando loló!! Pô, todo show que eu fui na vida tinha alguém movido a clorofórmio. Aqui, não. Rapaz, onde fui me meter?

Babei na minha camisa até o ponto dela ficar ensopada! Fui ao banheiro tentar me recuperar do cacete que tomei. Lavei o rosto e tirei a camisa. Quando voltava passei por uma galera e ouvi resmungarem alguma coisa do tipo: "...e esse mala aí sem camisa..." Porque não se pode tirar a camisa num show? Isso aqui não é só uma apresentação de uma banda? Parecia que eu ainda estava na Europa! Regulões do caralho... E, afinal, o que significa "mala"?

Estava enxergando tudo embaçado e notei que minhas lentes de contato tinham saltado pra longe com a cabeça-aríete de Tainá e esmagadas por centenas de sandálias de dedo. Lembrei que sempre levo um par de lentes extras no bolso. É uma parada moderna que eu achei lá em Londres. Um estojo ultrafino com uma película de silicone transparente dentro que mantém as lentes umedecidas e prontas para uso. Abri o estojo e peguei cuidadosamente a película com as duas mãos e elevei-a contra a luz para conseguir achar as lentes. Estiquei os polegares e indicadores, encostando uns nos outros, para abrir a película entre esses dedos. Balançava o negócio levemente, de um lado para o outro, contra a pouca luz que vinha do palco para conseguir localizar as lentes. Não estava enxergando nada direito! Quando tava lá com as mãos pra cima, fazendo uma força absurda pra achar as lentes, um dos caras legais com nomes simples, me deu um puta safanão no ombro. É claro que o silicone voou longe também... Caralho, minhas lentes! Custaram uma fortuna! Que filho da puta! "Que sinal é esse que tu fazendo aí, meu irmão? Tá desrespeitando as meninas?"

"Que sinal?? Que sinal??", respondi, assustado!

"De buceta, palhaço!", apertando o meu braço que nem um aparelho de pressão desregulado. "Você tá no show do Los Hermanos, ouviu? Los Hermanos! Ninguém faz sinal de buceta em um show do Los Hermanos, sacou?", gritou o tal hipponga na minha cara.

Que viado, eu não tava fazendo nada! Parecia uma freira de colégio! Que lance é essa de buceta? Da onde esse prego tirou isso? As meninas... (Perái! Menina? A mais nova aí tem uns 25!) ficaram me olhando com a cara mais escrota do mundo! A essa altura, já tinha percebido que não ia agarrar a Tainá nem que eu fosse o próprio Caetano Veloso! "Bento", que nome mais ridículo... Isso aqui é um show ou uma reunião de alguma seita messiânica escolhida para repovoar a Terra?

Caramba, que noite infernal! Tava com a língua sangrando, sem enxergar direito, só de calça, arrotando sem parar e puto da vida porque só tinha aceitado vir aqui por causa de mulher. Estava no meu limite. Isso era um show ou uma convenção do Santo Daime? Que patrulhamento! E, de repente, vejo Tainá e seus amigos olhando feio pra mim e cantando a seguinte frase: "Quem se atreve a me dizer do que é feito o samba?" Aí foi demais! Eu me atrevo: Ritmo, melodia e harmonia. Pronto, só isso! Mais nada! Olha só: foda-se o samba, foda-se o circo, foda-se a obsessão por barba da família Campelo e, principalmente, foda-se essa galera "do bem" que está aqui!

Apesar de tudo, a banda é realmente é muito boa! O que incomoda mesmo é esse público metido a politicamente correto e patrulhador e a imprensa que força a barra pra vender alguma imagem hipertrofiada do que rola de verdade. Esse climão de festival antigo de música popular brasileira, daqueles com imagens em preto e branco, com todo mundo participando, que volta e meia reprisam na tv, tudo lindo e maravilhoso. "Puxa vida, um novo movimento musical brasileiro!"? "Estamos realmente resgatando a nossa cultura!" ? Que exagero... Ei, é só música pop! MÚSICA POP!

Caralho, finalmente lembrei! Eu conheço uma música deles! Ouvi em Londres! Numa última tentativa de salvar meu filme com Tainá, na hora do bis, berrei bem alto: "TOCA ANA JULIA!" Só acordei no hospital. Tomei tanta porrada que vou ter que fazer uma plástica pra tirar as marcas de pneu da minha cara! Fui pisoteado! Neguinho ficou puto! Qual é o problema com essa música? Me lembro de estar sendo chutado pela elite dos estudantes universitários brasileiros e da própria Tainá, gritando e me dando um monte de bolsadas na cabeça! Que porra louca! Tentaram me linchar! Ofendi todo mundo! Pô, Ana Julia é uma música boa sim! É um pop bem feito! Se não fosse, o "Seu Jorge" Harrison não teria gravado, né? Se ele não entende de música, quem entende? Me disseram depois que o tal Campelo se retirou do palco chorando, magoado, e o outro irmão mais novo dele, o nervosinho que imita o Paul McCartney, pulou do palco pra me bicar também. Do bem? Do bem é o cacete...

Aí, sinceramente, ainda prefiro o show do Camisa de Vênus...
submitted by avehomem to brasil [link] [comments]


2018.09.12 01:47 Caos2 FACADA EM BOLSONARO - DIVULGADO O ESCÂNDALO QUE TODO MUNDO SUSPEITAVA...!!!

FACADA EM BOLSONARO - DIVULGADO O ESCÂNDALO QUE TODO MUNDO SUSPEITAVA...!!!
Talvez, isso explique a razão do jornalista Jorge Kajuru ter declarado a seguinte frase:
"Se as pessoas soubessem o que aconteceu em Juiz de Fora, ficariam enojadas".
Muitos brasileiros ficaram chocados e tristes por terem visto um candidato a presidente da nação ser esfaqueado friamente em meio a uma multidão durante a campanha. Não deveriam.
O que está exposto abaixo é a notícia em primeira mão que está sendo investigada por rádios e jornais de todo o Brasil e alguns estrangeiros, mais especificamente CNN, El País e a rede BBC de Londres e deve sair na mídia em breve, assim que as provas forem colhidas e confirmarem os fatos.
Fato comprovado:
Jair Bolsonaro FORJOU o atentado contra si mesmo para ganhar o coração dos eleitores indecisos.
Os individuos envolvidos foram avisados, às 13:00 do dia 06 de Setembro (um dia antes da independência do Brasil para gerar mais comoção), em uma reunião envolvendo o General Villas Boas (na única vez que o vice presidenciável da legenda compareceu a uma reunião antes da campanha), o próprio Jair Bolsonaro, a Sra. Janaína Paschoal, o Sr. Tércio Arnaud Tomaz, assessor do parlamentar, e o Sr. Gustavo Bebbiano, presidente do partido PSL, médicos e seguranças envolvidos na atuação.
O candidato permaneceu em isolamento, treinando a encenenação em seu quarto ou se concentrando no lobby do hotel.
A princípio muito contrariados, os médicos e seguranças se recusaram a forjar uma cirurgia em troca de cargos no ministério da saúde e da defesa.
A aceitação veio através do pagamento total dos prêmios, RS$300.000,00 para cada um envolvido na atuação , mais um bônus de RS$2.400.000,00 para todos os seguranças, carregadores, médicos , fotógrafos, repórteres e outros integrantes da atuação, num total de RS$ 23.000.000,00 vinte e três milhões de reais) através do caixa 2 do PSL obtido através da empresa JBS.
Além disso, os indivíduos que aceitarem fazer parte do falso atentado com o PSL nos próximos 4 anos terão regalias e receberão prêmios através de cargos e outros mimos com salários com bases no teto do ministro do STF.
Mesmo assim, Bolsonaro se recusou a encenar, o que obrigou as lideranças do partido a atrasar a encenenação, dizendo que Bolsonaro não estava bem(em primeira notícia divulgada às 13:30 no centro de imprensa) e, logo depois, às 14:15, alterando o prognóstico para problemas estomacais).
A sua situação só foi resolvida a colega Janaína Paschoal e o presidente do Partido ameaçarem contar tudo * inclusive o valor destinado aos subornos e a chance de ganhar a eleição no primeiro turno com a comoção nacional.
Assim, combinou-se que o Bolsonaro seria esfaqueado durante o discurso (para gerar o clímax), porém a apatia que se abateu sobre o mesmo e os eleitores emocionados fez com que Adelmo, que absolutamente não participou desta negociação, esfaqueasse, em falha simples da segurança, por dentro do colete de proteção(Por isso não deu tempo de estourar a simulação do sangue)..
A família Ustra, amiga do presidenciável do PSL, em memória do Coronel Brilhante Ustra , aplaudiu a colaboração da equipe da encenação , uma vez que trouxe comoção nacional e equilíbrio a disputa, já que Jair Bolsonaro passou a ser visto como ser humano pela população e uma vez que os pontos nas pesquisas dispararam num momento das mais altas taxas de rejeição jamais registradas naquele país, que seriam agravadas nos debates seguintes pela falta de argumentos e o discurso vazio do candidato.
Garantiu,-se também, ao Sr. Flávio Bolsonaro, através de seu pai** que o mesmo teria seu caminho facilitado para a eleicão de governador do Rio em 2022.
Por gentileza passem esta mensagem para o maior número possível de pessoas, * para que todos possam conhecer a sujeira que ronda as eleições!
Desde, já agradeço, Um abraço. Gunther Schweitzer Diretor de Jornalismo da agência Reuters.
submitted by Caos2 to DiretoDoZapZap [link] [comments]


2018.01.26 16:52 porco-espinho Minha visão totalmente parcial, sobre como melhorar (e MUITO) a sua vida. Vi um post parecido em um finado forum uns sete anos atrás e isso mudou minha vida, agora chegou minha vez de contribuir.

Faz algum tempo que estou querendo escrever isso, não sou muito bom com textos, mas vou tentar dar o meu melhor aqui. Esse texto é o que eu enviaria para mim mesmo dez anos atrás, espero que ajude alguem. Você não precisa seguir tudo, isso não é uma biblia, é o que funcionou pra mim, adapte para o seu cotidiano/vida e tire o melhor.
Isso não é uma lista sobre como ser uma pessoa melhor, ou como mudar o mundo, e sim como ser totalmente egoista e melhorar a sua vida.
Nos meus cinco ultimos anos eu melhorei e muito a minha vida, hoje tenho meu próprio apartamento em uma capital, não preciso me preocupar com dinheiro, meu salário em 2018 é 15 vezes maior do que meu sálario em 2013 e tenho conquistado muito mais do que eu um dia poderia imaginar cinco anos atrás. Isso foi só pra chamar a sua atenção e ver que você tambem pode mudar sua vida.
Desative as notificações do seu celular - Não vou citar links aqui, mas cinco minutos de Google você acha milhares de pesquisas, fortemente fundamentadas, que mostram que milhares de pessoas não conseguem mais sentar e manter o foco por mais de 30 minutos por estarem viciadas em interrupções. Sério, desative as notificações e pare de checar seu celular igual louco, se alguma coisa realmente séria acontecer, você vai receber uma ligação te avisando. Você não precisa estar 24 horas por dia disponivel no WhatsApp ou no Facebook. Essa simples mudança vai te trazer beneficios incriveis, acredite.
“Suspeita é uma armadura pesada e o seu peso dificulta mais do que protege.” — Robert Burns
Se desinforme - Sério, o que mudou na sua vida desde que a Dilma caiu ou o Eduardo Cunha foi preso? Você acha mesmo que todo o tempo/energia que você perdeu lendo matérias e acompanhando esse caso valeu a pena? Ler noticia sobre o que não tem influencia direta na sua vida é entreterimento, é a mesma coisa de assistir uma novela, sempre tem um gancho no final pra tentar te fazer voltar no outro dia e ler mais. Isso tambem vale para outros tipos de entreterimento disfarçado de conhecimento, sério, qual o valor que te agrega saber "Como funcionam os buracos negros" sendo que você trabalha como Nutricionista? É puro entreterimento, trate esse tipo de conteudo como tal, perder horas no youtube em canais de ciências não são horas produtivas é só tempo jogado fora.
“A verdade pode às vezes machucar, mas ilusão causa mais malefícios.” — Vanna Bonta
Ninguem vive de amor e ideais - Sério, não vivemos em uma roda hippie, somos um mundo capitalista e isso NÃO VAI MUDAR, se acostume e aprenda a viver nele. Você precisa de dinheiro e quanto mais melhor, é muito mais fácil você ser feliz gastando seus finais de semanas com viagens incriveis do que discutindo na internet sobre seu politico preferido.
“Resistência é inútil.” — Doctor Who
O sistema pune aqueles que não seguem seus padrões - O sistema É PRECONCEITUOSO, se você é homem, você NÃO VAI ser professor infantil. Você pode passar a sua vida inteira lutando por isso, mas não vai valer a pena, sério, vai ser cinco vezes mais dificil pra você do que para as pessoas que estão competindo com você, escolha outra coisa e segue a sua vida. Você pode até pensar "aah, mas se eu não lutar isso nunca vai mudar", isso é verdade, mas esse post aqui é como melhorar a SUA vida e não o mundo, só aceite que tem coisas fora do seu alcance.
“O mestre compreende que o universo é para sempre fora de controle.” — Lao Tzu
Mantenha suas opiniões para você mesmo - Pessoas levam tudo para o lado pessoal, se você é a favor do aborto ou contra ele, não importa, se alguem te perguntar simplesmente fale "eu ainda não li o suficiente". Você não quer que a pessoa lembre de você como alguem que tem a opinião errada (do ponto de vista dela), então melhor se manter sempre na zona neutra. Evite qualquer tipo de polêmica, como aborto, futebol, religião, politica, liberdade sexual, etc... Já vi pessoas perderem a chance de serem indicadas para vagas incriveis só porque quem poderia indicar não concordava com a posição politica da pessoa em questão, é errado, mas acontece e você não quer ser vitima disso. Publicamente o quão mais perto dessa pessoa você estiver, mais chances você terá: Relacionamento heterossexual estável, visão politica neutra, academia em dia, religião tradicional, financeiramente estável e pontual alem claro das coisas que serão cobertas no tópico a seguir.
“Cedo ou tarde, todos lidam com as consequências.” — Robert Louis Stevenson
Existem padrões de beleza, siga-os - Exatamente a mesma questão dos preconceitos, quanto mais dentro dos padrões você se adequar, mais fácil será sua jornada e não vale a pena lutar contra. Se você é homem, precisa manter sua barba e cabelo sempre bem feitos, se é mulher precisa ter sempre sua maquiagem, unhas e cabelos alinhados. Sempre mantenha o pensamento "eu preciso estar sempre pronto para ir em uma balada cara, ou em um bar de alto nivel". Sempre seja alguem bem arrumado, cheiroso e com a academia em dia. Aquele cabelo colorido ou penteado "da moda", só vai fazer a sua jornada ficar mais dificil, não vale a pena. Aqui tambem entram tatuagens, sério, o preconceito existe, e o simples fato de você ter uma, já reduz estatisticamente suas chances de crescer na vida, evite, não vale a pena.
“Em geral, o orgulho está no fundo de todos os grandes erros.” — Steven H. Coogler
Não confunda hobbie com profissão - Só porque você gosta de tocar violão, não significa que você vai conseguir ganhar dinheiro com isso.
“A única coisa que constitui o fundamento de uma mudança positiva é o serviço a outro ser humano.” — Lee Lacocca
Escolha sua profissão de maneira analitica - Você deve escolher sua carreira de acordo com o que você tem disponivel. Querer ser um Fisico Nucear e morar no interior do Amapá não vai te facilitar em nada e dificilmente valerá a pena. Pesquise, pesquise e pesquise, veja quais vagas as empresas da sua região estão contratando. PERGUNTE as pessoas que já trabalham, sabe aquele seu tio que trabalha numa multinacional e faz rios de dinheiro? Pergunte pra ele quais são as vagas mais dificeis da empresa preencher. Faça uma lista com os maiores salários das vagas que você encontrar, veja quantas vagas estão disponiveis e veja a rotatividade com que essas vagas aparecem. Quanto mais tempo, você demorar escolhendo e analisando, maior a sua chance de sucesso. Você vai perceber que tem monte de empresa pagando R$3500,00 mensal em vaga que só precisa de um curso técnico (normalmente bem especifico) que você faz em seis meses ou menos.
“Se você não fizer as perguntas certas, você não irá obter as respostas corretas.” — Edward Hodnett
Faça o que ama e nunca trabalhará um dia é a maior mentira que já te contaram - Mesmo se você for jogador profissional de video-game, jogar o mesmo jogo todo dia das 08h até as 18h durante dois anos, vai deixar aquilo chato, entediante e previsivel, vão ter dias, semanas e meses péssimos, não importa a sua profissão. Já que vão ter dias péssimos é melhor você garantir que o seu sálario faça-os valer a pena. Melhor ter um mês péssimo e ir pra Londres tirar férias, do que ter um mês péssimo e passar o final de semana assistindo Netflix e contando as moedas pra pedir pizza.
“A verdade o libertará, mas primeiro ela vai lhe fazer infeliz.” — James A. Garfield
Começe a trabalhar o mais cedo possivel - Quando você está dentro de um mercado de trabalho, você vai começar a perceber quais são as vagas mais privilegiadas, quais tem mais mercado, quais tem um futuro mais promissor e vai ter uma noção ainda melhor de como você deve se especializar. Eu diria que o ideal é você sair do ensino médio e começar a trabalhar durante o dia e estudar de noite e quando eu falo em emprego é algum trabalho que realmente vá te ajudar a crescer, nada de caixa do McDonalds, é melhor fazer estágio de graça dentro de uma empresa grande do que ter um sub-emprego ganhando mil reais.
“O descontentamento é a primeira necessidade do progresso.” — Thomas Edison
É muito bom ser foda - Sério, você não tinha orgulho quando só você tirava 10 naquela prova que todo mundo foi mal? Então, é essa a sensação que você tem que perseguir pelo resto da sua vida.
“Confie apenas em si mesmo, e outro não deverá traí-lo.” — Thomas Fuller
Seja o melhor - Essa parece óbvia, mas tem muita gente que não leva isso à sério. Porque o projeto mais dificil fica com a pessoa X e não com você? O que ela tem de melhor? Descubra e COPIE, você vai ter que ficar melhor que aquela pessoa. Sempre mantenha em mente o seguinte: "Se a empresa cortar metade da minha equipe, eu tenho que garantir que sou bom o suficiente para não ser nem considerado nesse corte".
“Não pode haver progresso sem confronto direto.” — Christopher Hitchens
Não existe "dom" - Pra você ser bom em uma coisa é só uma questão de investimento de horas. SÉRIO! Se passar três meses, desenhando por 14 horas por dia, você vai ter investido 1260 horas (33014) em desenho, e você vai ficar FODA em desenho, sério, você vai passar do nivel "boneco de palitinho" para o nivel "Monalisa". Vai ser fácil? Não, nunca disse que era um caminho fácil, mas só depende de você.
“Ficar parado é a morte. Se não mudar, você morre. Simples assim, assustador assim” — Leonard Sweet
Fuja de vagas de gerencia de pessoas enquanto você é novo - Essa aqui foi uma dica que eu recebi e nunca esqueci. O exemplo é o seguinte: Você é designer na empresa X, numa equipe com outros N designers e todos vocês tem um Diretor de Arte, se esse diretor sair da empresa é MUITO MAIS PROVAVEL, que a vaga dela vai ser assumida por algum outro designer que já estava no time à bastante tempo e conhece toda a dinâmica da empresa. O que isso significa? Se você trabalhar numa empresa como Diretor de Arte por 3 anos e quiser mudar de empresa, vai ser MUITO mais dificil, de você encontrar outra vaga no mesmo como Diretor de Arte do que encontrar outra vaga como designer. Sério, só vá para vagas de gerenciamento quando tiver certeza que você quer ter muita estabilidade e não vai querer mudar de emprego em curto/médio prazo. Ficar preso numa empresa que você odeia porque não consegue achar outro emprego que tê pague tão bem quanto o seu atual é uma merda, você não vai querer isso.
“A verdade foge a todos os padrões.” — Bruce Lee
A ideia do post não é ser ofensivo, só estou sendo direto sobre coisas que acontecem no dia-a-dia, o mundo não é perfeito e não é um morango encantado, mas com esses truques simples sua vida vai ser MUUUITO mais fácil.
Mais uma vez, a ideia do post é melhorar a SUA vida e não o mundo, então eu entendo que muitas pessoas vão discordar de alguns pontos, já que são feitos de uma visão bem "egoista", mas isso vai de cada um sobre como aplicar isso e até onde vale a pena.
Peço desculpas antecipadas por erros de portugues, acentuação, e sobre a estrutura do texto em geral, sei que tem muita coisa errada ai.
submitted by porco-espinho to brasil [link] [comments]


2017.12.04 23:44 fidjudisomada [Pre-Match Thread] UEFA Champions League 2017/18, 6.ª Jornada: SL Benfica vs. FC Basel 1893

Sport Lisboa e Benfica vs. Fussball Club Basel 1893

UEFA Champions League 2017/18, 6.ª Jornada

Transmissão

Antevisão

Um golo tardio na quinta jornada do Grupo A valeu uma vitória histórica que manteve o FC Basel 1893 na luta pelo apuramento para a fase a eliminar da UEFA Champions League, cuja conclusão acontece com a visita ao terreno do SL Benfica, ainda não sem qualquer ponto somado.
  • Michael Lang marcou, aos 89 minutos, o golo que deu a vitória do campeão suíço sobre o líder Manchester United FC na jornada anterior e deixou o Basileia com nove pontos, os mesmos do que PFC CSKA Moskva, e a três do United.
  • Isso significa que o Basileia apura-se se fizer melhor resultado do que o CSKA na visita ao United, ou se ambos empatarem, já que tem vantagem no confronto directo. Se CSKA e Basileia vencerem, os dois primeiros classificados serão decididos num confronto directo a três e nesse caso o Basileia segue em frente a menos que o CSKA ganhe por uma diferença entre três a seis golos inclusive.
  • O Benfica, que sofreu a sua maior derrota na UEFA Champions League ao perder por 5-0 em Basileia, na segunda ronda – e igualmente a maior vitória do conjunto suíço na competição –, vai terminar no quarto lugar.

Confrontos anteriores

  • As duas formações também ficaram colocadas no mesmo grupo na edição de 2011/12 e o Benfica levou vantagem ao somar quatro pontos nos dois jogos.
  • Golos de Bruno César (20) e Óscar Cardozo (75) em cada parte permitiram ao Benfica somar três pontos em Basileia na terceira jornada, apesar de Emerson ter sido expulso aos 86 minutos com o segundo cartão amarelo.
  • Duas semanas depois, o jogo em Lisboa terminou empatado 1-1. Rodrigo colocou o Benfica em vantagem aos quatro minutos, mas Benjamin Huggel (64) deu um ponto ao Basileia.
  • As equipas no Estádio do Sport Lisboa e Benfica, a 2 de Novembro de 2011, foram as seguintes: Benfica: Artur, Luisão, Bruno César, Garay, Maxi Pereira, Luís Martins (Miguel Vítor 64), Witsel, Matić, Aimar (Cardozo 73), Gaitán (Nolito 82), Rodrigo. Basileia: Sommer, Park, Dragović, Abraham, Steinhöfer, G Xhaka (Cabral 81), Huggel, Chipperfield (Kusunga 89), F Frei, Zoua (Pak 90+3), Shaqiri.
  • O Benfica ganhou o grupo e só foi eliminado nos quartos-de-final pelo Chelsea FC, mais tarde vencedor do troféu. O Basileia terminou no segundo lugar do Grupo C e foi afastado pelo FC Bayern München nos oitavos-de-final.

Retrospectiva do jogo

Benfica
  • A equipa lusa estava invicta frente a adversários suíços antes da goleada em Basileia. O seu registo era de V3 E3 D0 (V2 E1 D0 em casa).
  • O empate de 2011 com o Basileia foi a única vez que o Benfica não ganhou na recepção a adversários helvéticos. Bateu o FC La Chaux-de-Fonds por 5-0 na primeira eliminatória da Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1964/65 (resultado total de 6-1), e o FC Zürich por 4-0 na segunda eliminatória da Taça UEFA de 1982/83 (resultado total de 5-1).
  • O Benfica, que fez a "dobradinha" em Portugal em 2016/17, participa na fase de grupos da UEFA Champions League pela 13ª vez, a oitava seguida. Terminou a fase de grupos 2014/15 no último lugar, mas chegou até aos quartos-de-final em 2015/16 e voltou a ultrapassar a fase de grupos na época passada, mas não evitou o triunfo do Borussia Dortmund, por um total de 4-1, nos oitavos-de-final.
  • O Benfica ganhou apenas um dos últimos nove jogos europeus, em casa ou fora – o triunfo por 1-0 sobre o Dortmund na primeira mão dos oitavos-de-final da época passada – e perdeu os últimos seis.
  • Antes desta temporada, 19 clubes tinham perdido os seis jogos na fase de grupos da UEFA Champions League. Em caso de derrota com o Basileia, o Benfica torna-se no primeiro emblema de Portugal a alcançar esse feito indesejado.
Basileia
  • A vitória sobre o Benfica interrompeu uma série de nove jogos europeus sem ganhar, em casa e fora (E3 D6), desde o sucesso caseiro, por 2-1, frente ao AS Saint-Étienne, a 25 de Fevereiro de 2016.
  • A última visita do Basileia a Portugal resultou na sua primeira vitória em solo luso, quando ganhou por 2-0 ao Os Belenenses, em Lisboa, na fase de grupos da UEFA Europa League 2015/16. O seu registo anterior era E3 D3.
  • O clube suíço perdeu por 3-0 na jornada inaugural, em casa do Manchester United FC, mas depois venceu por 2-0 o CSKA Moscovo na terceira jornada.
  • A vitória sobre o CSKA colocou ponto final numa série de seis jogos fora sem vencer nas competições europeias (E1 D5). Antes disso, o Basileia tinha ganho quatro dos anteriores cinco.
  • O conjunto de Raphaël Wicky qualificou-se ao conquistar o oitavo título consecutivo de campeão da Suíça em 2016/17.
  • Esta é a oitava campanha do clube na fase de grupos, a quarta nos últimos cinco anos. Na época passada, o Basileia não escapou ao quarto lugar no Grupo A com apenas dois pontos em seis jogos. A última presença nos oitavos-de-final aconteceu em 2014/15.

Ligações entre treinadores e jogadores

  • Ricky van Wolfswinkel jogou pelo Sporting CP entre 2011 e 2013. Assinou o golo do triunfo por 1-0 sobre o Benfica no campeonato a 9 de Abril de 2012, num encontro em que Luisão foi expulso perto do fim. O ponta-de-lança holandês também marcou pelo Sporting na derrota em casa, por 3-1, a 10 de Dezembro desse ano. O seu registo pelo Sporting frente ao Benfica foi de V1 E0 D3.
  • Van Wolfswinkel também marcou dois golos em quatro jogos frente ao Vitória SC, na altura dirigido por Rui Vitória, actual treinador do Benfica (V2 E2).
  • Haris Seferović fez um golo e uma assistência na vitória do Eintracht Frankfurt, por 4-1, sobre o VfB Stuttgart na Bundesliga a 29 de Agosto de 2015; Geoffroy Serey Dié faz o passe para o golo do Estugarda.
  • Marek Suchý alinhou no triunfo do FC Spartak Moskva em casa por 2-1 e na derrota por 0-2 no reduto do Benfica na fase de grupos da UEFA Champions League de 2012/13.
  • Jonas ajudou a equipa do Valencia CF a anular a derrota por 0-3 em Basileia com um triunfo por 5-0 em Espanha, após prolongamento, nos quartos-de-final da UEFA Europa League de 2013/14.
  • Andreas Samaris marcou no triunfo da Grécia, por 2-1, sobre a Costa do Marfim, de Dié, na fase de grupos do Campeonato do Mundo da FIFA de 2014.
  • Jogaram juntos: Haris Seferović e Manuel Akanji, Michael Lang, Luca Zuffi e Renato Steffen (Suíça); Haris Seferović e Davide Callá (Grasshopper Club Zürich, 2009/10); Rúben Dias, João Carvalho, Diogo Gonçalves e Pedro Pacheco (Sub-19 de Portugal)

Factos do jogo

Benfica
  • Eduardo Salvio está em risco de exclusão.
  • O Benfica tenta evitar o pior registo de uma equipa portuguesa numa fase de grupos da competição; os dois pontos somados pelo Sporting CP em 2000/01 é, até agora, o mais baixo de sempre.
  • O Benfica conseguiu um empate sem golos no terreno do líder FC Porto na sexta-feira, seguindo no terceiro lugar da Liga portuguesa, a três pontos do topo.
  • O Benfica tinha, antes, atingido a sua maior série vitoriosa na Liga portuguesa esta temporada ao somar frente ao Vitória FC, por 6-0, o quarto triunfo seguido, a 26 de Novembro.
  • Jonas apontou o seu 100º golo pelo Benfica em todas as competições ao bisar nesse encontro.
  • Jonas marcou em dez jogos consecutivos na Liga portuguesa, quebrando o recorde fixado por Eusébio há 52 anos, antes de ficar "em branco" no nulo com o Porto.
  • Jonas lidera a lista de melhores marcadores da Liga portuguesa, com 15 golos em 13 jogos na presente época.
  • Felipe Augusto falhou os embates do Benfica com Setúbal e Porto devido a uma lesão num pé.
  • Rúben Dias foi submetido a uma operação para tratar uma apendicite aguda e não joga desde a mais recente paragem internacional para os jogos de selecções.
Basileia
  • Taulant Xhaka regressa após cumprir um jogo de suspensão; Éder Balanta está em risco de exclusão.
  • O Basileia apurou-se para as meias-finais da Taça da Suíça ao vencer o FC Luzern, por 2-1, a 29 de Novembro.
  • O defesa Michael Lang apontou sete golos nos últimos cinco jogos do Basileia e todos terminaram com vitórias.
  • O Basileia não perde há sete jogos fora; venceu cinco desses encontros e sofreu apenas três golos.
  • Geoffroy Serey Dié e Kevin Bua têm estado ausentes devido a lesões musculares.
  • Ricky van Wolfswinkel não joga desde o encontro da segunda jornada com o SL Benfica devido a uma lesão num metatarso.
  • O guarda-redes Germano Vailati está há muito afastado dos relvados devido a uma lesão num ombro.
  • O Basileia anunciou a 21 de Novembro que Omar Gaber, actualmente doente, vai ser emprestado ao Los Angeles FC em 2018.

UEFA Champions League: Sabia que?

  • Em 2012/13 o Chelsea tornou-se no primeiro campeão europeu a não ir além da fase de grupos desde o início da UEFA Champions League. (Este registo, assim como outros, inclui as temporadas entre 1999/00 e 2002/03 em que houve duas fases de grupos). Em 1992/93, o Barcelona era detentor da Taça dos Clubes Campeões Europeus e perdeu por 4-3 no conjunto das duas mãos da segunda eliminatória ante o CSKA.
  • Em 2016/17, o Real Madrid tornou-se na primeira equipa a defender com êxito o troféu da UEFA Champions League; o Milan (1989, 1990) tinha sido o último clube a conseguir sagrar-se campeão europeu de clubes em duas épocas consecutivas. Milan (1994, 1995), Ajax (1995, 1996), Juventus (1996, 1997) e Manchester United (2008, 2009) voltaram à final como detentores do troféu, mas perderam os respectivos jogos.
  • O guarda-redes Marco Ballotta, da Lázio, tornou-se no jogador mais velho a participar na UEFA Champions League, ao alinhar na deslocação ao terreno do Real Madrid na 6ª jornada da fase de grupos de 2007/08, com 43 anos de idade e 252 dias. Alessandro Costacurta, do Milan, detém o recorde quanto a jogadores de campo, pois tinha 40 anos e 211 dias quando defrontou o AEK 2006/07.
  • Francesco Totti é o mais velho a ter marcado na prova, aos 38 anos e 59 dias, no empate 1-1 da Roma no terreno do CSKA, a 25 de Novembro de 2014. Ryan Giggs (37 anos e 289 dias) era o anterior detentor da marca.
  • Celestine Babayaro é o mais jovem a ter actuado; tinha 16 anos e 87 dias quando foi titular pelo Anderlecht frente ao Steaua (23/111994). Foi expulso aos 37 minutos.
  • Com 17 anos e 195 dias, Peter Ofori-Quaye é o mais jovem de sempre a ter marcado na UEFA Champions League e fê-lo na vitória do Olympiacos ante o Rosenborg por 5-1 (01/10/1997).
  • Lionel Messi tornou-se no primeiro jogador a marcar cinco golos num jogo no triunfo de 7-1 do Barcelona sobre o Leverkusen, a 7 de Março de 2012, feito igualado por Luiz Adriano, do Shakhtar, que goleou o BATE a 21 de Outubro de 2014, por 7-0. 11 jogadores, incluindo Messi, marcaram quatro tentos num só jogo, mais recentemente Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, na 36ª jornada em 2015/16.
  • Cristiano Ronaldo estabeleceu novo recorde na fase de grupos da UEFA Champions League ao marcar 11 golos em 2015/16 - batendo o seu próprio recorde de nove tentos - registo igualado por Luiz Adriano em 2014/15. Zlatan Ibrahimović (2013/14), Ruud van Nistelrooy (2004/05), Filippo Inzaghi e Hernán Crespo (ambos em 2002/03) conseguiram oito remates certeiros.
  • O "hat-trick" de Messi na terceira jornada da fase de grupos de 2016/17 foi o seu sétimo na competição – mais dois do que Ronaldo.
  • O Barcelona terminou como vencedor do respectivo grupo em 18 ocasiões, mais três do que o Real Madrid e quatro relativamente a Manchester United e FC Bayern München.
  • Bayern (entre 2 de Abril de 2013 e 27 de Novembro de 2013) e Real Madrid (entre 23 de Abril de 2014 e 18 de Fevereiro de 2015) detêm o recorde de vitórias seguidas na UEFA Champions League, com dez. O Bayern ultrapassou a anterior marca de nove, estabelecida pelo Barcelona entre 18 de Setembro de 2002 e 18 de Fevereiro de 2003. O Anderlecht soma 12 derrotas consecutivas (entre 10 de Dezembro de 2003 e 23 de Novembro de 2005) e é também recorde da competição.
  • Seis equipas conseguiram seis vitórias seguidas na fase de grupos: Milan (1992/93), Paris Saint-Germain (1994/95), FC Spartak Moskva (1995/96), Barcelona (2002/03, primeira fase de grupos) e Real Madrid (2011/12 e 2014/15).
  • Dezassete equipas não somaram pontos na fase de grupos, mais recentemente o Maccabi Tel-Aviv FC, em 2015/16.
  • O Real Madrid marcou 20 golos na fase de grupos de 2013/14 e igualou o recorde da competição, fixado por Manchester United (1998/99) e Barcelona (2011/12). A equipa da Catalunha marcou 19 tentos na primeira fase de grupos de 1999/2000, número alcançado pelo Real Madrid em 2011/12 e pelo Bayern em 2015/16.
  • Apenas Deportivo (2004/05) e Maccabi Haifa FC (2009/10) não marcaram na fase de grupos.
  • O BATE sofreu 24 golos em 2014/15, novo recorde, que foi igualado pelo Legia Warszawa na quinta jornada em 2016/17. O anterior máximo, 22, pertencia a Dínamo Zagreb (2011/12) e Nordsjælland (2012/13). O Malmö FF sofreu 21 em 2015/16.
  • Nenhuma equipa terminou a fase de grupos da UEFA Champions League sem sofrer golos. Milan (1992/93), Ajax (1995/96), Juventus (1996/97 e 2004/05), Chelsea (2005/06), Liverpool (2005/06), Villarreal (2005/06), Manchester United (2010/11), Mónaco (2014/15) e Paris Saint-Germain (2015/16) sofreram apenas um tento.
  • Antes da vitória por 3-1 sobre o Sporting, na sexta jornada de 2006/07, o Spartak esteve 22 jogos sem vencer, uma marca que o Steaua igualou na sexta jornada de 2013/14.
  • O RSC Anderlecht detém o recorde de mais derrotas consecutivas na prova, desde a fase de grupos até à final, tendo perdido 12 jogos seguidos de Dezembro de 2003 a Novembro de 2005. O GNK Dinamo Zagreb vem logo a seguir com 11 derrotas consecutivas, de Setembro de 2011 a Dezembro de 2012; o desaire da equipa croata na quinta jornada de 2016/17 foi o seu décimo seguido.
  • Seis foi o menor número de pontos com que uma equipa ultrapassou a fase de grupos: o Zenit, em 2013/14 e a AS Roma em 2015/16. Desde que cada vitória passou a valer três pontos, em 1995/96, oito equipas seguiram em frente com sete pontos: Legia (1995/96), Dínamo Kiev (1999/2000), Liverpool (2001/02), Lokomotiv e Juventus, mais tarde finalista (2002/03), Rangers e Bremen (2005/06) e Basileia 1893 (2014/15).
  • O Nápoles não se conseguiu apurar com 12 pontos em 2013/14, o total mais elevado de uma equipa a não ultrapassar a fase de grupos. Dínamo Kiev (1999/2000), Dortmund (2002/03 – ambos na segunda fase de grupos), PSV (2003/04), Olympiacos e Dínamo Kiev (ambos em 2004/05), Bremen (2006/07), Manchester City (2011/12), Chelsea e Cluj (ambos em 2012/13), além de Benfica (2013/14) e FC Porto (2015/16) falharam o acesso aos oitavosde-final com dez pontos.
  • Apenas duas equipas conquistaram a UEFA Champions League no seu país: Dortmund (1997, final em Munique) e Juventus (1996, final em Roma); o Manchester United FC perdeu a final de 2011 em Londres e, 12 meses volvidos, o FC Bayern München também saiu derrotado no seu estádio, a Fußball Arena München.

RUI VITÓRIA: "PREMIAR O TRABALHO DE QUEM NÃO TEM TIDO OPORTUNIDADES"

Rui Vitória lançou o desafio com o Basileia da 6.ª jornada da Liga dos Campeões agendado para as 19h45 de terça-feira no Estádio da Luz. Na conferência de Imprensa admitiu mudanças na equipa inicial em comparação com a que arrancou o clássico.
"É, naturalmente, um jogo de Liga dos Campeões, não há jogos fáceis, mas é diferente do que queríamos. Queríamos disputar o apuramento. Vamos aproveitar para outros objetivos: ganhar o jogo, possibilitar que alguns jogadores que não jogaram neste fim de semana possam jogar e apresentar qualidade de jogo. Queremos dar continuidade ao que temos vindo a fazer. Mesmo mudando peças, as ideias vão lá estar. Temos um plantel vasto, não apenas 11 jogadores com qualidade. Será uma forma de premiar o trabalho de alguns jogadores que não têm tido oportunidades. Neste jogo vão tê-la", assumiu.
O treinador do Basileia, Raphaël Wicky, deu algum favoritismo ao Benfica para o desafio, mas o técnico das águias refutou-o.
"Sou muito pragmático. O favoritismo não me convence. Isso tem de ser provado dentro de campo. O Basileia está a discutir o apuramento e nós não. Mas sei que valemos mais do que demonstrámos até agora. Espero uma equipa que sabe o que tem a fazer nos momentos do jogo. Não tem o problema de defender com 10 homens atrás da linha da bola. Percebe as suas virtudes e limitações. Não estou à espera que estejam preocupados em mostrar qualidade de jogo, mas sim uma equipa à espera do nosso erro, uma equipa matreira", analisou.
Sobre uma eventual contestação ao seu trabalho pelo desempenho menos bom na Champions, Rui Vitória mostrou-se tranquilo: "Não é algo que me preocupe. Tentamos fazer o melhor possível. Não correu bem esta prestação na Champions e já enumerei alguns erros. Só passa esta fase quem cá está. Umas vezes conseguimos, noutras não. Vamos olhar para a frente, para o próximo jogo e para as restantes provas. Há muita competições para ganhar."
Enumerando outras prioridades face ao cenário do Benfica nesta edição da Liga dos Campeões, Rui Vitória viu-se obrigado a esclarecer a ideia de que os pontos não são importantes.
"Não disse que a questão pontual não era importante. O que disse é: não havendo a questão pontual como determinante para o apuramento, há outras prioridades. Os jogadores que vão entrar são de nível elevado. Vamos à procura da vitória. Vamos tentar dar ritmo competitivo a alguns jogadores. Cimentar as nossas ideias e deixar os jogadores aptos para os próximos jogos", esclareceu.
Mesmo sem possibilidade de apuramento há outros aspetos a ter em conta e que servirão de motivação a quem entrar de início. "Faço uma separação clara entre o jogo e questão pontual. Gostaríamos de discutir o apuramento, mas não é possível. Há público nas bancadas, há jogadores que querem mostrar valor. Há motivações. Queremos voltar a estar na Champions e para isso temos de trabalhar bem no campeonato, mas também nas restantes provas: Taça de Portugal e Taça da Liga", sublinhou.
Instado a revelar se Raúl Jiménez será opção a titular, o treinador Rui Vitória admitiu apenas que estaria na convocatória.
"O Raúl Jiménez vai estar convocado. Não vou dizer se vai a jogo, porque nunca digo", disse e acrescentou: "Como se motiva a equipa? Temos alguns objetivos a alcançar neste jogo. Mostrar que o que aconteceu na Champions é fruto de circunstâncias. Vamo-nos agarrar a estes objetivos, porque são motivantes e há outros aspetos importantes."
Rafa também veio à baila e a situação do camisola 27 foi explicada.
"Temos um lote de jogadores muito equilibrado, nomeadamente na zona das alas e do ataque onde joga o Rafa. A minha preocupação, apesar de ser um treinador que olho para esses aspetos que envolvem o jogador, é ser justo na decisão. Quem vai para dentro de campo é quem me dá as melhores garantias. Se não entrou foi porque considerei que não estavam reunidas as condições. Não tem nada a ver com o valor do Rafa. Nas faixas laterais temos muitas opções válidas e com muita qualidade. Ainda não cimentou a sua posição? É trabalhar e esperar que a oportunidade chegue", observou.

Lista de Convocados

  • Guarda-redes: Svilar e Bruno Varela;
  • Defesas: Lisandro, Luisão, Douglas, Eliseu, Jardel e André Almeida;
  • Médios: Fejsa, Samaris, Zivkovic, Salvio, Pizzi, Rafa, Diogo Gonçalves e João Carvalho;
  • Avançados: Raúl, Jonas, Gabriel Barbosa e Seferovic.

Boletim Clínico

  • Brevemente

XI Provável

Jonas
Živković João Carvalho Rafa
Fejsa Pizzi
Eliseu Jardel Luisão(C) André Almeida
Varela

Talking Points

  • Que jogador terá que fazer acontecer, superar-se a si próprio e embalar a equipa para a vitória?
  • Que jogador ou aspeto do jogo do adversário constitui-se como a maior ameaça para o SL Benfica?
  • Qual é o seu onze inicial, estrutura e dinâmicas preferidos para este jogo?
  • Qual é a sua previsão sobre o resultado final e os marcadores?
Nota: Este texto foi elaborado recorrendo a informações recolhidas no sítio web do SL Benfica e no ZeroZero.
submitted by fidjudisomada to benfica [link] [comments]


2017.10.30 17:52 fidjudisomada [Pre-Match Thread] UEFA Champions League 2017/18, 4.ª Jornada: Manchester United FC vs. SL Benfica

Manchester United Football Club vs. Sport Lisboa e Benfica

UEFA Champions League 2017/18, 4.ª Jornada

Transmissão

Antevisão

Histórico

Retrospectiva

Na terceira jornada, frente ao SL Benfica, o Manchester United FC alcançou a terceira vitória no Grupo A e pode garantir um lugar nos oitavos-de-final quando reencontrar a equipa de Lisboa, em Old Trafford.
  • Marcus Rashford marcou o tento solitário em Lisboa e deu ao United de José Mourinho uma vantagem de nove pontos sobre o adversário, ao mesmo tempo que lidera com três pontos a mais do que o segundo classificado.
  • O United qualifica-se se vencer e o PFC CSKA Moskva não conseguir derrotar o FC Basel 1893 no outro jogo do grupo, ou se empatar e o CSKA perder.
  • Último classificado, o Benfica contabiliza três derrotas e não conseguirá terminar num dos dois primeiros lugares se perder e o Basileia evitar a derrota, ou então se empatar e o Basileia vencer.

Confrontos anteriores

  • O United levou a melhor em sete dos dez embates já disputados entre os dois clubes nas provas europeias, a começar nos quartos-de-final da Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1965/66 e sem esquecer o triunfo na final de 1967/68, em Wembley, onde os "red devils" conquistaram o seu primeiro título europeu.
  • O único triunfo do Benfica ante o United, por 2-1, aconteceu já com Luisão na equipa, em Lisboa, em Dezembro de 2005, resultado que ditou a primeira eliminação em fases de grupos desde 1994 da equipa então orientada por Alex Ferguson.
  • O United desforrou-se dessa derrota quando Louis Saha apontou o golo que valeu a vitória por 1-0 em Lisboa em Setembro de 2006. A turma de Manchester recuperou depois de uma desvantagem no marcador para bater o Benfica, por 3-1, no jogo da segunda volta, em Old Trafford, resultado que ditou o afastamento precoce das "águias" dessa edição da prova.
  • As duas equipas voltaram a encontrar-se na fase de grupos de 2011/12, tendo empatado então 1-1 em Lisboa; Ryan Giggs (aos 42 minutos) restabeleceu a igualdade depois de Óscar Cardozo ter aberto o marcador, aos 24 minutos, para o Benfica.
  • Ficou também tudo empatado quando as equipas se defrontaram na segunda volta, no mais recente embate entre ambas, em Manchester. Um golo de Phil Jones na própria baliza e um tento de Pablo Aimar valeram ao Benfica um precioso empate 2-2 na quinta jornada, em Old Trafford, a 22 de Novembro de 2011. Os golos do United nessa partida foram assinados por Dimitar Berbatov e Darren Fletcher.
  • As equipas em Old Trafford, a 22 de Novembro de 2011, foram as seguintes: United: De Gea, Fábio (Smalling 82), Jones, Ferdinand, Evra, Valencia (Hernández 80), Carrick, Fletcher, Young, Nani, Berbatov. Benfica: Artur, Emerson, Luisão (Miguel Vítor 58), Garay, Maxi Pereira, Witsel, Javi García, Bruno César, Aimar (Rúben Amorim 83), Gaitán (Matić 68), Rodrigo.
  • O Benfica, então treinado por Jorge Jesus, terminou no primeiro lugar desse Grupo C em 2011/12; o United acabou em terceiro, atrás do FC Basel 1893 que, curiosamente, também integra o mesmo grupo de "águias" e "red devils" esta temporada.

Retrospectiva

Manchester United
  • O United não perde há 12 jogos em casa frente a equipas portuguesas (V9 E3). O encontro mais recente foi um triunfo por 3-2 sobre o SC Braga na fase de grupos de 2012/13.
  • O United venceu por 4-1 em casa do CSKA Moscovo na segunda jornada, depois de ter batido o Basileia, por 3-0, em Old Trafford, na jornada inaugural do Grupo A.
  • Os "red devils" estão invictos à 19 jogos europeus consecutivos em casa (V15 E4), série que remonta à derrota por 2-1 frente ao Real Madrid CF, na segunda mão dos oitavos-de-final da UEFA Champions League 2012/13. O empate 1-1 com o RC Celta de Vigo, na segunda mão das meias-finais da UEFA Europa League da época passada (resultado total de 2-1), interrompeu a série vitoriosa de seis jogos em casa.
  • Este será o quinto jogo do United nas provas europeias desta temporada, depois de ter começado com uma derrota, por 2-1, frente ao Real Madrid CF, na SuperTaça Europeia da UEFA, em Skopje, a 8 de Agosto. Esse resultado colocou ponto final a uma série de 11 partidas seguidas do United sem perder na Europa (8V 3E) que datava desde o desaire no terreno do Fenerbahçe SK, por 2-1, na quarta jornada da fase de grupos da UEFA Europa League da temporada passada. Essa derrota em Istambul foi a quinta em nove jogos europeus.
  • O desaire ante o Real Madrid constitui o único do United nos últimos 15 jogos nas provas europeias, em casa ou fora (11V 3E).
  • Esta é a 21ª campanha do United na fase de grupos da UEFA Champions League e em apenas quatro ocasiões falhou a passagem à fase seguinte da competição. Duas das vezes em que se viu afastado, contudo, ocorreram nas últimas quatro participações e em duas dessas quatro vezes em que ficou pelo caminho tinha o Benfica no seu grupo.
  • O United completou o rol de troféus europeus na temporada passada com a conquista da UEFA Europa League. O triunfo sobre o AFC Ajax, na final de Estocolmo, permitiu-lhe juntar esse troféu às Taças dos Campeões Europeus conquistadas em 1968, 1999 e 2008 e à Taça dos Vencedores das Taças erguida em 1991.
Benfica
  • As "águias" sofreram a sua maior derrota de sempre na UEFA Champions League ao perderem no terreno do Basileia, por 5-0, na segunda jornada.
  • O Benfica disputou 35 jogos contra clubes ingleses nas competições da UEFA; o seu registo é de 11V 6E 18D (4V 2E 10D em Inglaterra). Para além de ter perdido a final da Taça dos Campeões de 1967/68 para o United, perdeu também a final da UEFA Europa League 2012/13 para outra equipa inglesa, o Chelsea FC (derrota por 1-2 em Amesterdão).
  • A última deslocação das "águias" a Inglaterra terminou com uma vitória por 3-1 sobre o Tottenham Hotspur FC, na primeira mão dos oitavos-de-final da UEFA Europa League 2013/14, tendo-se apurado com um resultado total de 5-3.
  • Vencedor da "dobradinha" em Portugal em 2016/17, o Benfica está na fase de grupos da UEFA Champions League pela 13ª vez na sua história – a oitava consecutiva.
  • O conjunto de Lisboa atingiu os quartos-de-final em 2015/16 e voltou a ultrapassar a fase de grupos na temporada passada, mas ficou-se pelos oitavos-de-final, derrotada por 4-1 no conjunto das duas mãos pelo Borussia Dortmund.
  • Batido por 2-1 em casa pelo PFC CSKA Moskva na primeira jornada, o Benfica, no conjunto dos jogos em casa e fora, venceu apenas um dos sete últimos encontros europeus que disputou – o triunfo por 1-0 sobre o Dortmund, na primeira mão dos oitavos-de-final da época passada – e perdeu os últimos quatro.
  • A derrota na terceira jornada foi a primeira vez que o Benfica somou quatro desaires europeus seguidos. Antes tinha sofrido três consecutivos em quatro ocasiões.
  • Após ter perdido por 4-0 em casa do Dortmund, na segunda mão do já mencionado embate, o Benfica ganhou apenas três dos últimos 14 jogos fora nas provas da UEFA, nos quais contabiliza sete derrotas. Na fase de grupos da época passada somou quatro pontos fora.

Ligações entre jogadores e treinadores

  • Mourinho iniciou a sua carreira de treinador principal no Benfica, em Setembro de 2000, mas não durou mais do que dois meses ao leme do clube. Nas três temporadas seguintes, no comando técnico de UD Leiria e FC Porto, defrontou as "águias" por sete vezes (4V 2E 1D). Essa única derrota aconteceu na final da Taça de Portugal de 2003/04.
  • Victor Lindelöf chegou ao United oriundo do Benfica neste Verão, depois de ter disputado 48 jogos pela equipa principal das "águias" na Liga portuguesa ao longo de cinco anos.
  • Nemanja Matić representou o Benfica entre 2011 e 2014, tendo apontado sete golos em 56 jogos na Liga portuguesa.
  • Ao leme do UD Vilafranquense, Rui Vitória foi derrotado fora por 4-0 pelo FC Porto de Mourinho nos oitavos-de-final da Taça de Portugal 2003/04.
  • Durante o período que passou no Sporting CP, entre 2012 e 2014, Marcos Rojo defrontou por cinco vezes o Benfica (1E 4D). Na Liga portuguesa 2013/14, o internacional argentino apontou o único golo num triunfo por 1-0 sobre o Vitória SC treinado por Rui Vitória.
  • Luisão marcou o golo decisivo da vitória por 4-3 (após prolongamento) do Benfica sobre o Sporting na quarta eliminatória da Taça de Portugal 2013/14, num jogo em que Rojo foi expulso.
  • Zlatan Ibrahimović marcou por duas vezes na vitória por 3-0 do Paris Saint-Germain sobre o Benfica na fase de grupos da UEFA Champions League 2013/14.
  • Haris Seferović foi expulso ao serviço da Suíça numa derrota por 2-1 ante a Bélgica em jogo amigável disputado em Maio de 2016; Romelu Lukaku bisou nessa partida pela selecção belga.
  • Daley Blind marcou a Júlio César quando a Holanda bateu o Brasil, por 3-0, no jogo de atribuição do terceiro lugar do Campeonato do Mundo da FIFA de 2014.
  • Jogaram juntos: Zlatan Ibrahimović e Júlio César (FC Internazionale Milano, 2006–09); David De Gea e Eduardo Salvio (Club Atlético de Madrid, 2009/10); Juan Mata e Jonas (Valencia CF, 2010/11).
  • Colegas nas selecções: Nemanja Matić, Ljubomir Fejsa e Andrija Živković (Sérvia); Sergio Romero, Marcos Rojo e Eduardo Salvio (Argentina)
  • Mourinho foi treinador de Júlio César no Inter entre 2008 e 2010, tendo ambos conquistado a tripla de troféus em 2009/10, incluindo a UEFA Champions League.

Factos do jogo

Manchester United
  • A série do United de 12 jogos sem perder terminou com uma derrota por 2-1 na visita ao Huddersfield Town FC, a 21 de Outubro, a primeira ante os "Terriers" desde 1952.
  • Mourinho nunca ganhou uma partida da Premier League sempre que a sua equipa se viu a perder por duas bolas de desvantagem (E1 D18).
  • O jogo 400 de Mourinho no futebol inglês terminou com uma vitória para o detentor da Taça da Liga, que atingiu os quartos-de-final ao vencer 2-0 no reduto do Swansea City AFC.
  • Jesse Lingard apontou os dois golos no País de Gales, a primeira ocasião que marcou mais que uma vez desde os quatro marcados no empréstimo ao Birmingham City FC frente ao Sheffield Wednesday FC, em Setembro de 2013.
  • O conjunto de Mourinho não sofreu golos em 11 dos últimos 15 jogos de todas as competições.
  • Romelu Lukaku apontou 16 golos em 18 encontros pelo United e pela Bélgica esta temporada, apesar de não ter marcado nos últimos cinco encontros.
  • Os "Red Devils" marcaram quatro golos num jogo em seis ocasiões esta temporada.
  • De Gea é um dos 30 jogadores da lista restrita para a Bola de Ouro. O vencedor será anunciado a 6 de Dezembro.
  • Marouane Fellaini (joelho) não joga pelo United desde a paragem das selecções, em Outubro, enquanto Paul Pogba (tendão da coxa) e Michael Carrick (gémeos) não jogam, respectivamente, desde a primeira jornada e 20 de Setembro. Eric Bailly regressou à competição este sábado, no triunfo por 1-0 sobre o Tottenham Hotspur FC, após debelar uma lesão na virilha.
  • Marcos Rojo e Zlatan Ibrahimović não jogaram pelo United esta temporada devido a lesões nos ligamentos do joelho.
Benfica
  • André Almeida vai cumprir o segundo dos dois jogos de castigo, enquanto Luisão vai falhar o encontro depois de ter sido expulso na terceira jornada.
  • Mile Svilar, 18 anos, tornou-se o mais jovem guarda-redes a actuar na UEFA Champions League ao defrontar o United na terceira jornada, batendo o recorde de Iker Casillas já com 18 anos.
  • Rúben Dias e Diogo Gonçalves também se estrearam na Europa na terceira jornada.
  • A derrota ante os "Red Devils" terminou uma série de 50 jogos em casa a contar para todas as competições, nos quais o Benfica marcou sempre.
  • O Benfica venceu 3-1 na visita ao CD Aves em jogo do campeonato a 22 de Outubro, com Jonas a bisar e Haris Seferović a voltar aos golos depois sete jogos sem marcar pelo clube e selecção.
  • Um tento de Jonas, aos 11 minutos, foi suficiente para o Benfica bater o CD Feirense em casa, na sexta-feira à noite, naquela que constituiu a sua terceira vitória em quatro partidas na Liga portuguesa.
  • Jonas marca há oito jogos seguidos na Liga portuguesa.
  • Jonas tem 12 golos em dez jogos nesta edição do campeonato.

Factos e números da prova

UEFA Champions League: Sabia que?

  • Em 2012/13 o Chelsea tornou-se no primeiro campeão europeu a não ir além da fase de grupos desde o início da UEFA Champions League. (Este registo, assim como outros, inclui as temporadas entre 1999/00 e 2002/03 em que houve duas fases de grupos). Em 1992/93, o Barcelona era detentor da Taça dos Clubes Campeões Europeus e perdeu por 4-3 no conjunto das duas mãos da segunda eliminatória ante o CSKA.
  • Em 2016/17, o Real Madrid tornou-se na primeira equipa a defender com êxito o troféu da UEFA Champions League; o Milan (1989, 1990) tinha sido o último clube a conseguir sagrar-se campeão europeu de clubes em duas épocas consecutivas. Milan (1994, 1995), Ajax (1995, 1996), Juventus (1996, 1997) e Manchester United (2008, 2009) voltaram à final como detentores do troféu, mas perderam os respectivos jogos.
  • O guarda-redes Marco Ballotta, da Lázio, tornou-se no jogador mais velho a participar na UEFA Champions League, ao alinhar na deslocação ao terreno do Real Madrid na 6ª jornada da fase de grupos de 2007/08, com 43 anos de idade e 252 dias. Alessandro Costacurta, do Milan, detém o recorde quanto a jogadores de campo, pois tinha 40 anos e 211 dias quando defrontou o AEK 2006/07.
  • Francesco Totti é o mais velho a ter marcado na prova, aos 38 anos e 59 dias, no empate 1-1 da Roma no terreno do CSKA, a 25 de Novembro de 2014. Ryan Giggs (37 anos e 289 dias) era o anterior detentor da marca.
  • Celestine Babayaro é o mais jovem a ter actuado; tinha 16 anos e 87 dias quando foi titular pelo Anderlecht frente ao Steaua (23/111994). Foi expulso aos 37 minutos.
  • Com 17 anos e 195 dias, Peter Ofori-Quaye é o mais jovem de sempre a ter marcado na UEFA Champions League e fê-lo na vitória do Olympiacos ante o Rosenborg por 5-1 (01/10/1997).
  • Lionel Messi tornou-se no primeiro jogador a marcar cinco golos num jogo no triunfo de 7-1 do Barcelona sobre o Leverkusen, a 7 de Março de 2012, feito igualado por Luiz Adriano, do Shakhtar, que goleou o BATE a 21 de Outubro de 2014, por 7-0. 11 jogadores, incluindo Messi, marcaram quatro tentos num só jogo, mais recentemente Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, na 36ª jornada em 2015/16.
  • Cristiano Ronaldo estabeleceu novo recorde na fase de grupos da UEFA Champions League ao marcar 11 golos em 2015/16 - batendo o seu próprio recorde de nove tentos - registo igualado por Luiz Adriano em 2014/15. Zlatan Ibrahimović (2013/14), Ruud van Nistelrooy (2004/05), Filippo Inzaghi e Hernán Crespo (ambos em 2002/03) conseguiram oito remates certeiros.
  • O "hat-trick" de Messi na terceira jornada da fase de grupos de 2016/17 foi o seu sétimo na competição – mais dois do que Ronaldo.
  • O Barcelona terminou como vencedor do respectivo grupo em 18 ocasiões, mais três do que o Real Madrid e quatro relativamente a Manchester United e FC Bayern München.
  • Bayern (entre 2 de Abril de 2013 e 27 de Novembro de 2013) e Real Madrid (entre 23 de Abril de 2014 e 18 de Fevereiro de 2015) detêm o recorde de vitórias seguidas na UEFA Champions League, com dez. O Bayern ultrapassou a anterior marca de nove, estabelecida pelo Barcelona entre 18 de Setembro de 2002 e 18 de Fevereiro de 2003. O Anderlecht soma 12 derrotas consecutivas (entre 10 de Dezembro de 2003 e 23 de Novembro de 2005) e é também recorde da competição.
  • Seis equipas conseguiram seis vitórias seguidas na fase de grupos: Milan (1992/93), Paris Saint-Germain (1994/95), FC Spartak Moskva (1995/96), Barcelona (2002/03, primeira fase de grupos) e Real Madrid (2011/12 e 2014/15).
  • Dezassete equipas não somaram pontos na fase de grupos, mais recentemente o Maccabi Tel-Aviv FC, em 2015/16.
  • O Real Madrid marcou 20 golos na fase de grupos de 2013/14 e igualou o recorde da competição, fixado por Manchester United (1998/99) e Barcelona (2011/12). A equipa da Catalunha marcou 19 tentos na primeira fase de grupos de 1999/2000, número alcançado pelo Real Madrid em 2011/12 e pelo Bayern em 2015/16.
  • Apenas Deportivo (2004/05) e Maccabi Haifa FC (2009/10) não marcaram na fase de grupos.
  • O BATE sofreu 24 golos em 2014/15, novo recorde, que foi igualado pelo Legia Warszawa na quinta jornada em 2016/17. O anterior máximo, 22, pertencia a Dínamo Zagreb (2011/12) e Nordsjælland (2012/13). O Malmö FF sofreu 21 em 2015/16.
  • Nenhuma equipa terminou a fase de grupos da UEFA Champions League sem sofrer golos. Milan (1992/93), Ajax (1995/96), Juventus (1996/97 e 2004/05), Chelsea (2005/06), Liverpool (2005/06), Villarreal (2005/06), Manchester United (2010/11), Mónaco (2014/15) e Paris Saint-Germain (2015/16) sofreram apenas um tento.
  • Antes da vitória por 3-1 sobre o Sporting, na sexta jornada de 2006/07, o Spartak esteve 22 jogos sem vencer, uma marca que o Steaua igualou na sexta jornada de 2013/14.
  • O RSC Anderlecht detém o recorde de mais derrotas consecutivas na prova, desde a fase de grupos até à final, tendo perdido 12 jogos seguidos de Dezembro de 2003 a Novembro de 2005. O GNK Dinamo Zagreb vem logo a seguir com 11 derrotas consecutivas, de Setembro de 2011 a Dezembro de 2012; o desaire da equipa croata na quinta jornada de 2016/17 foi o seu décimo seguido.
  • Seis foi o menor número de pontos com que uma equipa ultrapassou a fase de grupos: o Zenit, em 2013/14 e a AS Roma em 2015/16. Desde que cada vitória passou a valer três pontos, em 1995/96, oito equipas seguiram em frente com sete pontos: Legia (1995/96), Dínamo Kiev (1999/2000), Liverpool (2001/02), Lokomotiv e Juventus, mais tarde finalista (2002/03), Rangers e Bremen (2005/06) e Basileia 1893 (2014/15).
  • O Nápoles não se conseguiu apurar com 12 pontos em 2013/14, o total mais elevado de uma equipa a não ultrapassar a fase de grupos. Dínamo Kiev (1999/2000), Dortmund (2002/03 – ambos na segunda fase de grupos), PSV (2003/04), Olympiacos e Dínamo Kiev (ambos em 2004/05), Bremen (2006/07), Manchester City (2011/12), Chelsea e Cluj (ambos em 2012/13), além de Benfica (2013/14) e FC Porto (2015/16) falharam o acesso aos oitavos-de-final com dez pontos.
  • Apenas duas equipas conquistaram a UEFA Champions League no seu país: Dortmund (1997, final em Munique) e Juventus (1996, final em Roma); o Manchester United FC perdeu a final de 2011 em Londres e, 12 meses volvidos, o FC Bayern München também saiu derrotado no seu estádio, a Fußball Arena München.

Lista de Convocados

  • Guarda-redes: Svilar, Júlio César e Bruno Varela;
  • Defesas: Lisandro, Grimaldo, Douglas, Eliseu, Jardel e Rúben Dias;
  • Médios: Fejsa, Filipe Augusto, Samaris, Živković, Salvio, Pizzi, Cervi, Rafa e Diogo Gonçalves;
  • Avançados: Raúl, Jonas, Gabriel e Seferović.

Boletim Clínico

  • Brevemente

XI Provável

Jiménez
Diogo Živković
Pizzi Fejsa FilipeAugusto
Grimaldo Rúben Jardel(C) Douglas
Svilar

Talking Points

  • Luisão e Almeida estão castigados, abrindo caminho à entrada de Douglas (se recuperar) e Lisandro. Acha que as alternativas estão à altura da tarefa?
  • Que jogador terá que fazer acontecer, superar-se a si próprio e embalar a equipa para a vitória?
  • Que jogador ou aspeto do jogo do adversário constitui-se como a maior ameaça para o SL Benfica?
  • Qual é o seu onze inicial, estrutura e dinâmicas preferidos para este jogo?
  • Qual é a sua previsão sobre o resultado final e os marcadores?
Nota: Este texto foi elaborado recorrendo a informações recolhidas no sítio web da UEFA.
submitted by fidjudisomada to benfica [link] [comments]


2017.08.11 21:54 feedreddit Esfera de influência: como os libertários americanos estão reinventando a política latino-americana

Esfera de influência: como os libertários americanos estão reinventando a política latino-americana
by Lee Fang via The Intercept
URL: http://ift.tt/2uO9Icf
Para Alejandro Chafuen, a reunião desta primavera no Brick Hotel, em Buenos Aires, foi tanto uma volta para casa quanto uma volta olímpica. Chafuen, um esguio argentino-americano, passou a vida adulta se dedicando a combater os movimentos sociais e governos de esquerda das Américas do Sul e Central, substituindo-os por uma versão pró-empresariado do libertarianismo.
Ele lutou sozinho durante décadas, mas isso está mudando. Chafuen estava rodeado de amigos no Latin America Liberty Forum 2017. Essa reunião internacional de ativistas libertários foi patrocinada pela Atlas Economic Research Foundation, uma organização sem fins lucrativos conhecida como Atlas Network (Rede Atlas), que Chafuen dirige desde 1991. No Brick Hotel, ele festejou as vitórias recentes; seus anos de trabalho estavam começando a render frutos – graças às circunstâncias políticas e econômicas e à rede de ativistas que Chafuen se esforçou tanto para criar.
Nos últimos 10 anos, os governos de esquerda usaram “dinheiro para comprar votos, para redistribuir”, diz Chaufen, confortavelmente sentado no saguão do hotel. Mas a recente queda do preço das commodities, aliada a escândalos de corrupção, proporcionou uma oportunidade de ação para os grupos da Atlas Network. “Surgiu uma abertura – uma crise – e uma demanda por mudanças, e nós tínhamos pessoas treinadas para pressionar por certas políticas”, observa Chafuen, parafraseando o falecido Milton Friedman. “No nosso caso, preferimos soluções privadas aos problemas públicos”, acrescenta.
Chafuen cita diversos líderes ligados à Atlas que conseguiram ganhar notoriedade: ministros do governo conservador argentino, senadores bolivianos e líderes do Movimento Brasil Livre (MBL), que ajudaram a derrubar a presidente Dilma Rousseff – um exemplo vivo dos frutos do trabalho da rede Atlas, que Chafuen testemunhou em primeira mão.
“Estive nas manifestações no Brasil e pensei: ‘Nossa, aquele cara tinha uns 17 anos quando o conheci, e agora está ali no trio elétrico liderando o protesto. Incrível!’”, diz, empolgado. É a mesma animação de membros da Atlas quando o encontram em Buenos Aires; a tietagem é constante no saguão do hotel. Para muitos deles, Chafuen é uma mistura de mentor, patrocinador fiscal e verdadeiro símbolo da luta por um novo paradigma político em seus países.
O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, à esquerda, dentro de um carro em direção ao aeroporto, onde pegaria um voo para a Nicarágua nos arredores de San José. Domingo, 28 de junho de 2009.
Foto: Kent Gilbert/AP
Uma guinada à direita está em marcha na política latino-americana, destronando os governos socialistas que foram a marca do continente durante boa parte do século XXI – de Cristina Kirchner, na Argentina, ao defensor da reforma agrária e populista Manuel Zelaya, em Honduras –, que implementaram políticas a favor dos pobres, nacionalizaram empresas e desafiaram a hegemonia dos EUA no continente. Essa alteração pode parecer apenas parte de um reequilíbrio regional causado pela conjuntura econômica, porém a Atlas Network parece estar sempre presente, tentando influenciar o curso das mudanças políticas.
A história da Atlas Network e seu profundo impacto na ideologia e no poder político nunca foi contada na íntegra. Mas os registros de suas atividades em três continentes, bem como as entrevistas com líderes libertários na América Latina, revelam o alcance de sua influência. A rede libertária, que conseguiu alterar o poder político em diversos países, também é uma extensão tácita da política externa dos EUA – os _think tanks_associados à Atlas são discretamente financiados pelo Departamento de Estado e o National Endowment for Democracy (Fundação Nacional para a Democracia – NED), braço crucial do _soft power_norte-americano.
Embora análises recentes tenham revelado o papel de poderosos bilionários conservadores – como os irmãos Koch – no desenvolvimento de uma versão pró-empresariado do libertarianismo, a Atlas Network – que também é financiada pelas fundações Koch – tem usado métodos criados no mundo desenvolvido, reproduzindo-os em países em desenvolvimento. A rede é extensa, contando atualmente com parcerias com 450 _think tanks_em todo o mundo. A Atlas afirma ter gasto mais de US$ 5 milhões com seus parceiros apenas em 2016.
Ao longo dos anos, a Atlas e suas fundações caritativas associadas realizaram centenas de doações para _think tanks_conservadores e defensores do livre mercado na América Latina, inclusive a rede que apoiou o Movimento Brasil Livre (MBL) e organizações que participaram da ofensiva libertária na Argentina, como a Fundação Pensar, um _think tank_da Atlas que se incorporou ao partido criado por Mauricio Macri, um homem de negócios e atual presidente do país. Os líderes do MBL e o fundador da Fundação Eléutera – um _think tank_neoliberal extremamente influente no cenário pós-golpe hondurenho – receberam financiamento da Atlas e fazem parte da nova geração de atores políticos que já passaram pelos seus seminários de treinamento.
A Atlas Network conta com dezenas de _think tanks_na América Latina, inclusive grupos extremamente ativos no apoio às forças de oposição na Venezuela e ao candidato de centro-direita às eleições presidenciais chilenas, Sebastián Piñera.
Protesto a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff diante do Congresso Nacional, em Brasília, no dia 2 de dezembro de 2015.
Photo: Eraldo Peres/AP
Em nenhum outro lugar a estratégia da Atlas foi tão bem sintetizada quanto na recém-formada rede brasileira de _think tanks_de defesa do livre mercado. Os novos institutos trabalham juntos para fomentar o descontentamento com as políticas socialistas; alguns criam centros acadêmicos enquanto outros treinam ativistas e travam uma guerra constante contra as ideias de esquerda na mídia brasileira.
O esforço para direcionar a raiva da população contra a esquerda rendeu frutos para a direita brasileira no ano passado. Os jovens ativistas do MBL – muitos deles treinados em organização política nos EUA – lideraram um movimento de massa para canalizar a o descontentamento popular com um grande escândalo de corrupção para desestabilizar Dilma Rousseff, uma presidente de centro-esquerda. O escândalo, investigado por uma operação batizada de Lava-Jato, continua tendo desdobramentos, envolvendo líderes de todos os grandes partidos políticos brasileiros, inclusive à direita e centro-direita. Mas o MBL soube usar muito bem as redes sociais para direcionar a maior parte da revolta contra Dilma, exigindo o seu afastamento e o fim das políticas de bem-estar social implementadas pelo Partido dos Trabalhadores (PT).
A revolta – que foi comparada ao movimento Tea Party devido ao apoio tácito dos conglomerados industriais locais e a uma nova rede de atores midiáticos de extrema-direita e tendências conspiratórias – conseguiu interromper 13 anos de dominação do PT ao afastar Dilma do cargo por meio de um impeachment em 2016.
O cenário político do qual surgiu o MBL é uma novidade no Brasil. Havia no máximo três _think tanks_libertários em atividade no país dez anos atrás, segundo Hélio Beltrão, um ex-executivo de um fundo de investimentos de alto risco que agora dirige o Instituto Mises, uma organização sem fins lucrativos que recebeu o nome do filósofo libertário Ludwig von Mises. Ele diz que, com o apoio da Atlas, agora existem cerca de 30 institutos agindo e colaborando entre si no Brasil, como o Estudantes pela Liberdade e o MBL.
“É como um time de futebol; a defesa é a academia, e os políticos são os atacantes. E já marcamos alguns gols”, diz Beltrão, referindo-se ao impeachment de Dilma. O meio de campo seria “o pessoal da cultura”, aqueles que formam a opinião pública.
Beltrão explica que a rede de _think tanks_está pressionando pela privatização dos Correios, que ele descreve como “uma fruta pronta para ser colhida” e que pode conduzir a uma onda de reformas mais abrangentes em favor do livre mercado. Muitos partidos conservadores brasileiros acolheram os ativistas libertários quando estes demonstraram que eram capazes de mobilizar centenas de milhares de pessoas nos protestos contra Dilma, mas ainda não adotaram as teorias da “economia do lado da oferta”.
Fernando Schüler, acadêmico e colunista associado ao Instituto Millenium – outro _think tank_da Atlas no Brasil – tem uma outra abordagem. “O Brasil tem 17 mil sindicatos pagos com dinheiro público. Um dia de salário por ano vai para os sindicatos, que são completamente controlados pela esquerda”, diz. A única maneira de reverter a tendência socialista seria superá-la no jogo de manobras políticas. “Com a tecnologia, as pessoas poderiam participar diretamente, organizando – no WhatsApp, Facebook e YouTube – uma espécie de manifestação pública de baixo custo”, acrescenta, descrevendo a forma de mobilização de protestos dos libertários contra políticos de esquerda. Os organizadores das manifestações anti-Dilma produziram uma torrente diária de vídeos no YouTube para ridicularizar o governo do PT e criaram um placar interativo para incentivar os cidadãos a pressionarem seus deputados por votos de apoio ao impeachment.
Schüler notou que, embora o MBL e seu próprio _think tank_fossem apoiados por associações industriais locais, o sucesso do movimento se devia parcialmente à sua não identificação com partidos políticos tradicionais, em sua maioria vistos com maus olhos pela população. Ele argumenta que a única forma de reformar radicalmente a sociedade e reverter o apoio popular ao Estado de bem-estar social é travar uma guerra cultural permanente para confrontar os intelectuais e a mídia de esquerda.
Fernando Schüler.Foto:captura de tela do YouTubeUm dos fundadores do Instituto Millenium, o blogueiro Rodrigo Constantino, polariza a política brasileira com uma retórica ultrassectária. Constantino, que já foi chamado de “o Breitbart brasileiro” devido a suas teorias conspiratórias e seus comentários de teor radicalmente direitistas, é presidente do conselho deliberativo de outro _think tank_da Atlas – o Instituto Liberal. Ele enxerga uma tentativa velada de minar a democracia em cada movimento da esquerda brasileira, do uso da cor vermelha na logomarca da Copa do Mundo ao Bolsa Família, um programa de transferência de renda. Constantino é considerado o responsável pela popularização de uma narrativa segundo a qual os defensores do PT seriam uma “esquerda caviar”, ricos hipócritas que abraçam o socialismo para se sentirem moralmente superiores, mas que na realidade desprezam as classes trabalhadoras que afirmam representar. A “breitbartização” do discurso é apenas uma das muitas formas sutis pelas quais a Atlas Network tem influenciado o debate político.
“Temos um Estado muito paternalista. É incrível. Há muito controle estatal, e mudar isso é um desafio de longo prazo”, diz Schüler, acresentando que, apesar das vitórias recentes, os libertários ainda têm um longo caminho pela frente no Brasil. Ele gostaria de copiar o modelo de Margaret Thatcher, que se apoiava em uma rede de _think tanks_libertários para implementar reformas impopulares. “O sistema previdenciário é absurdo, e eu privatizaria toda a educação”, diz Schüler, pondo-se a recitar toda a litania de mudanças que faria na sociedade, do corte do financiamento a sindicatos ao fim do voto obrigatório.
Mas a única maneira de tornar tudo isso possível, segundo ele, seria a formação de uma rede politicamente engajada de organizações sem fins lucrativos para defender os objetivos libertários. Para Schüler, o modelo atual – uma constelação de _think tanks_em Washington sustentada por vultosas doações – seria o único caminho para o Brasil.
E é exatamente isso que a Atlas tem se esforçado para fazer. Ela oferece subvenções a novos _think tanks_e cursos sobre gestão política e relações públicas, patrocina eventos de _networking_no mundo todo e, nos últimos anos, tem estimulado libertários a tentar influenciar a opinião pública por meio das redes sociais e vídeos online.
Uma competição anual incentiva os membros da Atlas a produzir vídeos que viralizem no YouTube promovendo o _laissez-faire_e ridicularizando os defensores do Estado de bem-estar social. James O’Keefe, provocador famoso por alfinetar o Partido Democrata americano com vídeos gravados em segredo, foi convidado pela Atlas para ensinar seus métodos. No estado americano do Wisconsin, um grupo de produtores que publicava vídeos na internet para denegrir protestos de professores contra o ataque do governador Scott Walker aos sindicatos do setor público também compartilharam sua experiência nos cursos da Atlas.
Manifestantes queimam um boneco do presidente Hugo Chávez na Plaza Altamira, em protesto contra o governo.
Foto: Lonely Planet Images/Getty Images
Em uma de suas últimas realizações, a Atlas influenciou uma das crises políticas e humanitárias mais graves da América Latina: a venezuelana. Documentos obtidos graças ao “Freedom of Information Act” (Lei da Livre Informação, em tradução livre) por simpatizantes do governo venezuelano – bem como certos telegramas do Departamento de Estado dos EUA vazados por Chelsea Manning – revelam uma complexo tentativa do governo americano de usar os _think tanks_da Atlas em uma campanha para desestabilizar o governo de Hugo Chávez. Em 1998, a CEDICE Libertad – principal organização afiliada à Atlas em Caracas, capital da Venezuela – já recebia apoio financeiro do Center for International Private Enterprise (Centro para a Empresa Privada Internacional – CIPE). Em uma carta de financiamento do NED, os recursos são descritos como uma ajuda para “a mudança de governo”. O diretor da CEDICE foi um dos signatários do controverso “Decreto Carmona” em apoio ao malsucedido golpe militar contra Chávez em 2002.
Um telegrama de 2006 descrevia a estratégia do embaixador americano, William Brownfield, de financiar organizações politicamente engajadas na Venezuela: “1) Fortalecer instituições democráticas; 2) penetrar na base política de Chávez; 3) dividir o chavismo; 4) proteger negócios vitais para os EUA, e 5) isolar Chávez internacionalmente.”
Na atual crise venezuelana, a CEDICE tem promovido a recente avalanche de protestos contra o presidente Nicolás Maduro, o acossado sucessor de Chávez. A CEDICE está intimamente ligada à figura da oposicionista María Corina Machado, uma das líderes das manifestações em massa contra o governo dos últimos meses. Machado já agradeceu publicamente à Atlas pelo seu trabalho. Em um vídeo enviado ao grupo em 2014, ela diz: “Obrigada à Atlas Network e a todos os que lutam pela liberdade.”
Em 2014, a líder opositora María Corina Machado agradeceu à Atlas pelo seu trabalho: “Obrigada à Atlas Network e a todos os que lutam pela liberdade.”No Latin America Liberty Forum, organizado pela Atlas Network em Buenos Aires, jovens líderes compartilham ideias sobre como derrotar o socialismo em todos os lugares, dos debates em _campi_universitários a mobilizações nacionais a favor de um impeachment.
Em uma das atividades do fórum, “empreendedores” políticos de Peru, República Dominicana e Honduras competem em um formato parecido com o programa Shark Tank, um _reality show_americano em que novas empresas tentam conquistar ricos e impiedosos investidores. Mas, em vez de buscar financiamento junto a um painel de capitalistas de risco, esses diretores de _think tanks_tentam vender suas ideias de marketing político para conquistar um prêmio de US$ 5 mil. Em outro encontro, debatem-se estratégias para atrair o apoio do setor industrial às reformas econômicas. Em outra sala, ativistas políticos discutem possíveis argumentos que os “amantes da liberdade” podem usar para combater o crescimento do populismo e “canalizar o sentimento de injustiça de muitos” para atingir os objetivos do livre mercado.
Um jovem líder da Cadal, um _think tank_de Buenos Aires, deu a ideia de classificar as províncias argentinas de acordo com o que chamou de “índice de liberdade econômica” – levando em conta a carga tributária e regulatória como critérios principais –, o que segundo ela geraria um estímulo para a pressão popular por reformas de livre mercado. Tal ideia é claramente baseada em estratégias similares aplicadas nos EUA, como o Índice de Liberdade Econômica da Heritage Foundation, que classifica os países de acordo com critérios como política tributária e barreiras regulatórias aos negócios.
Os _think tanks_são tradicionalmente vistos como institutos independentes que tentam desenvolver soluções não convencionais. Mas o modelo da Atlas se preocupa menos com a formulação de novas soluções e mais com o estabelecimento de organizações políticas disfarçadas de instituições acadêmicas, em um esforço para conquistar a adesão do público.
As ideias de livre mercado – redução de impostos sobre os mais ricos; enxugamento do setor público e privatizações; liberalização das regras de comércio e restrições aos sindicatos – sempre tiveram um problema de popularidade. Os defensores dessa corrente de pensamento perceberam que o eleitorado costuma ver essas ideias como uma maneira de favorecer as camadas mais ricas. E reposicionar o libertarianismo econômico como uma ideologia de interesse público exige complexas estratégias de persuasão em massa.
Mas o modelo da Atlas, que está se espalhando rapidamente pela América Latina, baseia-se em um método aperfeiçoado durante décadas de embates nos EUA e no Reino Unido, onde os libertários se esforçaram para conter o avanço do Estado de bem-estar social do pós-guerra.
Mapa das organizações da rede Atlas na América do Sul.
Fonte: The Intercept
Antony Fisher, empreendedor britânico e fundador da Atlas Network, é um pioneiro na venda do libertarianismo econômico à opinião pública. A estratégia era simples: nas palavras de um colega de Fisher, a missão era “encher o mundo de _think tanks_que defendam o livre mercado”.
A base das ideias de Fisher vêm de Friedrich Hayek, um dos pais da defesa do Estado mínimo. Em 1946, depois de ler um resumo do livro seminal de Hayek, O Caminho da Servidão, Fisher quis se encontrar com o economista austríaco em Londres. Segundo seu colega John Blundell, Fisher sugeriu que Hayek entrasse para a política. Mas Hayek se recusou, dizendo que uma abordagem de baixo para cima tinha mais chances de alterar a opinião pública e reformar a sociedade.
Enquanto isso, nos Estados Unidos, outro ideólogo do livre mercado, Leonard Read, chegava a conclusões parecidas depois de ter dirigido a Câmara de Comércio de Los Angeles, onde batera de frente com o sindicalismo. Para deter o crescimento do Estado de bem-estar social, seria necessária uma ação mais elaborada no sentido de influenciar o debate público sobre os destinos da sociedade, mas sem revelar a ligação de tal estratégia com os interesses do capital.
Fisher animou-se com uma visita à organização recém-fundada por Read, a Foundation for Economic Education (Fundação para a Educação Econômica – FEE), em Nova York, criada para patrocinar e promover as ideias liberais. Nesse encontro, o economista libertário F.A. Harper, que trabalhava na FEE à epoca, orientou Fisher sobre como abrir a sua própria organização sem fins lucrativos no Reino Unido.
Durante a viagem, Fisher e Harper foram à Cornell University para conhecer a última novidade da indústria animal: 15 mil galinhas armazenadas em uma única estrutura. Fisher decidiu levar o invento para o Reino Unido. Sua fábrica, a Buxted Chickens, logo prosperou e trouxe grande fortuna para Fisher. Uma parte dos lucros foi direcionada à realização de outro objetivo surgido durante a viagem a Nova York – em 1955, Fisher funda o Institute of Economic Affairs (Instituto de Assuntos Econômicos – IEA).
O IEA ajudou a popularizar os até então obscuros economistas ligados às ideias de Hayek. O instituto era um baluarte de oposição ao crescente Estado de bem-estar social britânico, colocando jornalistas em contato com acadêmicos defensores do livre mercado e disseminando críticas constantes sob a forma de artigos de opinião, entrevistas de rádio e conferências.
A maior parte do financiamento do IEA vinha de empresas privadas, como os gigantes do setor bancário e industrial Barclays e British Petroleum, que contribuíam anualmente. No livro Making Thatcher’s Britain(A Construção da Grã-Bretanha de Thatcher, em tradução livre), dos historiadores Ben Jackson e Robert Saunders, um magnata dos transportes afirma que, assim como as universidades forneciam munição para os sindicatos, o IEA era uma importante fonte de poder de fogo para os empresários.
Quando a desaceleração econômica e o aumento da inflação dos anos 1970 abalou os fundamentos da sociedade britânica, políticos conservadores começaram a se aproximar do IEA como fonte de uma visão alternativa. O instituto aproveitou a oportunidade e passou a oferecer plataformas para que os políticos pudessem levar os conceitos do livre mercado para a opinião pública. A Atlas Network afirma orgulhosamente que o IEA “estabeleceu as bases intelectuais do que viria a ser a revolução de Thatcher nos anos 1980”. A equipe do instituto escrevia discursos para Margaret Thatcher; fornecia material de campanha na forma de artigos sobre temas como sindicalismo e controle de preços; e rebatia as críticas à Dama de Ferro na mídia inglesa. Em uma carta a Fisher depois de vencer as eleições de 1979, Thatcher afirmou que o IEA havia criado, na opinião pública, “o ambiente propício para a nossa vitória”.
“Não há dúvidas de que tivemos um grande avanço na Grã-Bretanha. O IEA, fundado por Antony Fisher, fez toda a diferença”, disse Milton Friedman uma vez. “Ele possibilitou o governo de Margaret Thatcher – não a sua eleição como primeira-ministra, e sim as políticas postas em prática por ela. Da mesma forma, o desenvolvimento desse tipo de pensamento nos EUA possibilitou o a implementação das políticas de Ronald Reagan”, afirmou.
O IEA fechava um ciclo. Hayek havia criado um seleto grupo de economistas defensores do livre mercado chamado Sociedade Mont Pèlerin. Um de seus membros, Ed Feulner, ajudou o fundar o _think tank_conservador Heritage Foundation, em Washington, inspirando-se no trabalho de Fisher. Outro membro da Sociedade, Ed Crane, fundou o Cato Institute, o mais influente _think tank_libertário dos Estados Unidos.
_O filósofo e economista anglo-austríaco Friedrich Hayek com um grupo de alunos na London School of Economics, em 1948._Foto: Paul PoppePopperfoto/Getty Images
Em 1981, Fisher, que havia se mudado para San Francisco, começou a desenvolver a Atlas Economic Research Foundation por sugestão de Hayek. Fisher havia aproveitado o sucesso do IEA para conseguir doações de empresas para seu projeto de criação de uma rede regional de _think tanks_em Nova York, Canadá, Califórnia e Texas, entre outros. Mas o novo empreendimento de Fisher viria a ter uma dimensão global: uma organização sem fins lucrativos dedicada a levar sua missão adiante por meio da criação de postos avançados do libertarianismo em todos os países do mundo. “Quanto mais institutos existirem no mundo, mais oportunidade teremos para resolver problemas que precisam de uma solução urgente”, declarou.
Fisher começou a levantar fundos junto a empresas com a ajuda de cartas de recomendação de Hayek, Thatcher e Friedman, instando os potenciais doadores a ajudarem a reproduzir o sucesso do IEA através da Atlas. Hayek escreveu que o modelo do IEA “deveria ser usado para criar institutos similares em todo o mundo”. E acrescentou: “Se conseguíssemos financiar essa iniciativa conjunta, seria um dinheiro muito bem gasto.”
A proposta foi enviada para uma lista de executivos importantes, e o dinheiro logo começou a fluir dos cofres das empresas e dos grandes financiadores do Partido Republicano, como Richard Mellon Scaife. Empresas como a Pfizer, Procter & Gamble e Shell ajudaram a financiar a Atlas. Mas a contribuição delas teria que ser secreta para que o projeto pudesse funcionar, acreditava Fisher. “Para influenciar a opinião pública, é necessário evitar qualquer indício de interesses corporativos ou tentativa de doutrinação”, escreveu Fisher na descrição do projeto, acrescentando que o sucesso do IEA estava baseado na percepção pública do caráter acadêmico e imparcial do instituto.
A Atlas cresceu rapidamente. Em 1985, a rede contava com 27 instituições em 17 países, inclusive organizações sem fins lucrativos na Itália, México, Austrália e Peru.
E o _timing_não podia ser melhor: a expansão internacional da Atlas coincidiu com a política externa agressiva de Ronald Reagan contra governos de esquerda mundo afora.
Embora a Atlas declarasse publicamente que não recebia recursos públicos (Fisher caracterizava as ajudas internacionais como uma forma de “suborno” que distorcia as forças do mercado), há registros da tentativa silenciosa da rede de canalizar dinheiro público para sua lista cada vez maior de parceiros internacionais.
Em 1982, em uma carta da Agência de Comunicação Internacional dos EUA – um pequeno órgão federal destinado a promover os interesses americanos no exterior –, um funcionário do Escritório de Programas do Setor Privado escreveu a Fisher em resposta a um pedido de financiamento federal. O funcionário diz não poder dar dinheiro “diretamente a organizações estrangeiras”, mas que seria possível copatrocinar “conferências ou intercâmbios com organizações” de grupos como a Atlas, e sugere que Fisher envie um projeto. A carta, enviada um ano depois da fundação da Atlas, foi o primeiro indício de que a rede viria a ser uma parceira secreta da política externa norte-americana.
Memorandos e outros documentos de Fisher mostram que, em 1986, a Atlas já havia ajudado a organizar encontros com executivos para tentar direcionar fundos americanos para sua rede de think tanks. Em uma ocasião, um funcionário da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), o principal braço de financiamento internacional do governo dos EUA, recomendou que o diretor da filial da Coca-Cola no Panamá colaborasse com a Atlas para a criação de um _think tank_nos moldes do IEA no país. A Atlas também recebeu fundos da Fundação Nacional para a Democracia (NED), uma organização sem fins lucrativos fundada em 1983 e patrocinada em grande parte pelo Departamento de Estado e a USAID cujo objetivo é fomentar a criação de instituições favoráveis aos EUA nos países em desenvolvimento.
Alejandro Chafuen, da Atlas Economic Research Foundation, atrás à direita, cumprimenta Rafael Alonzo, do Centro de Divulgação do Conhecimento Econômico para a Liberdade (CEDICE Libertad), à esquerda, enquanto o escritor peruano Mario Vargas Llosa aplaude a abertura do Fórum Liberdade e Democracia, em Caracas, no dia 28 de maio de 2009.
Foto: Ariana Cubillos/AP
_ _Financiada generosamente por empresas e pelo governo americano, a Atlas deu outro golpe de sorte em 1985 com a chegada de Alejandro Chafuen. Linda Whetstone, filha de Fisher, conta um episódio ocorrido naquele ano, quando um jovem Chafuen, que ainda vivia em Oakland, teria aparecido no escritório da Atlas em San Francisco “disposto a trabalhar de graça”. Nascido em Buenos Aires, Chafuen vinha do que ele chamava “uma família anti-Peronista”. Embora tenha crescido em uma época de grande agitação na Argentina, Chafuen vivia uma vida relativamente privilegiada, tendo passado a adolescência jogando tênis e sonhando em se tornar atleta profissional.
Ele atribui suas escolhas ideológicas a seu apetite por textos libertários, de Ayn Rand a livretos publicados pela FEE, a organização de Leonard Read que havia inspirado Antony Fisher. Depois de estudar no Grove City College, uma escola de artes profundamente conservadora e cristã no estado americano da Pensilvânia, onde foi presidente do clube de estudantes libertários, Chafuen voltou ao país de nascença. Os militares haviam tomado o poder, alegando estar reagindo a uma suposta ameaça comunista. Milhares de estudantes e ativistas seriam torturados e mortos durante a repressão à oposição de esquerda no período que se seguiu ao golpe de Estado.
Chafuen recorda essa época de maneira mais positiva do que negativa. Ele viria a escrever que os militares haviam sido obrigados a agir para evitar que os comunistas “tomassem o poder no país”. Durante sua carreira como professor, Chafuen diz ter conhecido “totalitários de todo tipo” no mundo acadêmico. Segundo ele, depois do golpe militar seus professores “abrandaram-se”, apesar das diferenças ideológicas entre eles.
Em outros países latino-americanos, o libertarianismo também encontrara uma audiência receptiva nos governos militares. No Chile, depois da derrubada do governo democraticamente eleito de Salvador Allende, os economistas da Sociedade Mont Pèlerin acorreram ao país para preparar profundas reformas liberais, como a privatização de indústrias e da Previdência. Em toda a região, sob a proteção de líderes militares levados ao poder pela força, as políticas econômicas libertárias começaram a se enraizar.
Já o zelo ideológico de Chafuen começou a se manifestar em 1979, quando ele publicou um ensaio para a FEE intitulado “War Without End” (Guerra Sem Fim). Nele, Chafuen descreve horrores do terrorismo de esquerda “como a família Manson, ou, de forma organizada, os guerrilheiros do Oriente Médio, África e América do Sul”. Haveria uma necessidade, segundo ele, de uma reação das “forças da liberdade individual e da propriedade privada”.
Seu entusiasmo atraiu a atenção de muita gente. Em 1980, aos 26 anos, Chafuen foi convidado a se tornar o membro mais jovem da Sociedade Mont Pèlerin. Ele foi até Stanford, tendo a oportunidade de conhecer Read, Hayek e outros expoentes libertários. Cinco anos depois, Chafuen havia se casado com uma americana e estava morando em Oakland. E começou a fazer contato com membros da Mont Pèlerin na área da Baía de San Francisco – como Fisher.
Em toda a região, sob a proteção de líderes militares levados ao poder pela força, as políticas econômicas libertárias começaram a se enraizar.De acordo com as atas das reuniões do conselho da Atlas, Fisher disse aos colegas que havia feito um pagamento _ex gratia_no valor de US$ 500 para Chafuen no Natal de 1985, declarando que gostaria de contratar o economista para trabalhar em tempo integral no desenvolvimento dos _think tanks_da rede na América Latina. No ano seguinte, Chafuen organizou a primeira cúpula de _think tanks_latino-americanos, na Jamaica.
Chafuen compreendera o modelo da Atlas e trabalhava incansavelmente para expandir a rede, ajudando a criar _think tanks_na África e na Europa, embora seu foco continuasse sendo a América Latina. Em uma palestra sobre como atrair financiadores, Chafuen afirmou que os doadores não podiam financiar publicamente pesquisas, sob o risco de perda de credibilidade. “A Pfizer não patrocinaria uma pesquisa sobre questões de saúde, e a Exxon não financiaria uma enquete sobre questões ambientais”, observou. Mas os _think tanks_libertários – como os da Atlas Network –não só poderiam apresentar as mesmas pesquisas sob um manto de credibilidade como também poderiam atrair uma cobertura maior da mídia.
“Os jornalistas gostam muito de tudo o que é novo e fácil de noticiar”, disse Chafuen. Segundo ele, a imprensa não tem interesse em citar o pensamento dos filósofos libertários, mas pesquisas produzidas por um _think tank_são mais facilmente reproduzidas. “E os financiadores veem isso”, acrescenta.
Em 1991, três anos depois da morte de Fisher, Chafuen assumiu a direção da Atlas – e pôs-se a falar sobre o trabalho da Atlas para potenciais doadores. E logo começou a conquistar novos financiadores. A Philip Morris deu repetidas contribuições à Atlas, inclusive uma doação de US$ 50 mil em 1994, revelada anos depois. Documentos mostram que a gigante do tabaco considerava a Atlas uma aliada em disputas jurídicas internacionais.
Mas alguns jornalistas chilenos descobriram que _think tanks_patrocinados pela Atlas haviam feito pressão por trás dos panos contra a legislação antitabagista sem revelar que estavam sendo financiadas por empresas de tabaco – uma estratégia praticada por _think tanks_em todo o mundo.
Grandes corporações como ExxonMobil e MasterCard já financiaram a Atlas. Mas o grupo também atrai grandes figuras do libertarianismo, como as fundações do investidor John Templeton e dos irmãos bilionários Charles e David Koch, que cobriam a Atlas e seus parceiros de generosas e frequentes doações. A habilidade de Chafuen para levantar fundos resultou em um aumento do número de prósperas fundações conservadoras. Ele é membro-fundador do Donors Trust, um discreto fundo orientado ao financiamento de organizações sem fins lucrativos que já transferiu mais de US$ 400 milhões a entidades libertárias, incluindo membros da Atlas Network. Chafuen também é membro do conselho diretor da Chase Foundation of Virginia, outra entidade financiadora da Atlas, fundada por um membro da Sociedade Mont Pèlerin.
Outra grande fonte de dinheiro é o governo americano. A princípio, a Fundação Nacional para a Democracia encontrou dificuldades para criar entidades favoráveis aos interesses americanos no exterior. Gerardo Bongiovanni, presidente da Fundación Libertad, um _think tank_da Atlas em Rosario, na Argentina, afirmou durante uma palestra de Chafuen que a injeção de capital do Center for International Private Enterprise – parceiro do NED no ramo de subvenções – fora de apenas US$ 1 milhão entre 1985 e 1987. Os _think tanks_que receberam esse capital inicial logo fecharam as portas, alegando falta de treinamento em gestão, segundo Bongiovanni.
No entanto, a Atlas acabou conseguindo canalizar os fundos que vinham do NED e do CIPE, transformando o dinheiro do contribuinte americano em uma importante fonte de financiamento para uma rede cada vez maior. Os recursos ajudavam a manter _think tanks_na Europa do Leste, após a queda da União Soviética, e, mais tarde, para promover os interesses dos EUA no Oriente Médio. Entre os beneficiados com dinheiro do CIPE está a CEDICE Libertad, a entidade a que líder opositora venezuelana María Corina Machado fez questão de agradecer.
O assessor da Casa Branca Sebastian Gorka participa de uma entrevista do lado de fora da Ala Oeste da Casa Branca em 9 de junho de 2017 – Washington, EUA.
Foto: Chip Somodevilla/Getty Images
_ _No Brick Hotel, em Buenos Aires, Chafuen reflete sobre as três últimas décadas. “Fisher ficaria satisfeito; ele não acreditaria em quanto nossa rede cresceu”, afirma, observando que talvez o fundador da Atlas ficasse surpreso com o atual grau de envolvimento político do grupo.
Chafuen se animou com a eleição de Donald Trump para a presidência dos EUA. Ele é só elogios para a equipe do presidente. O que não é nenhuma surpresa, pois o governo Trump está cheio de amigos e membros de grupos ligados à Atlas. Sebastian Gorka, o islamofóbico assessor de contraterrorismo de Trump, dirigiu um _think tank_patrocinado pela Atlas na Hungria. O vice-presidente Mike Pence compareceu a um encontro da Atlas e teceu elogios ao grupo. A secretária de Educação Betsy DeVos trabalhou com Chafuen no Acton Institute, um _think tank_de Michigan que usa argumentos religiosos a favor das políticas libertárias – e que agora tem uma entidade subsidiária no Brasil, o Centro Interdisciplinar de Ética e Economia Personalista. Mas talvez a figura mais admirada por Chafuen no governo dos EUA seja Judy Shelton, uma economista e velha companheira da Atlas Network. Depois da vitória de Trump, Shelton foi nomeada presidente da NED. Ela havia sido assessora de Trump durante a campanha e o período de transição. Chafuen fica radiante ao falar sobre o assunto: “E agora tem gente da Atlas na presidência da Fundação Nacional para a Democracia (NED)”, comemora.
Antes de encerrar a entrevista, Chafuen sugere que ainda vem mais por aí: mais think tanks, mais tentativas de derrubar governos de esquerda, e mais pessoas ligadas à Atlas nos cargos mais altos de governos ao redor do mundo. “É um trabalho contínuo”, diz.
Mais tarde, Chafuen compareceu ao jantar de gala do Latin America Liberty Forum. Ao lado de um painel de especialistas da Atlas, ele discutiu a necessidade de reforçar os movimentos de oposição libertária no Equador e na Venezuela.
Danielle Mackey contribuiu na pesquisa para essa matéria. Tradução: Bernardo Tonasse
The post Esfera de influência: como os libertários americanos estão reinventando a política latino-americana appeared first on The Intercept.
submitted by feedreddit to arableaks [link] [comments]


2017.06.10 15:44 feedreddit O pior da agenda tóxica de Donald Trump só será desencadeado com uma grande crise nos EUA

O pior da agenda tóxica de Donald Trump só será desencadeado com uma grande crise nos EUA
by Naomi Klein via The Intercept
URL: http://ift.tt/2rM3USm
Durante a campanha presidencial, algumas pessoas achavam que os pontos mais abertamente racistas da plataforma de Donald Trump eram apenas uma estratégia para causar irritação, não um plano de ação concreto. Porém, na primeira semana de seu mandato, quando ele vetou a entrada de cidadãos de sete países de maioria muçulmana, a ilusão logo foi desfeita. Felizmente, a reação foi imediata: marchas e protestos em aeroportos, greves de taxistas, manifestações de advogados e políticos locais. Por fim, o veto foi considerado ilegal pela Justiça americana.
Esse episódio mostrou a força da resistência e a coragem da Justiça; havia muito o que comemorar. Alguns chegaram a dizer que essa primeira derrota havia disciplinado Trump, que a partir de então seguiria uma rota mais convencional e racional.
Outra perigosa ilusão.
É verdade que muitos dos itens mais radicais da agenda do governo ainda não foram realizados. Mas não se enganem; ele não abandonou seus projetos. Eles estão bem guardados, à espreita, e uma grande crise pode trazê-los à tona.
Grandes choques costumam ser aproveitados para nos empurrar goela abaixo medidas impopulares e antidemocráticas a favor dos grandes empresários que jamais seriam aprovadas em tempos de estabilidade. É a “Doutrina do Choque”, nome que utilizei para descrever esse fenômeno. Ela foi utilizada repetidamente nas últimas décadas, seja por ditadores como Augusto Pinochet ou por presidentes americanos, como no caso do furacão Katrina.
Vimos a Doutrina do Choque em ação recentemente, antes da eleição de Trump, em cidades americanas como Detroit e Flint, onde a falência financeira do município foi usada como pretexto para dissolver a democracia local e nomear “gestores emergenciais”, que declararam guerra aos serviços e educação públicos. O mesmo está acontecendo em Porto Rico, onde a crise da dívida foi a desculpa utilizada para a criação do Conselho de Gestão e Supervisão Financeira, uma entidade que, sem precisar prestar contas a ninguém, tem o poder de implementar medidas de austeridade como cortes previdenciários e fechamento de escolas. A mesma tática está sendo usada no Brasil, onde, após o bastante questionável impeachment da presidente Dilma Rousseff, instalou-se um regime ilegítimo e ferventemente pró-empresariado. Entre as medidas adotadas estão o congelamento dos gastos públicos por 20 anos e o leilão de aeroportos, usinas de energia e outros ativos públicos, em um verdadeiro frenesi privatizante.
Como escreveu Milton Friedman, muitos anos atrás, “apenas uma crise – real ou presumida – produz mudanças. Quando uma crise ocorre, as medidas adotadas dependem das ideias presentes na paisagem política. Esta é a nossa função primordial: desenvolver alternativas às políticas existentes, mantendo-as ao alcance da mão até que o politicamente impossível se torne politicamente inevitável”. Certos alarmistas estocam comida enlatada e água para o caso de um grande desastre natural; outros estocam ideias espetacularmente antidemocráticas.
Agora, como muitos já perceberam, a história está se repetindo com Donald Trump. Durante a campanha, ele não disse a seus admiradores que iria cortar verbas de programas de fornecimento de alimentos a pessoas necessitadas. Ele também nunca admitiu que iria tentar tirar o plano de saúde de milhões de americanos ou adotar cada uma das medidas sugeridas pelo grupo Goldman Sachs. Não, ele disse o contrário de tudo isso.
Desde que assumiu a presidência, Donald Trump não fez o menor esforço para dissipar a atmosfera de caos e crise. Algumas turbulências, como o dossiê russo, surgiram contra a sua vontade ou por pura incompetência, mas muitas delas parecem ter sido deliberadamente fabricadas. Em todo caso, enquanto estamos distraídos pelo espetáculo Trump, ávidos por notícias sobre suas supostas crises conjugais ou globos luminosos, seu projeto de concentração de renda segue em frente, metódico e silencioso.
A velocidade das mudanças também contribui para isso. Com o tsunami de decretos presidenciais assinados nos 100 primeiros dias do governo de Trump, logo ficou claro que seus assessores estavam seguindo o conselho dado por Maquiavel em O Príncipe: “As injúrias devem ser feitas todas de uma vez, de forma que, sendo menos saboreadas, causem menos ofensa”. A lógica é simples: é mais fácil resistir a mudanças graduais e contínuas; se as transformações acontecem de uma só vez, a população não consegue se organizar para lidar com todas ao mesmo tempo, acabando por engolir o sapo.
Mas tudo isso não passa de uma versão light da Doutrina do Choque; é o máximo que Trump pode fazer com as pequenas crises que ele mesmo cria. Embora seja necessário denunciar e resistir ao que está sendo feito agora, também deveríamos nos preocupar com o que Trump fará quando puder se aproveitar de uma verdadeira crise. Talvez seja um _crash_econômico, como a crise das hipotecas _subprime_de 2008; ou uma catástrofe natural, como a Supertempestade Sandy; ou então um terrível ataque terrorista, como o atentado a bomba de Manchester. Qualquer uma dessas crises poderia alterar radicalmente a conjuntura política, transformando subitamente o que hoje parece improvável em algo inevitável.
Vamos analisar alguns cenários de choques possíveis, e como eles poderiam ser utilizados para tornar realidade a nociva agenda de Donald Trump.
Policiais se juntam ao público em St Ann’s Square, em Manchester, para observar as flores e mensagens em homenagem às vítimas do atentado de 22 de maio na Manchester Arena. (31 de maio de 2017)
Foto: Oli Scarff/AFP/Getty Images

Choque terrorista

Os recentes atentados em Londres, Manchester e Paris nos dão um indício de como o governo Trump tentaria explorar um grande ataque terrorista contra os EUA em seu próprio território ou no exterior. Depois do terrível atentado a bomba de Manchester, no mês passado, o governo conservador inglês lançou uma campanha feroz contra o Partido Trabalhista e Jeremy Corbyn, por este ter sugerido que o fracasso da “Guerra ao Terror” estaria alimentando o terrorismo. As declarações de Corbyn foram qualificadas de “monstruosas” – uma atitude muito parecida com a retórica “ou vocês estão conosco, ou com os terroristas” usada por George W. Bush após o ataque de 11 de Setembro de 2001. Para Donald Trump, o atentado foi consequência das “milhares e milhares de pessoas que estão entrando em vários países”, embora o terrorista – Salman Abedi – tenha nascido no Reino Unido.
Da mesma forma, logo após o atentado de Westminster, em março 2017, quando um motorista jogou um carro contra uma multidão de pedestres, matando quatro e deixando dezenas de feridos, o governo conservador logo declarou que a privacidade das comunicações digitais era uma ameaça à segurança nacional. A ministra do Interior, Amber Rudd, disse em um programa da BBC que a criptografia de programas como o Whatsapp era “totalmente inaceitável”. Ela afirmou estar negociando a “colaboração” das grandes empresas de tecnologia, para que elas forneçam ao governo um acesso especial a essas plataformas. Depois do atentado da London Bridge, ela voltou a atacar a privacidade na internet de forma ainda mais veemente.
De maneira ainda mais preocupante, depois dos atentados de Paris, em 2015 – que deixaram 130 mortos –, o governo de François Hollande declarou o estado de emergência na França, proibindo manifestações políticas. Estive na França uma semana depois daqueles horríveis acontecimentos e não pude deixar de estranhar o fato de que, embora os ataques tenham sido perpetrados contra os símbolos da vida parisiense cotidiana – um show, um estádio de futebol, restaurantes etc. –, apenas a atividade política nas ruas havia sido proibida. Grandes shows, mercados natalinos e eventos esportivos – alvos perfeitos para futuros atentados – continuaram funcionando normalmente. Nos meses seguintes, o estado de emergência foi repetidamente prolongado. Ele ainda está em vigor e deve durar pelo menos até julho de 2017. Na França, o estado de exceção virou a regra.
Isso foi feito por um governo de centro-esquerda em um país com uma longa tradição de greves e manifestações. Só uma pessoa ingênua acreditaria que Donald Trump e Mike Pence não aproveitariam um ataque terrorista nos EUA para ir ainda mais longe. A reação seria imediata, declarando manifestantes e grevistas que bloqueassem rodovias e aeroportos – os mesmos que reagiram ao veto à entrada de muçulmanos – uma ameaça à “segurança nacional”. Os líderes dos protestos seriam alvo de rigorosa vigilância e jogados na prisão.
Temos que nos preparar para o uso de crises de segurança como pretexto para intensificar a criminalização de grupos e comunidades que já estão na mira do governo: imigrantes latinos, muçulmanos, líderes do movimento Black Lives Matter, ativistas ambientais e jornalistas investigativos. Essa é uma possibilidade concreta. Em nome da luta contra o terrorismo, o secretário de Justiça, Jeff Sessions, poderia finalmente acabar com a supervisão federal das policias estaduais e municipais, favorecendo a impunidade nos casos de abuso policial contra negros e outras minorias.
E não há nenhuma dúvida de que o presidente se aproveitaria de um atentado terrorista para atacar o Judiciário. Ele deixou isso bem claro ao escrever em sua conta no Twitter, após a suspensão judicial do veto migratório: “Como um juiz pode colocar nosso país em risco? Se algo acontecer, a culpa será dele e do sistema judicial”. Na noite do atentado da London Bridge, no dia 3 de junho, ele foi ainda mais longe: “O Judiciário tem que nos devolver os nossos direitos. Precisamos do veto de entrada como uma segurança extra!” No contexto de histeria coletiva e revolta que se instalaria depois de um ataque terrorista em solo americano, talvez os juízes não tenham a mesma coragem para barrar uma nova proibição à entrada de muçulmanos nos EUA.
Nesta foto tirada em 7 de abril de 2017 pela marinha americana, no Mar Mediterrâneo, o contratorpedeiro USS Porter (DDG 78) lança um míssil Tomahawk contra uma base aérea síria. O bombardeio foi uma retaliação a um terrível ataque com armas químicas realizado naquela mesma semana.
Foto: Mass Communication Specialist 3rd Class Ford Williams/U.S. Navy via AP

Choque bélico

A reação mais exagerada e letal de um governo a um ataque terrorista é se aproveitar do clima de medo para declarar guerra a outro(s) país(es). Não importa se o alvo não tem nenhuma relação com o atentado terrorista em questão; o Iraque não tinha nada a ver com o 11 de Setembro, mas foi invadido mesmo assim.
Os alvos mais prováveis de Trump estão no Oriente Médio, incluindo países como Síria, Iêmen, Iraque e, principalmente, Irã. Outro inimigo em potencial é a Coreia do Norte, sobre a qual o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, afirmou que “estamos abertos a todas as opções”, se recusando a descartar a possibilidade de um ataque preventivo.
Os colaboradores mais íntimos de Trump – principalmente aqueles oriundos do setor de defesa – têm diversas razões para apoiar mais ações militares. O lançamento de mísseis contra a Síria em abril de 2017 – realizado sem a aprovação do Congresso e, portanto, ilegal, segundo alguns especialistas – rendeu-lhe a cobertura midiática mais positiva de seu mandato até então. Os assessores mais próximos do presidente aproveitaram para declarar que o ataque era uma prova de que não havia nada de indecoroso nas relações entre a Casa Branca e a Rússia.
Mas há uma outra razão, menos evidente, para usar uma crise de segurança como desculpa para entrar em guerra: essa é a maneira mais rápida e eficaz de forçar um aumento no preço do petróleo, principalmente se o conflito prejudicar o fornecimento global da commodity. Isso traria grandes vantagens para gigantes como a Exxon Mobil, cujos lucros diminuíram drasticamente com a queda do preço desse produto. Feliz coincidência para a Exxon: Rex Tillerson, antigo diretor-executivo da empresa, é o atual secretário de Estado dos EUA. Tillerson trabalhou na Exxon durante praticamente toda a sua carreira – 41 anos; ao se aposentar, ele fechou um acordo com a empresa para receber espantosos US$ 180 milhões.
Além de empresas como a Exxon, talvez o único beneficiado com um aumento do preço do petróleo advindo da instabilidade global seria a Rússia de Vladimir Putin, um país que depende da venda dessa matéria-prima e que tem atravessado uma crise econômica desde a queda dos preços no mercado internacional. A Rússia é o maior exportador mundial de gás natural e o segundo maior de petróleo – depois da Arábia Saudita. Uma alta de preços seria uma boa notícia para Putin; antes de 2014, metade das receitas do Estado russo era proveniente do setor de óleo e gás.
Porém, quando os preços desabaram, a Rússia perdeu centenas de bilhões de dólares, uma catástrofe econômica com sérias consequências para o povo russo. Segundo o Banco Mundial, em 2015, os salários reais caíram quase 10% no país; o rublo perdeu quase 40% de seu valor e o número de pobres subiu de 3 para 19 milhões. Putin tenta manter sua imagem de homem forte, mas a crise econômica o deixa vulnerável.
Também já se falou muito sobre o vultoso acordo entre a Exxon Mobil e petroleira estatal russa Rosneft para a extração de petróleo no Ártico. Putin chegou a se gabar do montante envolvido – meio trilhão de dólares. É verdade que a negociação saiu dos trilhos com as sanções americanas à Rússia; porém, apesar da postura conflitante dos dois países em relação à Síria, é possível que Trump decida suspender as sanções e abrir caminho para a concretização do negócio, o que ajudaria a Exxon a superar seu momento difícil.
No entanto, mesmo se as sanções forem retiradas, ainda haveria outra pedra no caminho do projeto: o baixo preço do petróleo. Tillerson fechou o acordo com a Rosneft em 2011, quando o preço do barril chegou a altíssimos US$ 110. Em um primeiro momento, o consórcio faria a prospecção de petróleo nas águas ao norte da Sibéria, onde a extração seria difícil e cara. Para ser viável economicamente, o petróleo do Ártico teria que vendido a cerca de US$ 100 o barril – ou até mais caro. Portanto, mesmo se as sanções forem suspensas pelo governo Trump, o projeto da Exxon e da Rosneft só valerá a pena se o preço do petróleo estiver suficientemente alto. Consequentemente, qualquer instabilidade que empurre a cotação do petróleo para cima seria do interesse de muita gente.
Se o barril de petróleo ultrapassar a marca dos US$ 80, a corrida desenfreada para encontrar, extrair e queimar combustíveis fósseis vai recomeçar, mesmo se for preciso perfurar nossas calotas polares em derretimento ou extrair petróleo altamente poluente das areias betuminosas. Se isso acontecer, podemos acabar perdendo a nossa última chance de evitar uma catástrofe climática.
Portanto, evitar um conflito internacional e deter as mudanças climáticas são duas batalhas de uma mesma guerra..
Uma tela mostra dados financeiros no dia 22 de janeiro de 2008.
Foto: Cate Gillon/Getty Images

Choque econômico

Uma das marcas do projeto econômico de Trump tem sido o frenesi de desregulamentação financeira, o que aumenta em grande medida o risco de novos choques e desastres econômicos. O presidente americano anunciou que pretende revogar a Lei Dodd-Frank, peça fundamental da reforma financeira implementada pelo governo Obama após o colapso bancário de 2008. Embora não seja rigorosa o suficiente, a lei impede que a especulação desenfreada de Wall Street crie novas bolhas, que, quando explodem, causam novos choques econômicos.
Trump e sua equipe sabem disso, mas os lucros obtidos com as bolhas são sedutores demais para que eles se importem. Além do mais, os bancos nunca foram realmente à falência, e continuam sendo “grandes demais para quebrar”. Trump sabe que, no caso de outra grande crise, teremos outro resgate das instituições financeiras, exatamente como em 2008. O presidente chegou mesmo a decretar a revisão de um mecanismo da Lei Dodd-Frank criado para evitar que o contribuinte pague a conta de um novo resgate aos bancos. Visto a quantidade de ex-executivos do Goldman Sachs no governo Trump, isso é um péssimo sinal.
Alguns membros do governo também veem a crise econômica como uma oportunidade para atacar certos programas sociais. Durante a campanha, Trump seduziu o eleitorado com a promessa de não mexer na Seguridade Social nem no Medicare, o plano de saúde público dos EUA. Mas isso pode ser impraticável devido à grande redução de impostos que vem por aí, embora o governo aplique uma matemática fictícia para argumentar que o crescimento econômico gerado compensaria as perdas. O orçamento que foi proposto já é um primeiro ataque à Seguridade Social, e uma crise econômica poderia dar a Trump um conveniente pretexto para descumprir suas promessas. Em uma conjuntura pintada como apocalipse econômico, Betsy DeVos poderia até realizar seu sonho de substituir as escolas públicas por um sistema de escolas charter e vouchers.
A camarilha de Trump tem uma longa lista de políticas que jamais seriam aprovadas em tempos de normalidade. No início do mandato, por exemplo, Mike Pence se reuniu com o governador do Wisconsin, Scott Walker, que lhe contou como havia conseguido retirar o direito à negociação coletiva dos sindicatos do setor público no estado, em 2011. E qual foi o argumento utilizado para a aprovação da medida? A crise fiscal do governo estadual, o que levou o colunista Paul Krugman, do New York Times, a declarar que “a Doutrina do Choque está sendo aplicada de forma escancarada” no Wisconsin.
Juntando as peças do quebra-cabeça, o cenário fica claro: a barbárie econômica do governo provavelmente não será realizada no primeiro ano de mandato. Ela vai se revelar mais tarde, quando, inevitavelmente, as crises orçamentária e financeira chegarem. Só então, em nome da salvação fiscal do governo – e quem sabe da economia inteira –, a Casa Branca começará a realizar os desejos mais polêmicos das grandes corporações.
Gado pastando perto de um incêndio florestal nas cercanias de Protection, Kansas. (7 de março de 2017)
Foto: Bo RadeWichita Eagle/TNS/Getty Images

Choque ambiental

Da mesma forma que as políticas de segurança nacional e econômica do governo certamente causarão e aprofundarão crises, o foco de Trump em aumentar a produção de combustíveis fósseis, desmontar a legislação ambiental dos EUA e sabotar o Acordo de Paris abre caminho para novos acidentes industriais e futuras catástrofes climáticas. O dióxido de carbono lançado na atmosfera leva cerca de 10 anos para ter um efeito sobre o aquecimento global; portanto, as piores consequências das políticas de Trump só devem ser sentidas quando ele não estiver mais no poder.
Mesmo assim, o aquecimento global já está em um nível tão alarmante que nenhum presidente pode chegar ao fim do mandato sem enfrentar grandes desastres naturais. Donald Trump mal havia completado dois meses na função quando teve que lidar com grandes incêndios florestais no centro-oeste dos EUA. A mortandade de gado foi tão grande que um pecuarista descreveu a situação como “o nosso Furacão Katrina”.
Trump não demonstrou preocupação com os incêndios; não escreveu um tuíte sequer. Porém, quando uma supertempestade atingir o litoral do país, teremos uma reação muito diferente desse presidente que conhece o valor dos imóveis à beira-mar, despreza os pobres e investe apenas em construções para os mais abastados. A grande preocupação é com a repetição do ataque às escolas públicas e à habitação social e do vale-tudo imobiliário que se seguiram ao desastre – o que não é nada improvável, visto o papel central do vice-presidente Mike Pence na elaboração das políticas pós-Katrina.
Mas os grandes beneficiados da era Trump nessa área serão, sem dúvida, as empresas de resgate particular, direcionadas à clientela mais rica. Quando eu estava escrevendo “A Doutrina do Choque”, o setor ainda estava engatinhando, e muitas empresas não sobreviveram. Uma delas era a Help Jet, sediada na cidade queridinha de Trump, West Palm Beach. Enquanto esteve em atividade, a Help Jet ofereceu serviços de resgate VIP para quem pagasse uma taxa de associação.
Quando um furacão se aproximava, a Help Jet mandava limusines para buscar seus clientes, fazia reservas em hotéis cinco-estrelas e spas em algum lugar seguro e despachava-os em jatos particulares. “Sem fila nem multidão; apenas uma experiência de primeira classe que transforma um problema em um feriado”, dizia um dos anúncios da empresa. “Aproveite a sensação de evitar o pesadelo dos planos de evacuação em caso de furacão”, sugeria outra propaganda. Em retrospectiva, parece que a Help Jet, longe de ter superestimado o potencial desse nicho, estava apenas à frente de seu tempo. Atualmente, no Vale do Silício e em Wall Street, os mais abastados e temerosos se preparam para o caos climático e social comprando vagas em abrigos subterrâneos personalizados no Kansas – protegidos por mercenários fortemente armados – e construindo refúgios nas alturas da Nova Zelândia. E, lá, só se chega de jatinho particular, é claro.
O que é realmente preocupante nesse fenômeno da “sobrevivência de luxo” – além da esquisitice da coisa toda – é que, enquanto os ricos criam seus suntuosos refúgios particulares, há cada vez menos investimentos em infraestruturas de prevenção e resposta a desastres que possam ajudar a todos independentemente da renda. E foi exatamente isso que causou tanto sofrimento desnecessário em Nova Orleans depois da passagem do Katrina.
Os EUA estão caminhando cada vez mais rápido em direção a um sistema privado de resposta a desastres. Em estados como Califórnia e Colorado, mais suscetíveis a incêndios, empresas seguradoras oferecem um serviço especial: em caso de incêndio florestal, uma equipe de bombeiros particulares é despachada para aplicar um tratamento antichamas nas mansões dos clientes, deixando as outras à mercê do fogo.
A Califórnia nos oferece uma amostra do que ainda vem por aí. O estado emprega no combate a incêndios mais de 4.500 presidiários, que recebem 1 dólar por hora para arriscar a vida na linha de frente e cerca de 2 dólares por dia no acampamento. Segundo estimativas, a Califórnia economiza bilhões de dólares por ano graças a esse programa – um produto emblemático da mistura entre austeridade, encarceramento em massa e mudança climática..
Migrantes e refugiados se aglomeram perto do local de travessia na fronteira nas proximidades do povoado grego de Idomeni, no dia 5 de março de 2016, onde milhares de pessoas esperam para entrar na Macedônia.
Foto: Dimitar Dilkoff/AFP/Getty Images

Um mundo de zonas verdes e zonas vermelhas

Com o desenvolvimento de soluções privadas para catástrofes naturais, os setores mais abastados da sociedade têm menos motivos para pressionar o governo por mudanças na política ambiental e evitar um futuro ainda mais catastrófico para a vida na Terra. Isso pode explicar por que Trump está tão determinado a acelerar a crise climática.
Por enquanto, a discussão sobre os recuos da política ambiental de Trump gira em torno de um suposto racha no governo entre os céticos – aqueles que negam as mudanças climáticas, como o próprio Trump e o chefe da Agência de Proteção Ambiental, Scott Pruitt – e aqueles que reconhecem o fator humano do aquecimento global, como Rex Tillerson e Ivanka Trump. Mas isso é irrelevante. O que todos os assessores de Trump têm em comum é a crença de que eles, seus filhos e seus pares estarão em segurança; que sua riqueza e contatos irão protegê-los do pior. Eles perderão alguns imóveis com vista para o mar, é verdade, mas isso não é nada que não possa ser substituído por uma bela mansão nas montanhas.
Essa despreocupação é uma tendência extremamente inquietante. Em uma era de desigualdade crescente, uma boa parte das nossas elites está se isolando física e psicologicamente do destino coletivo da humanidade. Esse isolacionismo, ainda que apenas mental, permite que os ricos não só ignorem a necessidade de proteger o meio ambiente, mas também se aproveitem dos desastres e do clima de instabilidade para lucrar ainda mais. Estamos indo em direção a um mundo dividido entre “zonas verdes” fortificadas para os ricos e “zonas vermelhas” para o resto. E “zonas negras” – prisões secretas – para quem não estiver satisfeito. Europa, Austrália e América do Norte estão fortificando (e privatizando) cada vez mais as fronteiras para se isolar daqueles que fogem de seus países para sobreviver. Muitas vezes, os próprios países que agora estão se fechando são em grande parte responsáveis pelas ondas de imigração, seja por meio de acordos comerciais predatórios, guerras ou desastres ambientais intensificados pelas mudanças climáticas.
De fato, se mapearmos as áreas que mais sofrem com conflitos armados atualmente – dos sangrentos campos de batalha no Afeganistão e Paquistão à Líbia, Iêmen, Somália e Iraque –, um fato nos salta aos olhos: esses são alguns dos lugares mais quentes e secos do planeta; são regiões à beira da fome e da seca, dois catalisadores de conflitos, que, por sua vez, ajudam a produzir migrantes.
E a mesma tendência a diminuir a humanidade do “outro” – tornando-nos insensíveis às vítimas civis de bombardeios em países como Iêmen e Somália – agora está sendo aplicada aos refugiados, cuja busca por segurança é vista como a invasão de um exército ameaçador. É nesse contexto que, de 2014 para cá, 13 mil pessoas que tentavam chegar à Europa morreram afogadas no Mediterrâneo, muitas delas crianças e bebês; é nesse contexto que a Austrália está tentando normalizar o encarceramento de refugiados em centros de detenção nas ilhas de Nauru e Manus, em condições classificadas por diversas organizações humanitárias como análogas à tortura. É nesse mesmo contexto que o gigantesco acampamento de refugiados de Calais, recém-desmantelado, foi apelidado de “selva” – da mesma forma que as vítimas abandonadas do Katrina foram chamadas pela mídia de direita de “animais”.
O dramático crescimento nas últimas décadas do nacionalismo de direita, do racismo, da islamofobia e do supremacismo branco em geral está intimamente ligado às novas tendências geopolíticas e ecológicas. A única maneira de justificar essas formas bárbaras de exclusão é apostando em teorias de hierarquização racial, que determinam quem merece ou não ser excluído das “zonas verdes”. É isso que está em jogo quando Trump chama os mexicanos de estupradores e “_hombres_maus”; quando os refugiados sírios são tachados de terroristas em potencial; quando a política conservadora canadense Kellie Leitch defende um teste de “valores canadenses” para imigrantes; ou quando sucessivos primeiros-ministros australianos classificam os sinistros campos de detenção como uma alternativa “humanitária” à morte no mar.
Esse é o resultado típico da instabilidade global em nações que nunca repararam os crimes do seu passado; em países que insistem em ver a escravidão e o roubo das terras indígenas como meros solavancos em uma história gloriosa. Afinal de contas, a separação entre zonas verdes e vermelhas já existia na sociedade escravocrata: os bailes na casa dos senhores aconteciam a poucos metros da tortura nos campos. E tudo isso nas terras violentamente arrancadas dos índios – terra sobre a qual a riqueza norte-americana foi construída. Agora, as mesmas teorias de hierarquia racial que justificaram tanta violência em nome do progresso estão ressurgindo à medida que a riqueza e o conforto que elas proporcionaram começa a se desgastar.
Trump é apenas uma manifestação precoce desse desgaste. Mas ele não é o único. E não será o último.
Moradores da favela da Mangueira assistem de longe aos fogos de artifício da cerimônia de abertura das Olimpíadas de 2016, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. (5 de agosto de 2016)
Foto: Mario Tama/Getty Images

Uma crise de imaginação

Cidades fortificadas exclusivas para os ricos, isolados do resto do mundo em luta pela sobrevivência. É sintomático que esse seja um tema recorrente de diversos filmes de ficção científica atualmente, como Jogos Vorazes, em que o decadente Capitólio enfrenta as colônias desesperadas; e Elysium, em que uma elite vive em uma estação espacial acima de uma enorme e violenta favela. Esta é uma visão entranhada na mitologia das grandes religiões ocidentais, com suas épicas narrativas sobre dilúvios purificadores e um pequeno grupo de eleitos; histórias de infiéis ardendo em chamas enquanto os justos se refugiam em uma cidade fortificada nos céus. A dicotomia entre vencedores e condenados está tão presente no nosso imaginário coletivo que é um verdadeiro desafio pensar em outros finais para a narrativa da humanidade; um final em que a raça humana se una em um momento de crise em vez de se separar; um final em as fronteiras sejam derrubadas em vez de multiplicadas.
Afinal de contas, o objetivo de toda essa tradição narrativa nunca foi simplesmente descrever o que inevitavelmente acontecerá com a humanidade. Não, essas histórias são um aviso, uma tentativa de abrir os nossos olhos para que possamos evitar o pior.
“Nós temos a capacidade de dar ao mundo um novo começo”, disse Thomas Paine muitos anos atrás, resumindo em poucas palavras o desejo de fugir de um passado que está no cerne tanto do colonialismo quanto do “sonho americano”. Porém, a verdade é que nós _não temos_esse poder divino de reinvenção; nunca o tivemos. Temos que conviver com nossos erros e problemas, bem como respeitar os limites do nosso planeta.
Mas o que nós temos é a capacidade de mudar, de reparar velhas injustiças e a nossa relação com o próximo e com o planeta em que vivemos. Essa é a base da resistência à Doutrina do Choque.
Adaptado do novo livro da Naomi Klein, _No Is Not Enough: Resisting Trump’s Shock Politics and Winning the World We Need. _O livro será publicado em novembro de 2017 pela Bertrand Brasil. Foto do topo: Bombeiros do Kansas e de Oklahoma lutam contra um incêndio perto de Protection, no Kansas. (6 de março de 2017)
Tradução: Bernardo Tonasse
The post O pior da agenda tóxica de Donald Trump só será desencadeado com uma grande crise nos EUA appeared first on The Intercept.
submitted by feedreddit to arableaks [link] [comments]


2015.08.03 22:59 emigratingverynice [Ajuda] Quero emigrar mas "não sei como"!

Boa noite.
Acabei este ano de estudar e estou seriamente a pensar em emigrar, e tenho como destinos UK. Já andei a procurar e emprego na minha área é o que não falta, aqui em Portugal também se encontra, mas não é a mesma coisa(£££). O problema é que eu não pesco nada disto de emigrar.
O que é que eu preciso de tefazer para poder ir viver para o UK/(a nível de papelada)?
Quanto dinheiro é preciso para se viver em Londres e arredores?(deve haver ai alguém que lá viva e me saiba dizer +/-)
Vai ser o meu primeiro emprego(já trabalhei, mas foi no "mercado paralelo"), será má ideia ir já para fora? É a única coisa que me prende a Portugal neste momento, porque não só me vou ter de adaptar a viver num país diferente como vou ter de trabalhar num mercado que não conheço num trabalho que "nuca fiz".
Agradeço desde já a quem me puder ajudar.
submitted by emigratingverynice to portugal [link] [comments]


O ANUNCIO OFICIAL DA NASA E ALERTA DESVIAR O METEORO 2017 DE 14O KM COM AS FERRAMENTAS DISPONIVEIS Vinicius O - YouTube Redução da Taxa Social Única (TSU) em 2016 BARRADINHO EM CROCHÊ CARREIRA ÚNICA O QUE FAZER EM UMA URGÊNCIA ONDE O CANAL NÃO PARA DE SANGRAR? - QUICK TIP ENDOLOVERS

O que fazer em Londres – Segredos de Londres

  1. O ANUNCIO OFICIAL DA NASA E ALERTA DESVIAR O METEORO 2017 DE 14O KM COM AS FERRAMENTAS DISPONIVEIS
  2. Vinicius O - YouTube
  3. Redução da Taxa Social Única (TSU) em 2016
  4. BARRADINHO EM CROCHÊ CARREIRA ÚNICA
  5. O QUE FAZER EM UMA URGÊNCIA ONDE O CANAL NÃO PARA DE SANGRAR? - QUICK TIP ENDOLOVERS
  6. Dica Intima - Sutiã invisível

A Importância Deste Momento É Única Em Todo O Mundo: Falar Tudo Que Sabemos Em Favor De Desviar Impacto Deste Meteoro 2017 Agora, Neste Seminário De 100 Mil Pessoas. Em Fevereiro De 2017. 3 ... O maior e único canal que descomplica a aviação para os entusiastas, curiosos e ainda tira seu medo de voar. Histórias fantásticas todo domingo, vídeos às quintas e um extra a qualquer momento! Estilo em Dobro 680,717 views. ... Como fazer Sutiã invisível ... COMO REAPROVEITAR SUTIÃ VELHO - 3 IDEIAS (O QUE FAZER?) - Duration: 12:22. Nina Martins 534,140 views. Você encaixa uma pulpite de urgência, dá conta de abrir o dente, faz os procedimentos necessários e na hora que você vai colocar a medicação intracanal… nota que o canal não parar de ... Olá meus amores! Vocês pediram, e atendendo a pedidos mais um barradinho!Fiz o passo a passo desse,que é super fácil de fazer,espero que gostem!Beijos Inscre... O Decreto-Lei n.º 11/2016, de 8 de março, criou uma medida excecional de incentivo ao emprego que consiste numa redução de 0,75 pontos percentuais da taxa contributiva para a Segurança Social ...